Beleza

Mulheres contam os perrengues que passaram ao tentar platinar o cabelo

Arte/UOL
Platinar o cabelo tem as suas consequências, mas às vezes as mulheres vão ao limite para conquistar os fios claros imagem: Arte/UOL

Cecília Pabst

Colaboração ao UOL, em São Paulo

Descolorir os cabelos é tarefa para quem sabe o que está fazendo. Platinar? Nem pensar em fazer em casa sozinha! O mais indicado, nos dois casos, é procurar ajuda profissional para não estragar os fios e evitar acidentes irreversíveis. A seguir, leia a história de sete mulheres que viveram verdadeiros dramas na hora de mudar o visual.

  • "Perdi muito cabelo"

    "Minha ideia era um tom parecido com os das cantoras Gwen Stefani e Christina Aguilera, mas fui cuidadosa e procurei um profissional para fazer o procedimento corretamente. Ele fez, achei maravilhoso, ficou exatamente no tom que eu queria e ainda fiquei com bastante cabelo. Só que ele me pediu pra voltar lá no dia seguinte, pois faltava finalizar algo do processo todo que ele costumava fazer. Infelizmente não tive a mesma sorte no dia dois: ele acabou me deixando grisalha e me senti horrível. Preferi resolver o problema sozinha, do meu jeito, mas deixei o descolorante tempo demais por descuido e praticamente um 'poodle' saiu da minha cabeça. Até hoje tenho guardado os tufos que caíram para me lembrar que é sempre melhor pedir ajuda profissional" (Beatriz Godoy Nardi, 23 anos)

  • "Tive rejeição ao descolorante"

    "Faz mais de seis anos que uso cabelo platinado, mas quando completei dois anos de descolorante tive rejeição a uma certa marca, perdi um pedaço de cabelo e minha pele ficou inteira cheia de manchas. Resolvi o problema aos poucos, só depois de um bom tempo o cabelo ficou bom, mas mesmo depois de tudo o que passei fui teimosa e resolvi manter o platinado, que uso até hoje e não vivo sem" (Lucy Horn, 26 anos)

  • "Perdi todo o cabelo da parte de trás da cabeça"

    "Eu era fã da atriz norte-americana Jean Harlow, musa dos anos 30, e resolvi que queria ser platinada como ela. Como sou maquiadora profissional e trabalho no meio, também aprendi a fazer cabelo. E para fazer do meu jeito, eu gostava de mudar o tom dos meus fios em casa mesmo. O problema é que eu fazia tudo sozinha, só com ajuda de um jogo de espelhos, e começava sempre pela parte de trás da cabeça, sem muito cuidado. Por descolorir muitas vezes por cima da mesma mecha, perdi todo o cabelo dessa região. Fiquei uns bons meses usando cabelo preso até crescer" (Camila Maraschin Irala, 27 anos)

  • "Não contava com o poder destrutivo da água da Europa"

    "Achei que daria conta de cuidar e clarear o meu cabelo sozinha quando me mudei de São Paulo para Berlim, na Alemanha, em 2012. Os produtos que usei foram pré-aprovados pelo meu ex-cabeleireiro do Brasil, mas mesmo seguindo as instruções corretamente, estraguei muito os fios. O problema foi que eu não contava com o poder destrutivo da água da Europa, que é super calcária, e o excesso dela ressecou tudo: pele, unhas e, principalmente, meu cabelo. Enfrentei corte químico, secura extrema e um frizz fora do controle. Desisti do meu platinado quase um ano depois, quando ficou inviável gastar fortunas em produtos caros e tratamentos para melhorar a situação" (Marcela Faé, 32 anos)

  • "Ela não sabia mais o que estava fazendo"

    "Quando fiz 18 anos consegui um emprego como assistente de cabeleireiro e logo me chamaram para ser modelo de cor, para ajudar uma 'profissional'. Fiz apenas uma exigência: ficar platinada. Mas ela tinha muito pouco tempo para finalizar o processo, então estava fazendo tudo com muita pressa e senti que em algum momento ela não sabia mais o que estava fazendo. Hoje eu me tornei uma profissional especializada em loiras, e sei que pressa nunca dá certo quando o assunto é platinar. Meu infeliz resultado na época foi uma raiz de cor roxa e um cabelo todo amarelado. Fiquei péssima, não queria que ninguém me visse daquele jeito" (Larissa Pugaciov, 29)

  • "Achei que fosse ficar careca"

    "Eu amava platinados desde os 16 anos. Fui em um salão onde eu já tinha cortado o cabelo e toparam. Deu certo, fiquei mais de seis horas para terminar, nunca senti tanto calor na minha vida, a cabeça parecia ferver de tanto que esquentava. Amei o resultado e saí do salão super feliz. Até que dois dias depois de descolorir vi os pontinhos pretos no couro cabeludo crescendo. Em duas semanas já era visível a raiz grande. Marquei para retocar, mas logo depois senti meu cabelo com muito menos volume. E cada vez que eu tomava banho entrava em pânico de tanto cabelo que quebrava e caía, achei que fosse ficar careca, eram tufos e mais tufos no ralo. Aceitei que destruiu mesmo e que eu não ia mais poder retocar a raiz. Para dar um jeito, comecei a pintar de tudo quanto é cor de tinta temporária, como roxo, verde, rosa, azul, etc. Demorou mais ou menos dois anos para voltar a ser como estava antes de descolorir, de comprimento e de quantidade, mas não me arrependo. Já cogitei várias vezes fazer de novo" (Verena Figueiredo, 25 anos)

  • "Precisei dormir na casa do cabeleireiro"

    "Alguns amigos maquiadores e cabeleireiros me convenceram a voltar a ser platinada. Pintei com ajuda de um amigo algumas vezes, mas nunca chegava no tom que eu queria. Quando mudei de cabeleireiro ele acertou o tom na primeira pintura, mas demorou por volta de 12 horas. Havia uma mecha, na frente, que ficava manchada por conta da pintura anterior, e ela não descoloria por nada. Nesse dia precisei dormir na casa do meu cabeleireiro! Apesar do trabalho, não me vejo mais morena" (Heloysa Filippo, 27 anos)

Topo