Beleza

Fotos retratam plásticas que sul-coreanas fazem para parecerem ocidentais

A série "Beauty Recovery Room" (sala de recuperação da beleza, em tradução livre do inglês), da artista sul-coreana baseada em Nova York Ji Yeo, mostra o sacrifício físico a que mulheres na Coreia do Sul têm se submetido para aderir a pressões sociais de alcançar um tipo de beleza mais ocidental.

As fotos mostram o pós-operatório de mulheres que se submeteram a cirurgias plásticas, algo que se tornou parte integrante da cultura atual da Coreia do Sul, visto como parte de um novo processo de melhoria de si mesma.

Entrar na faca, suportar contusões e cicatrizes, e receber diversas anestesias gerais, não são mais considerados de risco ou extravagâncias. "Todas essas mulheres passaram por diferentes procedimentos e têm planos para outros no futuro", contou Yeo à BBC Brasil.

Yeo, que tem 29 anos, não é uma das milhares de sul-coreanas que já se submeteram à uma cirurgia plástica, mas ela conta que, mesmo depois de trabalhar nesse projeto, entra constantemente em conflito com o desejo de ser mais bonita e com a crença de que teria uma vida melhor se fosse mais bonita.

"Mesmo agora, depois de anos de estudo, após o longo processo de desenvolver a capacidade de diferenciar a imagem que queremos retratar da realidade, eu ainda luto com o desejo de alcançar a perfeição", disse Yeo.

Yeo conta que todas essas mulheres têm musas em quem se inspiram --todas ocidentais. "Uma quer ter os olhos de uma celebridade, a outra o nariz, os seios e a testa. É muito comum pacientes levarem fotos das mulheres famosas para mostrar quem elas desejam ser", ela disse à BBC Brasil.

Topo