Beleza

Feira de beleza traz apostas das marcas para um verão colorido e ecologicamente correto

Catarina Arimatéia

Do UOL, em São Paulo

Com um saldo esperado de 140 mil visitantes e volume de negócios estimado em cerca de 500 milhões reais, termina nesta terça (11), em São Paulo, a 8ª Beauty Fair, maior feira de beleza profissional do país. Em meio a lançamentos e workshops nas áreas de cosméticos, bem-estar e estética, celebridades dos mais variados níveis de grandeza marcaram presença distribuindo amostras grátis, sorrisos, apertos de mão e tchauzinhos – houve até um beija-mão com Cauã Reymond. Nada que pudesse diminuir ou esconder o foco nas novidades, aqueles produtos que certamente ganharão o status de “tem-que-ter” nos próximos meses.

Eco Friendly
Um dos destaques desta edição é o apelo ecologicamente correto usado por muitas marcas, tanto nas fórmulas dos produtos quanto nos acessórios. A Parlux, por exemplo, apresentou seu secador com selo Eco Friendly, produzido com matéria prima reciclável, embalagens e garantia com papel biodegradável, pintura atóxica e a própria carcaça também reciclável. Já a marca de esmaltes L’Apogée traz a coleção metálica e também seus esmaltes-ícones (cores mais vendidas) em versão 3Free, ou seja, livre de três componentes que podem causar alergias: tolueno, formaldeído e dibutyl phitalate.

A linha pós-progressiva da Bio Extratus, com xampu, condicionador, máscara e finalizador, vem livre de parabenos, sulfatos e petroquímicos. E a marca inglesa Tisserand Aromatherapy, que tem certificado vegan – não faz testes em animais e é 100% orgânica –, conhecida na Europa principalmente por seus óleos, traz para o Brasil loções corporais, xampus, condicionadores, sabonetes e também desodorantes sem alumínio, além dos óleos orgânicos. “Nada aqui tem petroquímica”, afirma Maria Aparecida das Neves, representante da marca no país.

Argan x Ojon
A feira também reafirmou o primeiro lugar no pódio da beleza para o óleo de argan, que passa a ter utilização generalizada, não só em produtos para o cabelo. A linha OM da marca Yenzah vem com hidratante e óleo para o corpo à base do ingrediente. E os esmaltes Mohda, da Aspa Cosméticos, traz secante com óleo de argan. Fora, claro, os lançamentos em xampu, condicionador e máscaras que levam o precioso óleo de Marrocos.

Por enquanto, nada parece colocar em risco o reinado do argan, mas o óleo de ojon – conhecido também como banana oil ou American oil – começa a despontar como um dos herdeiros favoritos ao trono. Utilizado há centenas de anos por nativos de Honduras, também é chamado de “O Milagre do Caribe”. Sua maior característica é proteger os fios dos cabelos da ação nociva dos raios de sol. Segundo a empresa Miskito Cosmetic Solution, os nativos do país da América Central o chamam de “ba Dawan yamnika kum sa”. Traduzindo: a benção de Deus.
O açaí e a macadâmia também estão pedindo passagem, principalmente nos produtos para o cabelo, um dos mercados mais disputados no mundo todo. Como diz Tatiana Santo, gerente de marketing da Yamá, “é uma área superaquecida 365 dias por ano, não tem sazonalidade, principalmente porque, segundo pesquisas, 86% das mulheres brasileiras fazem algum tipo de coloração no cabelo”. Como os agentes químicos costumam agredir os fios, há a necessidade de produtos específicos para mantê-los sadios e brilhantes.

Cores e Tons

Cabelos de Verão

A onda de cabelos naturais para o verão, livres e soltos, parece ter chegado ao fim. Laetitia Guenaou, embaixadora internacional da L’Oréal e uma das convidadas da Beauty Fair, revela que já há um movimento forte para o retorno das formas e do volume. “Os cabeleireiros deverão voltar a trabalhar os detalhes”, diz ela. Para o verão brasileiro ela aposta em uma volta aos anos 1950 e 1960, “com o glamour digno de artistas dessa época, como a Marilyn Monroe e a Brigitte Bardot”. E, claro, também com os volumes que os cabelos exigiam naqueles anos. De quebra, veuzinhos e chapéus estarão em alta.

A 8ª Beauty Fair também reafirmou tendências para o verão. Sim, os tons pastel vêm mesmo com força total – pode começar a se acostumar com esmaltes clarinhos, delicados, da cor de marshmallow. Mas os metálicos não vão fazer feio, disputando a preferência com as tonalidades mais suaves. Outra tendência são os esmaltes que mudam de cor ao sol – um 2 em 1 bem prático. Já os esmaltes em gel, que exigem utilizações de cabines para secagem, caminham lentamente entre as brasileiras. “Acredito que daqui a um ano o esmalte em gel estará explodindo no Brasil, como já está na Europa e nos Estados Unidos. Aqui, ainda há um caminho a percorrer. Mas nos Estados Unidos até já desenvolveram cabines menores, vendidas em supermercados, para a própria consumidora fazer sua unha”, diz Maria Gabriela Rocha, sócia-diretora da empresa Cosmix.

O verão das cores suaves limita-se às unhas. Na boca, vale tudo: principalmente tons que envolvam o rosa, do pink ao quase nude. E os olhos já começam a se acostumar com delineadores coloridos, em tons de rosa, azul e verde. As cores intensas darão o tom do make nos próximos meses.

Topo