Beleza

Sem manchas: cremes clareadores são aliados e completam tratamento feito em consultório

Thinkstock
Independente do tom da pele, as manchas faciais - causadas por exposição solar, acne ou decorrentes de variações hormonais - causam incômodo e prejudicam a uniformidade da pele imagem: Thinkstock

Isabela Leal

Do UOL, em São Paulo

Nem sempre as rugas e a flacidez são os primeiros sinais que geram incômodo com relação à aparência do rosto. De acordo com a pesquisa Derma Brasil – realizada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, cuja edição de 2010 é a mais recente – os distúrbios da pigmentação, como manchas e sinais de acne, lideram as queixas nos consultórios dermatológicos. As causas desse drama são as mais variadas. “Podem ser por cicatrizes de acne, excesso de sol, manchas de gravidez, fatores genéticos e hormonais e até depilação”, lista a dermatologista Maria Bussade, de São Paulo. “Estas agressões dão início a um processo inflamatório que altera a produção de melanina”, explica a médica, se referindo à substância responsável pela pigmentação da pele, que quando alterada pode resultar na formação de manchas, claras ou escuras.

O nível em que a melanina fica desregulada, dimensiona o estrago na pele, que determina o sucesso de um tratamento. “O que vai definir a dificuldade de tratar uma mancha é a sua causa, não sua cor. Manchas claras ou escuras podem ser fáceis e difíceis de tratar. Por isso, antes de iniciar qualquer tratamento é fundamental fazer um diagnóstico preciso com um dermatologista, para, assim, garantir que seja adequado e eficaz”, alerta o dermatologista Luiz Roberto Terzian, de São Paulo, membro e conselheiro das Sociedades Brasileiras de Dermatologia e Cirurgia Dermatológica.

Sol: o grande inimigo

Mesmo que uma pessoa não tenha sido exposta aos fatores de risco, isto é, não tenha acne, nunca ficou grávida, não tem herança genética nem disfunção hormonal, ela não consegue escapar de um elemento agravante: o sol, que atinge a todos, indiscriminadamente. Por isso o protetor solar é fundamental para prevenir e amenizar as manchas de pele, mas ainda assim não é 100% eficaz, pois não impede completamente a passagem da radiação. “Filtro solar não é passaporte para o sol e para ser útil na prevenção de manchas precisa ter proteção contra os raios UVA  e UVB”, diz Maria Bussade. Mas mesmo sem oferecer proteção total, é indispensável. “O sol tem efeito cumulativo sobre a pele, muitas manchas são causadas pela exposição solar repetitiva, de longo prazo”, esclarece Bussade.

A função dos cosméticos

Se ter um tom de pele uniforme está entre os fatores importantes para parecer mais jovem, nessa batalha tudo que for trazer benefícios é válido. Claro que vai depender do grau e da idade das manchas, mas o primeiro passo é contar com um bom cosmético no dia a dia – se for necessário, vale até substituir o hidratante habitual por um creme clareador. “Os cosméticos são grandes aliados para tratar manchas superficiais, ou seja, as mais recentes; já que as antigas, por conta da exposição solar, se tornam profundas com o tempo. Inclusive, o ideal é tratar assim que aparecem, quanto mais cedo, mais chances de acabar com o problema”, diz Maria Bussade.  “Os cosméticos têm uma função importante, mas funcionam como adjuvantes nos tratamentos, não como o elemento principal. No caso de manchas moderadas, é preciso associar o uso de medicamentos com efeito clareador para um resultado mais eficaz”, explica a dermatologista Bruna Duque Estrada, do Rio de Janeiro.

Manipulados x industrializados

Para Luiz Roberto Terzian, em se tratando de ativos clareadores, algumas substâncias são muito instáveis e, por isso, necessitam de tecnologia e aparelhagem industrial para serem fabricados, como o ácido retinoico, o glicólico e outros clareadores, como a hidroquinona, por exemplo. “Quando essas substâncias entram em contato com o ar e a luz, elas oxidam e perdem seu efeito, portanto devem ficar em frascos escuros e aluminizados, que não permitem entrada de ar ou luz. Considero os industrializados mais recomendáveis e confiáveis do que os manipulados”, justifica o dermatologista.

Sobre a possibilidade de produzir fórmulas manipuladas e personalizadas, com níveis maiores de uma determinada substância, o médico é categórico: “É muito raro não ter pronto o que é necessário para um tratamento. Além disso, nem sempre maior concentração de um ativo significa melhores resultados; pode significar maiores riscos”, alerta Terzian. A médica Bruna Duque Estrada partilha da mesma opinião, mas por outra razão. “Infelizmente ainda observamos uma variação de respostas dos tratamentos, entre produtos e medicamentos de diferentes farmácias de manipulação. Isso é um fator de insegurança”, opina a médica.

Como é o tratamento

Veja a seguir os tratamentos mais eficazes para as manchas e outros sinais pontuais, como as cicatrizes de acne.

Luz Pulsada e Laser – Tem como alvo o pigmento da mancha, são bem específicos e seguros, pois não afetam a pele normal, sem manchas. “A energia desses equipamentos, ao entrar em contato com o pigmento, promove sua explosão e posterior absorção pelo organismo. Deve ser feito por dermatologista, caso contrário há o risco de queimaduras, cicatrizes e piorar as manchas”, lembra Terzian. De um modo geral, não precisa de recuperação em casa, o dia a dia segue normalmente. Nos casos mais graves, após o procedimento as manchas podem ficar um pouco mais escuras ou ocorrer a formação de casquinhas, mas depois de uma ou duas semanas a pele já estará recuperada.

Peeling químico – Pode ser feito com diversas substâncias, dependendo da profundidade que se deseja atingir. O efeito principal é removeras camadas superficiais da pele, para assim eliminar as manchas. Além disso, também ajuda a reorganizar as camadas da pele, que podem se manter sem manchas. Os peelings superficiais promovem descamação fina, que dura em média dois dias e não é preciso ficar em casa nos dias que sucedem o procedimento. O peeling médio, que trata manchas mais profundas, remove uma camada mais espessa da pele, o que leva à formação de cascas escuras, que se soltam em uma semana. “Nesse caso, é necessário ficar esses dias em casa, pois o aspecto da pele fica nesse período de recuperação fica feio”, destaca Terzian.

Cremes clareadores, ácidos e protetor solar – Os cremes e os ácidos podem ser industrializados ou manipulados, são tópicos e devem ser usados em casa. O protetor solar é essencial para proteger a pele e prolongar os tratamentos feitos em consultório, pois filtra a passagem da radiação solar, que (ao contrário dos cremes) estimula a produção de melanina. “Não existe tratamento para manchas sem manutenção com cremes no dia a dia e, claro, distância de sol. Por isso a dupla ‘cosmético clareador e protetor solar’ são indispensáveis”, conclui Maria Bussade.

Topo