Beleza

Da cara limpa ao galã rústico: a evolução dos ícones de beleza masculina

Do UOL, em São Paulo

Os galãs do cinema, da TV e da música de hoje seriam considerados bonitos no início do século passado? Ao longo das décadas é possível perceber que há padrões de beleza que nunca mudam - o rosto quadrado é sucesso desde sempre -, mas outros surgiram e desapareceram ao longo do tempo, como as barbas, bigodes e os temidos mullets. Relembre alguns dos ícones do passado e do presente.

  • Reprodução/IMDB

    Anos 20

    O ator ítalo-americano Rudolph Valentino, sucesso nos filmes mudos, é considerado o primeiro galã nos formatos que conhecemos hoje: o que arrasta multidões de fãs. A beleza da época era cabelo bem alinhado, cara limpa e todo foco para os olhos.

    Imagem: Reprodução/IMDB

  • Reprodução/IMDB

    Anos 30 e 40

    Topete, como o de Cary Grant, e bigode surgem como mudanças na beleza masculina da época. E não precisava esbanjar juventude ou perfeição. As orelhas de Clark Gable não impediram o ator de tornar-se um símbolo sexual, principalmente após o lançamento de "E O Vento Levou", em 1939, quando ele já estava chegando aos 40 anos de idade.

    Imagem: Reprodução/IMDB

  • Reprodução/IMDB

    Anos 50

    A juventude era o foco. Cara limpa e um topete ainda maior compunham a atitude rebelde que influenciou a geração de homens da época. Além do rosto, o resto do corpo ganha mais atenção e surgem os primeiros "fortões". Tony Curtis, Elvis Presley, James Dean e Marlon Brando eram os grandes ícones.

    Imagem: Reprodução/IMDB

  • AP/Reprodução/France Press

    Anos 60

    A rebeldia da década anterior foi substituída por galãs com ares bem mais sérios, como o ator francês Alain Delon, ou ainda mais joviais, como o muso da beatlemania Paul McCartney. O cabelo mais alinhado perdeu o topete e ganhou cortes bem menos ousados.

    Imagem: AP/Reprodução/France Press

  • Reprodução/IMDB

    Anos 70

    Cabelos ao vento, furinho no queixo e barba (muita barba). A década revelou ícones com um visual mais descontraído - Harrison Ford, Al Pacino e John Travolta, entre eles. Valia mais o estilo e a cara de mau do que apenas um rostinho esteticamente perfeito.

    Imagem: Reprodução/IMDB

  • Reprodução/IMDB/Facebook

    Anos 80

    Comprido liso, comprido desfiado, repicado, espetado e os inesquecíveis mullets compunham toda a varidade capilar masculina da década. Axl Rose, Bon Jovi, Kevin Bacon e Patrick Swayze eram bons exemplos desses anos em que a barba foi deixada de lado e o visual "rocker" era o mais importante.

    Imagem: Reprodução/IMDB/Facebook

  • Reprodução/IMDB/Divulgação

    Anos 90

    Cara de astro do rock, de surfista ou de médico? Galãs da época, como Johnny Depp, Rodrigo Santoro e George Clooney, mostravam um padrão mais democrático. Loiro, moreno, magrinho ou mais forte, valia tudo. As sobrancelhas grossas ainda resistiam.

    Imagem: Reprodução/IMDB/Divulgação

  • Reuters/Globo

    Atualidade

    A barba ralinha de Ryan Reynolds, a milimetricamente pensada como a de David Beckham ou a assumidamente desgrenhada de Domingos Montagner são referências de beleza masculina atual. Além disso, o cabelo branco ganhou status de charme e as pressões pelo corpo perfeito estão cada vez mais questionadas.

    Imagem: Reuters/Globo

Topo