Beleza

Ano do esmalte na beleza, 2010 lançou cores, texturas e novos modismos para as unhas

KÁTIA NEVES

Colaboração para o UOL

Na área da beleza, 2010 pode ser considerado o ano da ascensão e consagração do esmalte. Considerado fundamental para compor o visual feminino, ele ganhou status de acessório de moda. A supremacia dos “clarinhos" em contraposição aos vermelhos foi derrubada pela explosão de cores como o azul, o verde, o alaranjado e o cinza, que circulam nas unhas em infinitos acabamentos - fluorescente, fosco, glitter, perolado, cremoso, cintilante, metálico, matte, holográfico, flocado, "duochrome" e emborrachado.

  • Divulgação

    Neutros, verdes, corais, flocados, tons pastel, neons, glitters e holográficos: algumas das tendências de esmaltes que fizeram a cabeça - e as unhas - das brasileiras em 2010

Disseminadores do culto à unha, os blogs de esmalte pipocaram na internet, divulgaram e comentaram tendências e foram fundamentais para a valorização deste cosmético. Para Camila Zatz, do blog Loucas por Esmalte, os tons fluorescentes (ou neon) foram os que mais agradaram as brasileiras. A tendência começou no início de 2010 e ainda está na moda. “As cores fluorescentes começaram a bombar nas unhas e acabaram entrando para o vestuário. Ainda estamos com muitas roupas e sapatos nesses tons, e tudo começou com as unhas”, diz Camila. Para ela, o estilo fosco não agradou tanto a consumidora brasileira esperava. “Apesar das marcas de esmaltes terem lançado diversas coleções com esmaltes foscos, a mania atraiu mais as loucas por esmaltes do que a consumidora ‘comum’. Observando nas ruas, percebi que era bem mais fácil encontrar uma mulher usando um esmalte neon do que um fosco”,  finaliza. 

Já para Letíca Cardoso e Bia Lombardi, do blog Mão Feita,  as cores pastel, ou “candy nails” como elas costumam chamar, foram as mais usadas neste ano e continuarão nas unhas das consumidoras em 2011. “Acredito que, além dos tons pastel, o branco será a grande tendência para o próximo verão”, diz Letícia. Quando o assunto é textura, as blogueiras do Mão Feita também concordam que a cobertura fluorescente foi a grande aposta do começo do ano, mas que agora é a vez dos holográficos. “Matte, é um tipo de cobertura difícil de agradar a todas. Já o flúor foi super usado no começo do ano, alto verão, as consumidoras surpreenderam a gente e se jogaram na ousadia. Glitter, sempre teve seu público. Agora, o holográfico é o grande objeto de desejo para 2011”, diz Bia, que também recebe o aval de Letícia.  “Acho que matte e fluor já caíram bastante, a procura diminuiu muito e quem entrou (e está) com tudo agora é o holográfico. A grande diferença dos glitters nomomento é que são 3D e possuem partículas de poliéster metalizado que dão um efeito tridimensional. Para 2011 acredito que o craquelado e o flocado também farão muito sucesso”, complementa.

Para a aficionada por esmaltes Mônica Araujo, do blog 9 ml,  as mais jovens se jogaram nos coloridos. As mulheres mais maduras trocaram o vermelho tradicional pelo pink vibrante; o nude e branquinho pelos tons acinzentados inspirados pelo Particulière  da Chanel. “Ninguém ficou de fora nessa revolução de esmaltes. O verão começou bem colorido e vibrante e todas as cores que chamavam a atenção fizeram sucesso”, diz.  Aliás, desde que a turma de Karl Lagerfeld mirou foco nas unhas, a maioria dos grandes lançamentos de esmalte saiu da maison Chanel.  A partir do momento que a marca lançou o azul-marinho Blue Satin (2008) e o verde-água Jade (2009), o esmalte virou objeto de desejo  para  as consumidoras brasileiras de todas as classes sociais.  Mas a blogueira ressalta:  “Se existe realmente algo que não pegou no Brasil foram os mattes. Todo o alvoroço do lançamento se deu mesmo pela novidade, pelo frisson de saber que a indústria brasileira estava sucumbindo aos pedidos das mulheres ávidas por coisas novas. Era com isso que ficávamos felizes e não com a unha matificada em si. Foi bom saber que tínhamos a opção de deixar fosco o esmalte. Mas a brasileira que adora brilho e luz, tratou de usar o seu top coat e continuar com suas unhas reluzentes. Em contrapartida, todas as outras novidades que favoreciam o espírito alegre pegaram, desde os neons supercoloridos aos brilhos dos holográficos. Até o glitter, que há alguns anos era considerado brega, voltou com tudo”, comenta Mônica.

Mercado promissor

A manicure Gisele Camargo, da boutique de esmaltes Pic Nic Dric Adriana Barra, em São Paulo, revela que a consumidora brasileira adotou o esmalte colorido e procura marcas hypes como a Chanel, com tons que estão nas mãos das celebridades. “Particulière, Jade, Blue Satin, Black Velvet, Gôndola e Strong são as cores mais desejadas por minhas clientes que estão sempre antenadas com a moda”, comenta Gisele, que cita o glitter e o holográfico como as texturas mais pedidas e o flocado como aposta para 2011. “Antes ninguém queria passar esmalte com glitter, agora as meninas querem o Happy Birthday, de Deborah Lippmann. Já entre os holográficos, o que mais sai é o da OPI com efeito 3D. Agora, o flocado laranja da Nfu-Oh, com certeza, fará sucesso no verão”, explica.

Para as esmaltólatras de plantão que não têm acesso às marcas internacionais, a indústria cosmética brasileira criou coleções inspiradas nas passarelas das grandes grifes. Segundo a diretora executiva de Marketing da Hypermarcas, Mel Girão, a Risqué acompanha o comportamento das mulheres do mundo todo e há algum tempo, verifica que o esmalte vem sendo usado como um acessório de moda. Considerando esta evolução, a marca iniciou um trabalho mais ousado em cores e efeitos que vem agradando as consumidoras mais antenadas. “Para a criação dos esmaltes, levamos em conta pesquisas com estilistas e fornecedores sobre o que será tendência no universo da moda. Além disso, estamos sempre alinhados com resultados de insights diferenciados originados do acompanhamento das consumidoras e manicures”, diz. Como exemplo, há a parceria que a marca desenvolve desde 2005 com o estilista Reinaldo Lourenço - a de verão 2010, Pop 4 You, teve inspiração nos anos 60.

O esforço das empresas em correr atrás de novidades parece agradar as consumidoras. Dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) mostram que só em setembro deste ano, o consumo brasileiro de esmaltes chegou a quase 60 milhões de vidrinhos. E a projeção da Abihpec para 2010, se mantida a proporção, podo alcançar um total de 720 milhões de unidades vendidas, o que torna o Brasil o segundo mercado mundial do produto, atrás apenas dos Estados Unidos - um crescimento expressivo, já que em 2009 a indústria registrou a produção de 360 milhões de unidades, proporcional a um faturamento de R$ 395,7 milhões. “Além da mudança de comportamento, outro fator que contribui para o crescimento da procura por esmaltes no Brasil, desde 2004, é a incorporação das classes C e D ao consumo”, diz  João Carlos Basilio, presidente da Associação.

Na onda das celebridades

  • Patrícia Araújo/UOL

    Unhas com adesivos Minx Nails na mão da manicure Gisele Camargo, de São Paulo

As mãos de Katy Perry, Beyoncé, Rihanna, Lady Gaga e outras celebridades que flertam com o mundo da moda estão sempre na mira das mulheres que adoram novidades. É por isso que 2010 foi marcado também por tendências na forma de aplicação dos esmaltes.

Os adesivos para unha viraram febre no quesito decoração. A marca californiana Minx Nails, que faz a cabeça – ou melhor, as mãos - da cantora Katy Perry, aterrissou no Brasil com padronagens diferenciadas e até desenhos sob encomenda. “Há adesivos com versões holográficas, oncinha, caveirinha...A aplicação é bem simples e dura cerca de uma semana”, conta a manicure Gisele Camargo. O preço, no entanto, ainda é pouco convidatido para as brasileiras: é preciso dispender cerca de R$ 200 apenas para decorar as unhas das mãos, enquanto um vidrinho de esmalte das marcas populares custa entre R$2 e R$ 3.

Outra novidade que fez sucesso foi a "half moon" (meia-lua), popularizada pelas celebrities Dita Von Teese e Kim Catrall. Aqui no Brasil, a atriz Mayana Moura adotou o estilo inspirado nas décadas de 20 e 30. “Com certeza a vintage nail (unha vintage), ou francesinha invertida como alguns chamam, é sexy e elegante ao mesmo tempo!”, diz Bia Lombardi, do blog Mão Feita. O charme deste estilo é deixar uma meia lua próxima à cutícula sem pintar ou pintada com esmalte claro.


Leia mais:

Topo