Beleza

Antioxidantes: desvende os ativos que combatem o envelhecimento

Thinkstock
Os antioxidantes atacam os radicais livres que são responsáveis por alterações na pele como descoloração, ressecamento, perda de elasticidade e formação acelerada de rugas imagem: Thinkstock

Isabela Leal e Simone Serpa

Do UOL, em São Paulo

É raro ver um rótulo de cosméticos anti-idade, uma consulta a um dermatologista ou mesmo uma reportagem, sobre envelhecimento precoce, que não cite o efeito danoso dos radicais livres. Mas afinal, o que significam essas duas palavrinhas? “São átomos ou moléculas, produzidos continuamente nos processos metabólicos naturais do organismo, que representam uma ameaça à estabilidade do corpo como um todo”, responde a dermatologista Silvia Zimbres, de São Paulo. “Instáveis, eles atacam e danificam as estruturas celulares, o que causa, entre outras coisas, alterações na pele como descoloração, ressecamento, perda de elasticidade e formação acelerada de rugas”, afirma a dermatologista Andréa Serra, do Rio de Janeiro, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Para resumir, são partículas invisíveis que danificam bastante e constantemente a saúde e estrutura da pele, e com o tempo levam ao envelhecimento precoce.

O antídoto
Para combater esses vilões, que tanto atrapalham a busca por um rosto mais jovem, os ativos mais indicados são os antioxidantes. “Essas substâncias são um reforço na batalha contra os radicais livres, reduzindo seu impacto sobre a pele, e atuam para impedir a destruição do colágeno e da elastina – estruturas importantes que, degradadas, levam ao envelhecimento da pele”, declara o dermatologista Marcelo Bellini, de São Paulo, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Entre os mais eficazes estão as vitaminas C e E; o ácido retinoico e o retinol (derivados da vitamina A), o licopeno,  presente no tomate e na goiaba; o picnogenol, que vem dos pinheiros; o resveratrol, presente no vinho tinto e no mirtilo; o coffeberry, extrato do fruto do café semimaduro, além do chá verde, entre outros.  Na lista das novidades, Bellini cita o ácido elágico, extraído da romã, para uso tópico, e o pomegranate, derivado da mesma fruta, só que para ser tomado via oral.


Os ativos para serem aplicados na pele
De acordo com Andréa Serra, “os antioxidantes tópicos, presentes nas fórmulas dos dermocosméticos, são uma arma poderosa no combate ao envelhecimento cutâneo. Não à toa, atualmente, as pesquisas estão muito focadas nas substâncias antioxidantes e sua aplicação na prevenção e reversão dos danos causados pelos radicais livres”, declara a médica.  Entre os especialistas é unânime a opinião de que combinar mais de um ativo antioxidante, na mesma fórmula, garante ainda mais eficácia ao cosmético. “Algumas vitaminas têm seu efeito potencializado quando combinadas com outros antioxidantes. Um exemplo: a vitamina C faz com que a vitamina E não seja oxidada pelo sol, ela é protegida; juntas essas duas vitaminas têm um efeito mais potente contra os radicais livres”, afirma Silvia Zimbres. A colega Andréa Serra, compartilha da teoria: “Estudos recentes comprovam que na pele os antioxidantes trabalham melhor quando atuam sinergicamente, formando uma rede de antioxidantes similar à do organismo. A soma de antioxidantes na mesma formulação adiciona benefícios aos mecanismos de defesa da pele, como é o caso da união das vitaminas C e E, entre si, ou das duas combinadas ao picnogenol ou ao ácido ferúlico”, declara Andréa.

A embalagem ideal
Alguns antioxidantes são altamente voláteis, como por exemplo, a vitamina C. Isso acontece porque ela oxida muito rapidamente, quando em contato com o ar. No entanto, para driblar o problema, ela tem sido associada a ativos mais estáveis, como silício, algisium, hidroxiprolisilane e L-ascórbico. Outro recurso da indústria cosmética para conseguir mais estabilidade na vitamina C e, consequentemente reduzir sua decomposição induzida pelo contato com o oxigênio, é a nanotecnologia.  “Em partículas bem pequenas o ativo fica protegido e ainda penetra mais profundamente nas camadas da pele”, afirma Andréa Serra. Embalagens em formatos que diminuem o contato do produto com o ar também são mais seguras, como os frascos com válvula pump ou as versões em cápsulas, para uso tópico, que são aquelas “bolinhas” individuais suficientes para uma aplicação no rosto. Não deixar o produto exposto à luz solar também é fundamental.

As versões orais e in natura
Como os antioxidantes são substâncias derivadas de alimentos, surge a dúvida: será que basta comer bem para usufruir de seus benefícios?  Não, não é bem assim. “As cápsulas não substituem um cardápio saudável, mas nos alimentos in natura, a concentração desses princípios ativos é baixa. O formato sintético, por ser mais concentrado, tem maior potencial contra o envelhecimento. Para se ter uma ideia, 500 miligramas de vitamina C equivalem ao conteúdo de seis a oito laranjas”, afirma Bellini. No caso das cápsulas para via oral, elas servem como complemento dos alimentos e do efeito dos cremes, potencializando a capacidade de defesa do organismo contra os radicais livres.

 

Veja os benefícios dos antioxidantes mais usados em cosméticos

Vitamina CAlém de ser um poderoso antioxidante, atua na síntese do colágeno e uniformiza o tom da pele. Também promove uma renovação celular
Vitamina EÉ um poderoso antioxidante, que ainda tem efeito emoliente e anti-inflamatório
Ácido retinoico e retinolDerivados da vitamina A, são os que têm o maior número de comprovações científicas. Atuam na síntese do DNA, promovendo assim a renovação celular e a síntese do colágeno
LicopenoCombate os radicais livres e assim protege as células do envelhecimento precoce e também estimula o sistema imunológico
ResveratrolAge na melhora da circulação e no combate ao envelhecimento, e ainda auxilia a eliminação de toxinas
PicnogenolCombate os radicais livres e preserva a saúde da pele
Ácido elágicoExtraído da romã, é uma das mais recentes descobertas contra os radicais livres, e já mostra alta eficácia
Chá verdeAlém de reduzir o processo oxidativo, é anti-inflamatório e atua também como adstringente e bactericida. Ele ainda preserva o DNA das células, ajudando na formação do colágeno
CoffeskinPotente antioxidante natural e de ação global, que são os flavanoides e polifenois do café. Protege o DNA da célula
NiacinamidaAlém da atividade antioxidante, também tem ação anti-inflamatória (muito útil nos tratamentos de acne), despigmentante e efetiva no sistema imunológico cutâneo
Ácido ferúlicoTem potente ação antioxidante e aumenta a produção de enzimas protetoras nas células
IsoflavonasDerivadas da proteína de soja, reduzem a degradação das fibras elásticas e de sustentação da pele – elastina e colágeno

 

Topo