Cuidados com o cabelo

Para não errar na hora da compra, saiba como cada finalizador age no cabelo

Arte UOL
Em mousse, pó, spray ou creme, o mercado oferece farta variedade de produtos finalizadores; para conseguir o efeito desejado, é preciso saber como aplicar cada um deles imagem: Arte UOL

Colaboração para o UOL

Para definir cachos
Os mais indicados para esse efeito são os ativadores de cachos e os cremes para pentear, que contêm ativos hidratantes na fórmula, já que os fios cacheados tendem a ser mais secos, por conta do formato. E dentro dessa categoria, existem vários tipos e funções que variam de acordo com os ingredientes principais. “Os que contêm mais aminoácidos e proteínas (para saber, basta ler o rótulo da embalagem) têm leve fixação, encorpam os fios e definem cachos; aqueles com óleos essenciais, pantenol e lanolina são mais emolientes, ajudam nos cachos mais maleáveis e pontas muito secas; e os que têm silicones ajudam no brilho”, explica Luciana Nilo.

Antifrizz
Os finalizadores com essa função são indicados para domar aqueles fiozinhos quebradiços e desalinhados – “Inimigos número 1 da mulher brasileira”, garante Sandro. Normalmente vêm na versão creme e são mais pesados que os demais. “O ideal é que seja aplicado no cabelo quase seco, para que os fios rebeldes fiquem mais evidentes e o produto possa ser aplicado nos pontos certos”, ensina Luciana. “Esse leave-in normalmente deixa resíduos, por isso, quem usa diariamente deve utilizar um xampu de limpeza profunda a cada 15 dias, para evitar que os fios fiquem pesados e sem movimento”, esclarece a cabeleireira.

Brilho
Geralmente é na versão de spray – indicado para fios que perderam o brilho ou que sofrem ressecamento excessivo, como os tingidos e com outro tipo de química. Rico em silicone e óleos essenciais, envolve a parte externa do fio, permitindo que a luz seja refletida. “São perfeitos para finalizar um penteado preso ou uma escova simples aumentando o brilho. Mas se for usado com exagero dá um aspecto oleoso para os fios”, lembra Sandro.

Para dar volume
Quem tem cabelo fino e ralinho, sabe, é uma tortura. Os finalizadores para dar volume são grandes aliados desses casos e o melhor: produzem um efeito natural. “Funciona muito bem em cabelos finos, sem volume e até para quem tem pouco cabelo, pois aumenta o volume sem deixar o cabelo pesado e oleoso”, diz Sandro Cassolari, que lembra que esse é um dos poucos leave-in que pode ser aplicado próximo à raiz.

Efeito liso
Os cabelos com alisamento precisam ter de volta a umidade que o processo da química retira do fio, portanto é indicado um leave-in cremoso, que também contenha óleos essenciais. “Isto ajuda a manter as pontas menos esticadas, com um pouco mais de movimento e efeito natural”, garante Luciana. As lisas naturais podem usar para dar movimento ao cabelo, já que os fios retos tendem a ser mais estáticos e quem tem ondas leves pode deixá-las mais lisas. “É eficiente também para aplicar nos cabelos crespos antes de fazer uma escova lisa, para potencializar o resultado e o efeito durar mais”, complementa Sandro, que faz um alerta: “as pessoas se enganam que cabelo liso não precisa de tratamento. Os finalizadores atuam muito bem nesse tipo de cabelo deixando um aspecto saudável e eliminando os fios arrepiados”.

Para reduzir volume
Normalmente contém mais proteína na fórmula, um ingrediente que pesa no fio, reduzindo o volume. “Mas atenção: muito cuidado quando o volume está localizado na raiz, o uso excessivo de cosméticos nessa área pode causar caspa. Se o problema de volume for na raiz, a melhor solução é evitar finalizador nessa área e usar um bom xampu hidratante, que vai ajudar a reduzir o volume na região”, ensina Luciana Nilo.

Para fixar
Geralmente também é em spray e funciona muito bem para escovar o cabelo antes do penteado. Basta dar borrifadas leves e distantes que ele já encorpa o fio para sustentar o penteado.

Efeito mate
É produzido pela pomada em pó, mas a pomada seca em creme também matifica os fios. As duas versões têm como principal função estilizar cabelos mais curtos. “Por ainda ser novo, é menos procurado. Os homens estão descobrindo esta versão de retirar o brilho e têm aderido bastante”, conta Luciana Nilo.

Como aplicar
Com tantos produtos e consistências diferentes – gel, creme, pomada, cera, spray, musse, sérum – é sempre bom se informar sobre como aplicar, já que um dos erros mais comuns, que inclusive compromete o resultado, além do exagero, é a ‘má distribuição’. “Cada produto tem sua especificação e utilização correta. Uma boa saída é ler as instruções da embalagem”, sugere Luciana. Mas geralmente apenas os finalizadores em spray, gel e pó podem ser aplicados próximos a raiz. As demais versões devem respeitar a distância de, no mínimo, dois dedos do couro cabeludo e os de brilho, que são os que mais contêm óleos, aplicados do meio para as pontas, mas se for para dar brilho nos penteados presos, como rabo-de-cavalo e coque, por exemplo, basta dar uma borrifada levíssima no ar formando uma névoa e deixar cair sobre os fios, é sutil, mas tem efeito, sem sobrecarregar o couro cabeludo, apesar de ter óleo. Porém se o objetivo for dar fixação ao cabelo preso, pode-se dar leves borrifadas com o spray ao pentear nos fios antes de prender e borrifadas leves nos fios esticados de um coque ou rabo-de-cavalo, que estão em contato com a raiz, por exemplo. É uma quantidade mínima que não prejudica. “Mas todos – com exceção do spray e do pó – devem ser friccionados nas mãos antes de ser aplicado para poder espalhar melhor por todo cabelo”, ensina Luciana. Outra dica importante, essa para quem quer dar textura e definir cachos, é aplicar o produto de baixo para cima, isso evita que um único ponto fique sobrecarregado e ao amassar em direção ao topo da cabeça, as ondas e cachos já se ‘formam’ de maneira mais natural.

Quanto aplicar
Em relação à quantidade, toda cautela é pouco. “É sempre bom aplicar o produto em pequenas quantidades, principalmente as versões em cremes de pentear, gel, pomadas, ceras e musse. Os sprays devem ser aplicados a uma distância de 30 cm da cabeça com borrifadas muito leves”, diz Sandro Cassolari.


Confira abaixo, a quantidade mais adequada, de acordo com a consistência do produto:

Pomada
Além do tamanho, vai depender do volume. Mas pode-se adotar uma regra geral: começar com pequenas quantidades, do tamanho de uma moeda de 5 centavos e ir aplicando aos poucos.  Espalhar bem nas pontas dos dedos e nos fios curtos, passar na superfície dos cabelos, evitando contato com a raiz. Vai fazendo assim, em pequenas porções bem espalhadas, até aplicar no cabelo todo. Nos fios médios, aplicar do meio do comprimento para as pontas, para aumentar a durabilidade do efeito. E nos longos, é melhor evitar esse tipo de finalizador.

Creme e gel
Segue a mesma linha da pomada, só que permite uma quantidade um pouco maior, no caso dos médios e longos, o equivalente a uma bola de gude a cada aplicação. O segredo é sentir que os fios estão “suportando” e não ficando carregados. Esse tipo de finalizador é melhor evitar nos fios curtos, que podem ser tratados e estilizados com outras versões mais adequadas, como pomadas, ceras e pós.

Líquido
Normalmente são os séruns e leites que têm consistência líquida. É indicado dar uma borrifada antes na mão, espalhar bem entre as mãos e ir aplicando nos fios. Nos curtos com pouco volume, uma borrifada; nos curtos com volume, duas borrifadas pequenas; nos médios, duas borrifadas generosas e nos longos, três borrifadas. Sempre aplicadas pouco a pouco e a cada porção que colocar, vale sentir o cabelo, se está solto, com um balanço espontâneo, ou ficando pesado.

Spray
Segue uma técnica parecida com a dos finalizadores líquidos, porém é aplicado em menores quantidades e diretamente nos fios. Nos cabelos curtos e ralos, uma borrifada; nos curtos com volume, duas borrifadas pequenas; nos médios, com e sem volume, uma borrifada generosa; nos longos duas borrifadas generosas. Mas mesmo seguindo essa regrinha vai depender do look que se quer produzir. Em penteados presos, pode-se usar um pouco mais do que foi sugerido, mas sem exageros. Para finalizar uma escova, ao contrário, é indicado utilizar um pouco menos.

Mousse
Por ser uma espuma a quantidade engana muito. O ideal é uma bola equivalente a um limão pequeno, nos fios curtos; a um pêssego nos fios médios e a uma laranja, nos longos. Pode ser aplicado nos fios secos ou úmidos, na raiz (se a idéia for dar volume nessa região) ou de cima para baixo, diretamente nos fios, para fazer ondas, alisar ou qualquer outro penteado – mas é fundamental pentear depois de aplicar para distribuir bem e evitar “pontos carregados”.

Cera
Nos fios curtos, aplique um pingo, do tamanho de um grão de feijão. Nos médios, dois pingos e nos longos, de três a quatro pingos. Muito bem espalhados antes, entre as duas mãos.


Colocar ‘pitadas’ leves e bem pontuais apenas na região que será trabalhada. A quantidade deve ser ínfima, bem pequena mesmo. (ISABELA LEAL)

Topo