Beleza

Fuja dos 10 erros que derrubam qualquer maquiagem

Thinkstock

Isabela Leal

Do UOL, em São Paulo

Embora a maquiagem seja um recurso poderoso para realçar a beleza e valorizar os traços do rosto, muitas vezes esse objetivo pode ter efeito contrário: em vez de favorecer, pode evidenciar algum defeitinho ou uma ruga mais aparente, que poderia ser disfarçada. O motivo desses erros tem relação direta com o uso de produtos inadequados (textura ou cor) e também com a quantidade, na maioria das vezes exagerada. Para ajudá-la a não cair nessas ciladas, UOL Beleza convidou três experts dos pincéis – a maquiadora Bettina Schutze e os maquiadores Theo Carias e Rosman Braz, todos de São Paulo. Eles entregam as dicas e truques para dosar os produtos, escolher o tom certo, corrigir imperfeições e fazer uma maquiagem da forma mais natural possível, fugindo dos erros mais comuns.

1) Corretivo muito claro

O efeito “panda ao contrário” chama mais atenção do que a olheira e, em muitos casos, fica deselegante. Para corrigir o problema, o maquiador Theo Carias dá uma superdica: “Evite os excessos, que muitas vezes é o que traz a sensação de estar mais branco. O truque de misturar dois tons também funciona, um mais claro e outro da cor da pele. E por fim, dar uma leve pincelada de pó bronzant para quebrar o efeito mais claro e realmente disfarçar, mas sempre deixando a região iluminada, que é essa a proposta”, explica. Para Bettina Schutze, a raiz do problema é comprar a cor certa. “O segredo é experimentar e escolher o tom que realmente se adapta à cor da pele dessa região”, diz.

2) Base pela metade

Esquecer do pescoço na hora de uniformizar a pele é outro erro corriqueiro, já que são poucas as mulheres que têm esse costume. Mas se habituar a isso é importante para fazer uma maquiagem impecável. “O pescoço é uma região intermediária entre o colo, que quase sempre está mais bronzeado, e o rosto, que está com maquiagem. Portanto é importante espalhar bem a base, de preferência uniformizando as três regiões para que fiquem com um tom mais natural possível”, sugere Rosman Braz.  

3) Blush exagerado

Tudo bem que o produto destaca as maçãs e traz um ar jovem e saudável, mas quando fica muito marcado corre o risco de parecer maquiagem de festa junina, além de colocar todo o make abaixo. “O segredo é controlar a quantidade e espalhar bem com uma esponja, pincel ou com os dedos, vai depender de como cada um prefere”, recomenda Bettina.

4) Bronzear demais

O desejo de parecer mais bronzeada leva muitas mulheres a exagerarem no uso do pó bronze e, assim, acabar ficando com a pele alaranjada. O pó ajuda a dar uma cor e quebrar a palidez, mas não dá para literalmente pintar o rosto para parecer que passou um mês na praia. Por isso, assim como o blush muito marcado, o ideal é evitar o exagero e espalhar bem, em todo o rosto. Theo Carias aconselha escolher bem o tom, de acordo com a cor da pele, pois, se a diferença for muito discrepante, a mão pesada no “sol artificial” fica aparente e deselegante. Rosman sugere que seja no máximo um tom mais escuro que o da base.

5) Batom fora do contorno

Essa é uma técnica muito útil para aumentar lábios e prolongar a duração do batom, mas deve ser feita com centésimos de milímetros para evitar o efeito artificial de boca desenhada. Rosman frisa que é preciso muita cautela, sob o argumento de que é um perigo e muito fácil acabar ficando com um efeito caricato. “Na dúvida, não faça o contorno com lápis. O batom natural é mais bonito”, diz ele. Bettina defende a técnica do lápis de contorno nude, da cor dos lábios. “Caso contrário fica parecido com aquele efeito típico de Botox, de lábios artificiais”, comenta a maquiadora.

6) Sombra marcada

A não ser que a proposta seja mesmo usar cores blocadas, não tem jeito, 90% dos looks são feitos com duas ou mais cores de sombra, mas o segredo para tirar proveito dessa mistura é não deixar o limite entre os tons aparente.  “Por isso sou fã dos esfumados. Com esse efeito as sombras não têm começo, meio e fim e garantem um acabamento importante para a maquiagem”, opina Rosman. Theo Carias compartilha da teoria: “A fusão dos tons traz harmonia e evita o efeito gráfico muito aparente”, acrescenta.

7) Lápis pesado

Olhos marcados com lápis foi um estilo muito usado nos anos 90, mas hoje em dia deve ser usado com parcimônia. No geral, para não errar, vale mais apostar no traço “desfeito”. “O esfumado deixa a maquiagem mais leve. Sem marcar muito a região dos olhos, é possível dar mais expressão para o olhar”, resume Theo Carias.

8) Iluminação carnavalesca

Usar o recurso do ponto de luz no canto interno do olho é bonito, feminino e como o nome sugere, ilumina os olhos. O ideal é usar um iluminador ou simplesmente uma sombra em tom mais claro do que aquela que predomina na pálpebra. No entanto, é melhor evitar tons muito cintilantes e prateados, para não deixar parecido com maquiagem de Carnaval. Para a maquiadora Bettina Schutze, o detalhe deve ser mínimo: “O segredo é fazer um ponto pequeno. Quando começa a aumentar e espalhar, usam produto demais e a elegância vai embora”, ressalta a expert.

9) "Reboco" de base

Isso acontece muito com quem tem acne, manchas ou uma idade mais avançada – na tentativa de camuflar o problema, fatalmente ocorre o exagero na aplicação do produto. Theo Carias diz que maquiagem bonita e bem feita é aquela que não aparece, se vê apenas o efeito. Para ele, bases pesadas e em excesso marcam ainda mais as linhas e sinais do tempo, e correm o risco de deixar a maquiagem teatral.

10) Holofote nas rugas

Ao contrário do que parece (já que incita uma alegria jovial), é melhor evitar sombras com muito brilho em pele madura. Rosman Braz diz o porquê: “Jamais se usa, pois evidenciam ainda mais as linhas de expressão”.

Topo