Beleza

Medo de errar? Conheça os clássicos de beleza que nunca saem de moda

Isabela Leal

Do UOL, em São Paulo

A cada estação, o mercado apresenta dezenas de novos esmaltes e itens de maquiagem que prometem efeitos diversos, porém, a maioria deles, depois de pouco tempo, sai de cena. Em meio a tantas novidades que vão e vêm existe uma pequena gama de produtos, cores e efeitos que estão sempre em alta, não importa a época nem a moda: são os chamados clássicos. Não é à toa que um determinado estilo – seja de maquiagem, de roupa ou mesmo um esmalte – se torna um clássico. Pelo contrário, é graças a muito trabalho, anos de ‘caminhada’, uma capacidade enorme de despertar paixões e um índice bem pequeno de rejeição, porque afinal, com raras exceções, nada é unanimidade. Essa metáfora ilustra como a beleza pode revelar seus estilos eternos, assim como a moda. “Um clássico geralmente foi aceito, usado e apreciado por todos, ou quase todos, durante muito tempo, décadas ou mesmo séculos, ainda que com algumas adaptações pessoais, de cada um, e eventuais releituras para se adequar à moda vigente”, define o maquiador Duda Molinos.

Posto isso na teoria, vamos à prática. UOL Beleza ouviu quatro especialistas no assunto, dois maquiadores – Fabiana Gomes, maquiadora sênior da M.A.C., e Duda Molinos – e duas manicures, reconhecidas pelo trabalho que realizam – Carmen Lúcia Luiz, do salão MG Hair, de São Paulo, e Gisele Camargo, do salão Gi Camargo Nail Bar, também da capital paulista – que revelam aqui, com exclusividade, seus clássicos preferidos, e ainda entregam dicas de como eles podem ser usados hoje.

  • Thinkstock

    BATOM VERMELHO
    A maquiadora Fabiana Gomes elege os lábios vermelhos como o clássico absoluto. “Porque desde as divas mais glamurosas da história até as meninas mais moderninhas de hoje usam e abusam de seu poder. Além do efeito facilitador de make – com um poderoso batom vermelho, você não precisa de muitos elementos na maquiagem. Ele é, por si só, um acessório poderoso”, justifica. Duda Molinos lembra que desde os anos 20, os batons escuros causavam furor entre as mais modernas e que de lá para cá, foram criados inúmeros tons de vermelhos para se adequar à moda da época. “Nos anos 30 era quase vinho; nos anos 40, vermelhos fechados; nos 50, puros ou levemente rosados; nos 60 teve um descanso e os tons suaves como rosados e perolados entraram em cena; mas nos 70 voltam com força total e permanecem até os 80 inquestionáveis. Na década de 90 se consagra como um contraponto à crueza da maquiagem do período. E dos anos 2000 pra cá, o batom com base no vermelho aconteceu de todas as formas possíveis”, relata o maquiador, que dá uma superdica para quem tem lábios finos e quer adotar o estilo: algumas técnicas de desenho e contorno podem dar a sensação de lábios mais volumosos, como, por exemplo, aumentar com um lápis de boca um milésimo de milímetro o contorno. Duda lembra que o tom também faz diferença, os mais vivos aumentam; e diz ainda que uma gota de gloss por cima traz um efeito de mais volume. Para quem tem bocão, ele também dá um truque: os tons mais fechados diminuem a sensação de volume.

  • Thinkstock

    SOMBRA MARROM
    Para Duda Molinos, a cartela de cores que vai dos beges aos marrons tem um forte poder de adequação, são tons coringas usados incansavelmente ao longo dos tempos. Ele garante que a sombra marrom pode ser usada em qualquer ocasião sem medo de errar, além de combinar com todos os tons de pele e quase todos os estilos de mulher, personalidade e tendência. “É praticamente universal. Pode ser usada por jovens de 15 até senhoras de 90 anos ou mais. E mesmo para quem quer uma maquiagem mais evidente, pode perfeitamente transformar o clássico olho preto esfumado em um olho marrom esfumado, também clássico”, sugere o expert.

  • thinkstock

    DELINEADOR
    Para Fabiana Gomes, o traço que marca com personalidade os olhos é uma verdadeira arma de sedução. “Depois da 'bonequinha de luxo' de Audrey Hepburn, o delineador ganhou status absoluto de ícone máximo da sedução. Pense no poder desse traço. Basta lembrarmos de Marilyn Monroe, Sophia Loren, Brigitte Bardot e Marlene Dietrich, que se valeram da magia do delineador para realçar seus lindos olhos”, resume a maquiadora. Duda Molinos compartilha da mesma opinião: “a estratégia de sedução, através dos olhos, é uma das mais antigas e eficazes de todos os tempos”, diz. Ele lembra que desde que se tem registro, as mulheres buscam salientar o olhar para seduzir os homens, e cita Cleópatra e Nefertite. “O delineador é um dos estilos que mais aparece na história da beleza ao longo dos tempos. Ele foi imortalizado no cinema, na era de ouro de Hollywood por Marilyn Monroe, Greta Garbo, Ava Gardner e tantas outras. Dos anos 40 – quando ainda era um traço delgado, quase invisível – até hoje nunca se deixou de usar o delineador. Nos anos 50, ele ganha aerodinâmica e um pouco mais de visibilidade; nos 60, transforma o olhar da mulher com manobras gráficas e futuristas; dos 70 para cá aparece e desaparece alternando sua forma e cor, e se consagra onipresente”, conta o maquiador, que a seguir dá uma dica para quem não tem tanta habilidade. “Treine, faça o traço de dentro pra fora e de fora pra dentro, sinta o pincel, observe o resultado de perto, de longe, mas tente. Em cinco ou seis tentativas já é possível melhorar o domínio, tudo é uma questão de prática e persistência”.

  • Getty Images

    BATOM NUDE
    Duda Molinos lembra que a boca nude é usada desde 1800, isto é, há mais de dois séculos e que essa cor coringa foi e é usada por mulheres de todas as idades e estilos. E diz que para ser nude é preciso se aproximar ao máximo do tom da pele. “Existe um nude para cada mulher, a negra, a loira, a morena, a ruiva...”. E dá uma dica: não hesite em experimentar o batom antes de comprar, para saber se vai ficar bonito com o tom de pele, e se vai ficar confortável e se sentir bem.

  • Thinkstock

    ESMALTE BRANCO
    Apesar de ser conhecida pelo sucesso de suas misturinhas, criando cores exclusivas, que só ela consegue desenvolver, para suas clientes, a manicure Carmen Lúcia Luiz, do MG Hair, de São Paulo, elege o esmalte branco como um de seus clássicos preferidos. Mas como nada para ela é básico, vai uma sugestão: “o ideal é passar duas camadas bem fininhas e por cima uma camada generosa de branco cintilante. O formato das unhas deve ser arredondado, fica um espetáculo”, ensina. “Essa cor despontou nos anos 30 e 40 e sempre esteve em alta. Hoje, então, está em “altíssima””, acredita Carmen. A manicure Gisele Camargo, que há poucos meses abriu seu espaço próprio, o Gi Camargo Nail Bar, nos Jardins, concorda com a colega. “O branquinho é e sempre será um clássico. A começar pelas noivas que sempre optam por ele. No mais, toda mulher que está na dúvida, pede um branquinho também. De um jeito ou de outro ele está sempre lá, lembrado por quase todas e fazendo bonito”, justifica.

  • ESMALTE VERMELHO
    A cor que encanta os maquiadores, para ser usada nos lábios, é também a eleita de Gi Camargo para as unhas, afinal junto com o nude e o branco, é uma das poucas cores que se mantém viva a mais de meio século, independentemente da moda. “O vermelho é um eterno clássico, as mulheres se sentem poderosas, sensuais e cheias de atitude”, resume a expert.

  • Thinkstock

    ESMALTE VINHO
    A cor, também chamada de bordô, é um dos clássicos preferidos de Carmen Lúcia. “Esse tom foi muito usado nos anos 50, de lá pra cá sofreu adaptações de tons, ora mais vivo, ora mais fechado, mas sempre ali, marcando presença. Hoje tem força total. Nas minhas misturinhas eu sempre sugiro a cor vinho com uma camada de vermelho transparente por cima, principalmente no inverno, com roupas mais pesadas e sóbrias, fica um espetáculo. E para compor o look, sugiro um batom com a mesma nuance – toda mulher fica chique e se sente sensual e poderosa, não há quem não olhe com admiração”, descreve a especialista.

Topo