Beleza

Tratamentos ajudam a amenizar sardas após temporada de sol

Divulgação
Mesmo usando protetor solar todos os dias, as sardas da modelo Cintia Dicker aumentam no verão imagem: Divulgação

Mariana Pastore

Do UOL, em São Paulo

Ruiva e exótica, a modelo Cintia Dicker, 25, conquistou seu lugar no mundo da moda. Mas assim como todas as mulheres branquinhas, com cabelos vermelhos ou loiras, ela também contabiliza os efeitos do fim do verão no rosto: muitas manchinhas a mais.

“No verão as sardas vêm com tudo! Mesmo passando protetor fator 60 todas as manhãs, elas realçam bastante. Mas tenho que estar sempre bem protegida”, conta.

Muitas vezes sinônimo de charme, as pintinhas –também chamadas efélides- são manchas superficiais que ocorrem na pele da face de pessoas de pele clara. Normalmente começam a aparecer na infância e costumam aumentar no verão, por conta da maior exposição ao sol.

Proteção

A publicitária Bárbara Marques, 28, tem sardas desde que se entende por gente. Ela conta que no verão as pintinhas ficam bem mais aparentes. “Chega até a parecer que tenho mais 'sardinhas' por sol tomado”, diz.

Já a assistente executiva Vera Marchi, 58, sempre foi muito branca e também tem manchinhas desde pequena. “Quando ia à praia, me queimava muito, pois não existia proteção solar. Além de ficar vermelha e com bolhas, ficava mais sardenta ainda.”

Por conta disso, hoje ela tem sardas no pescoço, no colo, nos braços e nas costas. “Uso protetor com base no rosto todo dia e não tomo mais sol na praia”, conta.

A dermatologista Lauren Morais, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, explica que para prevenir e tratar as sardas é importante adotar medidas de fotoproteção, evitando a exposição direta ao sol, principalmente entre 10h e 16h, e utilizar o protetor solar diariamente, com fator de proteção 30 ou maior.

  • Protetor evita aumento das sardas

“A frequência de aplicação do protetor deve ser de quatro em quatro horas na cidade e, na praia ou piscina, de duas em duas horas, pois o produto age por período limitado. Ao ar livre, as sardentas devem usar sempre chapéus ou bonés”, explica.

Tratamentos

A publicitária conta que não quer ficar sem as pintinhas, pois fazem parte dela, mas diz acreditar que seria bom suavizá-las, ainda mais após o verão.

Segundo a especialista, o tratamento das sardas consiste no uso de clareadores em casa, peelings ou luz pulsada.

“A escolha do tratamento depende do tipo de pele, da rotina e da exposição ao sol, muito mais do que da estação do ano”, afirma.

Mas antes de optar por qualquer terapia, é importante sempre procurar um dermatologista e esperar o outono.

“Caso a exposição ao sol seja intensa, o melhor é aguardar o fim da estação para iniciar o tratamento. Não existe um definitivo, pois o objetivo é clarear o pigmento superficial sem lesar o melanócito, que é a célula que produz o pigmento”, de acordo com Morais.

“Não há uma regra quanto à frequência do tratamento, porém sabemos que os resultados são muito mais duradouros nos pacientes que mantêm a manutenção”, explica.

Maquiagem

Nas sessões de foto, a modelo conta que os maquiadores raramente costumam disfarçar as sardas. “Às vezes eles tiram no computador. Quando eu mesma me maquio para sair, reforço um pouco a base para ficar diferente”, afirma.

Dicker usa uma base compatível ao seu tom de pele, tanto nos dias frios como no verão. Mesmo no inverno, a modelo conta que usa hidratante com fator de proteção, pois ainda há um pouco de sol.

“Independentemente das sardas, eu sou modelo e preciso cuidar muito bem da pele. A exposição ao sol prejudica e resseca. Por isso, uso protetor durante o dia e, à noite, antes de dormir, tonifico a pele e passo um hidratante com vitaminas A e C”, aconselha a modelo.

As sardentas não precisam se preocupar: as pintinhas não significam em si um problema de saúde. Contudo, sinalizam que a pele é mais sensível ao sol.

Topo