Esmalte e unha

Leitoras contam os perrengues que já passaram com manicure

Cecília Leite Pabst

Colaboração para o UOL, de São Paulo

Não é fácil encontrar a manicure "dos sonhos", aquelas que conseguem reproduzir com perfeição as técnicas da moda e que têm mãos de fada e não tiram "bifes". É complicado também encontrar uma boa profissional cujos horários livres magicamente batem com sua agenda lotada. A seguir, veja depoimentos de quatro mulheres sobre os "perrengues" que enfrentaram em busca de um final feliz.

  • Arquivo pessoal

    "Não fica impecável, mas pelo menos eu fico inteira"

    "Quando adolescente eu até fazia as unhas no salão, mas parecia que as manicures nunca respeitavam quando eu falava 'não tira bife'. Sempre saía de lá com pedaço faltando do meu dedo e sangrando. Depois de muito tentar, eu desencanei. Resolvi fazer em casa mesmo. Não fica impecável, mas pelo menos eu fico inteira, feliz e não gasto um dinheirão à toa." Cecília Levenstein, 27 anos

    Imagem: Arquivo pessoal

  • Arquivo pessoal

    "Depois de tanto insistir pelo telefone eu resolvi ir atrás pessoalmente"

    "Por muito tempo paguei para fazer as unhas na manicure, mas acabava saindo do salão decepcionada. Até que um dia fiquei sabendo de uma profissional que todos elogiavam, mas que nunca nem tinha horário, pois já tinha suas clientes fixas e era bastante concorrida. Não foi fácil, mas depois de tanto insistir pelo telefone eu resolvi ir atrás pessoalmente para pedir um encaixe na agenda. E não é que consegui? Desde então eu não deixei mais de fazer as unhas com ela, e hoje consegui até horário fixo semanalmente." Rafaela Dias, 24 anos.

    Imagem: Arquivo pessoal

  • Arquivo pessoal

    "Fiquei com a mão mal feita e dolorida por uns três dias"

    "Assim que eu sentei e coloquei a cutícula para amolecer, a manicure já pediu para passar para ela a lixeira que estava do meu lado. Na hora de pegar, ela quase derrubou tudo em mim. Para piorar, ainda tirou 'bifinhos' de todos os meus dedos, além de não saber lixar as unhas direito. No dia eu estava com uma unha quebrada e as demais estavam bem grandes. Ao final, a moça acabou deixando uma bem menor do que as outras. Fiquei com a mão mal feita e dolorida por uns três dias." Giulia Rosso, 29 anos.

    Imagem: Arquivo pessoal

  • Arquivo pessoal

    "Ela conseguiu realizar meu sonho da 'meia-lua' perfeita"

    "Há cinco anos resolvi adotar o modelo de unha 'meia-lua', usado pelas mulheres na década de 40, mas no bairro onde eu morava foi difícil encontrar alguma manicure que conseguisse fazer a técnica. Depois de muito pesquisar, ainda cheguei em uma profissional que me convenceu porque disse que já tinha visto na televisão. Hoje, olhando as fotos antigas, sei bem que ela não sabia fazer direito. Dois anos se passaram e minha 'meia-lua', por todo esse tempo, parecia mais uma montanha. Até que, finalmente, cheguei na Gi Camargo, que conseguiu realizar meu sonho da 'meia-lua' perfeita. Não troco a Gi por nada, sou cliente dela há três anos já". Brisa Issa, 32 anos.

    Imagem: Arquivo pessoal

Topo