Últimas de Estilo de vida

Não era desfile, era cilada: modelos contam as dificuldades de beleza

Alexandre Schneider/UOL
Desfile Ronaldo Fraga Inverno 2015 imagem: Alexandre Schneider/UOL

Juliana Simon

Do UOL, em São Paulo

Rotina de modelo não é para qualquer uma. Engolir o choro também faz parte na hora dos desfiles. Experimentar vários estilos de cabelo em questão de horas e submeter-se a loucuras de maquiagem estão na memória, muitas vezes dolorosa, das modelos. Seis delas contaram anonimamente ao UOL Beleza os maiores perrengues do antes e depois das passarelas. Leia os depoimentos a seguir:

Modelos relembram perrengues de beleza

  • Modelo pele vermelha

    Na temporada Inverno 2015 da SPFW, o desfile de Ronaldo Fraga chamou atenção pelas modelos cobertas de tinta vermelha. Para as meninas e maquiadores, a experiência não foi nada boa. "Para tirar aquela tinta depois do desfile, todas as modelos ficaram enfiadas no banheiro e os maquiadores esfregaram a gente com toalha e detergente. Foi um hospício lá dentro. Aquelas meninas, magras, peladas e vermelhas. E, pior, morrendo de frio."

  • Estrelinhas do mal

    Outro make problemático foi o da grife Têca, na temporada passada. As estrelinhas coladas logo abaixo dos olhos agradaram muita gente menos as modelos. "O primeiro problema era retirar as estrelas na pressa e muitas meninas ficaram com alergia, o que prejudicou maquiagens seguintes. Todo mundo estava sofrendo."

  • Base até na alma

    A criatividade sem limites de muitos maquiadores ficam na lembrança e no corpo das modelos por dias. "Teve um desfile em que colocaram quilos de base no meu cabelo e no meu corpo. Não sabia como tirar, foi bem tenso. Tive que passar detergente, porque xampu não adiantava."

  • Rosto meio a meio

    Algumas vezes, o problema surge antes de entrar na passarela, como no caso de uma das modelos entrevistadas que teve o rosto maquiado metade de um jeito, metade de outro. "A gente fica sem graça de falar, mas falei que ficou totalmente assimétrico. Quem estava no comando percebeu e arrumaram a tempo."

  • Ninho de cabelo

    Outro problema é o cabelo. Pode ser liso, enrolado, fino ou grosso, mas precisa encaixar na ideia do desfile. "Uma vez estava fazendo um cabelo imenso, todo emaranhado no topo e como meu cabelo é muito liso, o penteado não saía. Minha mãe teve que passar óleo para desembaraçar e o cabelo ficou ensebado durante uma semana. Acabou atrapalhando todos os meus outros trabalhos', contou uma das meninas.

  • Peso dos dreads

    Algumas vezes, segurar as lágrimas de dor é impossível. "Teve uma vez que colocaram dreads enormes no meu cabelo e eu tive que ficar com eles por quatro horas. Quando começou o desfile, minha cabeça estava latejando já e demorou muito para tirar. Quando consegui, eu comecei a chorar".

Topo