Beleza

Entenda como os ácidos agem na pele e tire proveito deles na hora de comprar seu cosmético

Thinkstock
Ácidos como o retinoico, salicílico, glicólico e ferúlico possuem ações diferentes na pele; veja abaixo as explicações e indicações dos especialistas imagem: Thinkstock

Isabela Leal

Do UOL, em São Paulo

Durante muito tempo o uso dos ácidos foi segredo guardado a sete chaves entre farmacêuticos, químicos e dermatologistas. Hoje em dia, é comum que um cosmético eficaz tenha pelo menos um ácido na fórmula. Não à toa. Eles são matéria-prima essencial para a maioria dos tratamentos tópicos, seja em cosméticos ou no consultório, como é o caso dos peelings químicos. O motivo? “Quimicamente falando, são substâncias com diversas propriedades, assim denominadas por terem pH menor do que 7.0, que é bem próximo ao da pele. Justamente por serem compatíveis com a cútis é que promovem muitos benefícios”, explica João Carlos Lopes Simão, coordenador do ambulatório de cosmiatria do Hospital das Clínicas da USP, de Ribeirão Preto (SP). “O pH é a única característica comum aos ácidos, porque na prática eles têm funções diferentes como a de clarear, prevenir envelhecimento, combater oleosidade e até hidratar profundamente. Tudo depende de como são utilizados. O ácido glicólico e o salicílico, só para citar dois, podem ser usados em peelings, com um pH muito mais baixo do que o da pele, esse processo causa descamação e promove a renovação celular por efeito químico, que leva à produção de novo colágeno. Assim, dependendo da concentração dos ácidos e do ph da fórmula, podem ser tratados casos de envelhecimento avançado ou manchas resistentes, por exemplo”, completa o médico.

Nível de eficácia
As fórmulas manipuladas à base de ácidos, prescritas por um médico – por serem personalizadas de acordo com a necessidade da pele e poderem ter concentrações um pouco maiores do que os cosméticos prontos – são, sem dúvida, mais eficazes que os produtos industrializados, que, por sua vez, vale ressaltar aqui, também são eficazes e podem ser suficientes, dependendo da situação. “A eficácia de cada ácido depende de um conjunto de fatores, como concentração, veículo (se é creme, gel etc.) e o tipo de pele a ser aplicado. Cada paciente é um caso que deve ser avaliado individualmente”, explica o dermatologista Marcelo Bellini, especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e membro da Academia Americana de Dermatologia. “As peles mais envelhecidas, por exemplo, por terem uma textura mais grossa, são mais resistentes aos ácidos. O importante é acompanhar a resposta de cada tratamento e se for o caso mudar a concentração ou o tipo de ácido, para obter melhores resultados”, acrescenta a dermatologista Samanta Nunes, de São Paulo.

Conheça os benefícios dos ácidos mais comuns
Entenda a diferença entre os ácidos mais utilizados, em tratamentos tópicos e industrializados, e saiba que benefícios cada um deles promove na pele:

Glicólico – Está contido nas fórmulas de diversos produtos de tratamento, tem a função de renovação celular, estímulo da produção de colágeno, atua no fechamento dos poros e revitaliza a pele.

Salicílico – É um dos mais antigos nas formulações da indústria cosmética. “Tem função queratolítica, que leva a uma descamação da camada superficial da pele promovendo a renovação celular. Também atua no controle da atividade da glândula sebácea, sendo muito útil para tratar pele oleosa ou com acne”, explica o dermatologista Marcelo Bellini. “Também tem indicação para manchas superficiais e poros dilatados”, acrescenta João Carlos.

Hialurônico – Na verdade, o ácido hialurônico é um componente natural da pele. “Aplicado topicamente proporciona hidratação, impedindo a perda de água pela cútis. Essa ação faz da substância um potente hidratante”, explica João Carlos. “Também é utilizado como ativo preenchedor, quando injetado, o que melhora o aspecto das rugas e da flacidez facial”, acrescenta Samanta Nunes.

Retinoico – Promove os mesmos efeitos do ácido glicólico, porém é mais potente. “É o ativo antienvelhecimento mais eficaz que existe. Age profundamente na pele, aumentando a produção de colágeno. Assim, melhora a aparência geral da pele, diminui as rugas, as manchas e melhora a textura de um modo geral”, pontua o dermatologista João Carlos, da USP. “Geralmente é associado a clareadores e muito usado nos peelings químicos”, lembra Samanta Nunes. Em tempo: por ser considerado um medicamento pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), seu uso é controlado, portanto liberado para as fórmulas manipuladas, que têm prescrição médica, e para os tratamentos realizados em consultório. Produtos industrializados que contêm ácido retinoico também precisam de receita e acompanhamento médico.

Kójico – É um dos mais recentes usados pela indústria cosmética. “Sua função é clareadora, pois atua como um inibidor das etapas de formação da melanina”, esclarece Marcelo Bellini.

Ferúlico – Também é recente a utilização de seus benefícios em cosméticos. “É um agente antioxidante, previne o envelhecimento e ameniza a ação dos raios ultravioletas na pele”, resume João Carlos. A dermatologista Samanta Nunes completa: “É um dos ácidos mais suaves, indicado para peles jovens. Melhora o viço e a textura da pele”.

Topo