Beleza

Dermatologista explica até que ponto os cosméticos funcionam contra o drama da celulite

Thinkstock
Cremes anticelulite e massagens são algumas das maneiras mais fáceis e eficazes de reduzir a celulite imagem: Thinkstock

ISABELA LEAL

Colaboração para o UOL

Não há números formais, mas a experiência clínica dos dermatologistas e cirurgiões plásticos indica que nove em cada dez mulheres sofrem com os "furinhos" indesejáveis da celulite, principalmente nas regiões dos glúteos, bumbum e parte interna da coxa. “São áreas que por mecanismos hormonais do organismo acabam acumulando mais gordura. E também é onde geralmente as roupas ficam mais apertadas, comprimindo a circulação, fator que se agrava com o hábito de ficar muito tempo sentada”, diz a dermatologista Mônica Aribi, porta-voz internacional do laboratório Alergan, um dos maiores centros de desenvolvimento de tecnologias de saúde e beleza do mundo, com sede em Irvine, na Califórnia (EUA).

De acordo com a especialista, a celulite é um processo inflamatório que não tem cura, mas que pode ser controlado com cosméticos específicos, massagens e, nos casos mais avançados, com alguma tecnologia que destrua as células de gordura. “O sucesso dos tratamentos depende do nível de intensidade do problema. Mas uma coisa é certa, a tendência é se agravar, caso ocorra ganho de peso e falta de disciplina para aplicar os cosméticos certos”, resume Mônica. Ela destaca ainda que quando a celulite atinge um grau muito avançado só mesmo os procedimentos com tecnologias que destroem as células de gordura fazem efeito.

Abaixo, a dermatologista tira cinco dúvidas cruciais, que rondam esse drama comum entre as mulheres.

UOL Estilo: Os cremes anticelulite funcionam ou não? Qual é o seu mecanismo de ação?
Mônica Aribi: Funcionam até certo ponto e para casos leves, como o grau 1 (quando a celulite ainda é suave e só aparece se comprimir a região). Em uma escala de 1 a 10, os cosméticos funcionam no nível 4. Mesmo com o avanço da tecnologia farmacêutica, existe uma dificuldade de penetração até a camada gordurosa (hipoderme), onde se encontra a raiz do problema – para chegar nela é preciso atravessar a camada córnea, a epiderme e a derme, o que não é simples para um cosmético. Quando aplicados com uma massagem eficiente, isto é, de baixo para cima, com movimentos circulares, pressão média e com duração de cerca de 10 minutos por região, podem melhorar até mesmo graus mais intensos. Mas isso acontece mais pela ação mecânica da massagem do que pela ação do creme. A massagem melhora a circulação e destrói os nódulos de gordura.

O que é possível melhorar com a utilização desses cremes?
É possível melhorar as ondulações leves, ou seja, uma celulite grau 1, aquela que se não tiver nenhuma pressão não se nota. A partir do grau 2 (quando se enxerga sem apertar) é preciso o creme e mais uma massagem, que pode ser drenagem ou massagem redutora. A frequência das sessões vai depender da gravidade dos furinhos. A partir do grau 3 (quando se começa a ver ondulações mais profundas e repuxamentos), o ideal é creme, massagem e uma tecnologia, que pode ser radiofrequência ou infravermelho, que vão esquentar a célula de gordura e melhorar a formação de colágeno, amenizando os sintomas da celulite. Com mais colágeno a pele fica forte, melhora a circulação e consequentemente o seu aspecto. No grau 4, quando os furinhos são profundos e têm aquele aspecto de "casca de laranja", considerado o estágio mais avançado da celulite, além de creme, massagem e tecnologia muitas vezes é necessário fazer uma subcisão, que é a aplicação de um ácido hialurônico com partículas maiores, própria para corrigir depressão mais profunda. Mas é bom lembrar que esse procedimento tem efeito estético, não é um tratamento e nem age na causa do problema.

Para manter o problema sob controle, tem que usar os cremes para sempre? A cafeína ainda é o grande ativo dos cosméticos anticelulite?

Sim, os cremes devem ser utilizados regularmente, de uma a duas vezes por dia. A celulite não tem cura, ela tende a ser cumulativa por conta dos hormônios, que sofrem alterações com a idade, e da circulação, que vai ficando mais densa. Por isso, todos os métodos para seu controle devem ser mantidos para sempre, principalmente o uso de cremes. A cafeína continua, sim, sendo a grande estrela dos cosméticos anticelulite por ser um eficaz antiinflamatório e ainda ter ação de reduzir inchaços e melhorar a circulação local. Agora, com a apresentação em forma de "coffee berry", que é mais potente ainda, os efeitos drenante e antiinflamatório são mais eficientes. A cafeína em formulações de cosméticos de laboratórios confiáveis é processada com a tecnologia de nanoesferas, que reduz as moléculas para maior penetração. Nesses casos, fica garantido o efeito desejado.

Bermudas anticelulite agem em que nível? Elas funcionam mesmo?
Agem no mesmo grau dos cremes, pois os tecidos, além de conter ativos específicos para o problema, ainda fazem uma oclusão, o que favorece maior penetração das substâncias e um tempo mais prolongado de ação. Sempre que um dermatologista deseja que um ativo faça mais efeito, ele faz uma oclusão da área trabalhada, ou seja, cobre a região. Esse é o mecanismo dessas bermudas. Mas ainda prefiro o uso dos cremes, porque para serem aplicados exigem uma massagem, o que é muito eficaz para o problema. Porém, quanto mais fatores para combater o problema, melhor. Combinar creme (com os ativos certos) com massagem (descongestionante) e mais a bermuda (oclusiva), que são coisas fáceis de se fazer, é muito bom.

Por que alguns cremes contra celulite prometem redução de medidas? O mecanismo é o mesmo?
Porque esses cosméticos especificamente têm princípios ativos, como o tiratricol, que diminuem o tamanho da célula de gordura. Mas este efeito é temporário, só dura enquanto se usa o creme. É bom enfatizar que eles reduzem a célula de gordura, sem destruí-la, por isso quando são suspensos, o tecido adiposo volta ao seu tamanho normal.

Topo