Beleza masculina

Homens buscam na cirurgia plástica solução para a falta de bumbum

Divulgação
Modelo de cueca Body Boost Butt Trunk, da Calvin Klein, que promete aumentar e levantar o bumbum imagem: Divulgação

Andrew Adam Newman

Do The New York Times

Não muito tempo atrás, Jeff Vickers, proprietário de uma empresa de construção, passou por uma cirurgia para consertar algo que tinha sido alvo de piadas.

“Eu usava calças de ginástica para trabalhar e os caras costumavam brincar, ‘Você poderia soltar um fio de prumo de trás da sua cabeça e a corda não bateria em nada até chegar no chão”, diz ele, referindo-se ao peso amarrado a uma corda usado no setor de construção.

Vickers, 46, que mora em Radford (Virginia) e é casado com quatro filhos, não consegue se lembrar quando foi diferente. ”Eu sempre tive uma bunda inexistente”, diz ele. “Zero”

No outono passado, ele teve sua primeira consulta com o Dr. Constantino G. Mendieta, autor de “A arte da escultura de glúteos” (em tradução livre) e cirurgião plástico em Miami. “Quando fui ao médico, disse ‘Eu não sou uma garota, então não estou preocupado em conseguir apoiar uma mesa lá atrás e apoiar uma xícara de café’”, relata. “Eu só gostaria de conseguir vestir calças sem que elas caíssem”.

Mendieta fez uma lipoaspiração no abdômen e “pneuzinhos” de Vickers para, então, injetar em suas nádegas a gordura retirada.  “Eles tiram a gordura de onde você não quer e a colocam onde você deseja”, diz Vickers.

Com o envelhecimento, os homens tendem a perder gordura em suas nádegas, rostos e mãos, enquanto a acumulam na região do estômago e peito, diz Mendieta. Levantamento de peso na musculação produz apenas resultados modestos nos músculos das nádegas. “A única maneira de aumentar seu bumbum é com a sua carteira”, diz o cirurgião. De acordo com a Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética, os homens representaram 6,2% do total de procedimentos para as nádegas em 2012; em 1997, o número era de 2,2%.


Na Freshpair, uma loja online, peças de moda íntima masculina destinadas a aumentar os glúteos somam mais de 6% das vendas de itens masculinos, um aumento frente ao 1% de cinco anos atrás, de acordo com Matthew Butlein, presidente da empresa. "Com a tendência de moda pedindo calças mais justas, você pode ver melhor os atributos que estão ali embaixo", disse Butlein.

No modelo Body Boost Butt Trunk, da Calvin Klein, tiras escondidas no tecido da cueca levantam e dão apoio. Reforços elásticos, na 2(x)ist Lift No Show Brief, também  dão uma levantada na retaguarda.

A marca Go Softwear lançou a primeira linha de cuecas com enchimento atrás em 1996, diz o fundador da companhia, Greg Olvera, que teve a ideia durante uma aula de marketing na Universidade de Pepperdine em Malibu, Califórnia. “Alguém na sala estava falando sobre o Wonderbra [sutiã com enchimento] e as vendas fenomenais da marca, então uma luz se acendeu na minha cabeça e pensei: ‘se mulheres têm produtos com enchimentos, por que os homens não?’”, conta.

O modelo Go Softwear Super Padded Brief tem almofadas ovais acolchoadas de 5x7 polegadas que poderiam passar por apoios de panelas. É difícil de imaginar como uma parceira em potencial reagiria ao encontrá-los pela primeira vez. “As mulheres usam sutiãs com enchimento há anos, mesmo em situações românticas e algumas têm vergonha disso e algumas provavelmente não se importam”, diz Olvera. “Mas ainda há mais estigma para homens do que para mulheres”.

A Bonobos, uma empresa de e-commerce masculino, começou em 2007 com a missão de acabar com a ‘bunda de fralda’ oferecendo calças que vestissem melhor. Pouco comum entre as marcas masculinas, a Bonobos enfatizou que as mulheres estão de olho no bumbum dos homens; em uma propaganda de 2009, declarou “aqui está a sua chance de dizer às mulheres, ‘ei, meus olhos estão aqui em cima’”.

Quando a marca perguntou aos seus seguidores no Facebook qual era a reação às suas calças, Lori Feinman escreveu sobre uma mulher desconhecida em um bar que caminhou até seu marido vestido com uma calça Bonobos “e agarrou sua bunda com as duas mãos e disse: ‘eu amo essas calças’”. Então, Feinman concluiu, “ele tinha efetivamente acabado com sua crise de meia idade.”

Um artigo recente da revista “Men’s Health” sugeriu aos homens que “não têm o bumbum bem definido” que experimentem jeans com bolsos de abas. “Realça mais se você tem pouco recheio lá atrás", revelou Peter Moore, editor da revista, em uma entrevista.  “Os bolsos podem adicionar uma definição e dar aos olhos femininos algo para observar.” Moore adverte contra a “amnesia glútea”, um termo que vem sendo usado na revista para se referir aos músculos que se afrouxam por ficarem parados em cadeiras por longos períodos, e recomenda mesas de trabalho sem cadeiras (em que se trabalha em pé) e “bons exercícios para os glúteos e coxas” mais do que a cirurgia.

  • NYT

    Jeff Vickers, da Virginia, teve a gordura de seu abdômen injetada em suas nádegas para elas parecerem menos retas e ajuda-lo a manter as calças no lugar

Mas alguns homens, como Michael, 41, um empresário da área de tecnologia em Manhattan, dizem que exercícios regulares não são suficientes.  “Minha mulher sempre brincou que eu tenho a bunda reta  - que ela chama de “bunda de panqueca””, diz Michael. Ele se consultou com o Dr. Adam Schaffner, um cirurgião plástico de Manhattan, que sugeriu a lipoaspiração de abdômen seguida de injeções de gordura nas nádegas. O procedimento custaria 8.500 dólares (cerca de R$ 19 mil). Michael estava interessado, mas disse que não poderia fazê-lo, até que sua indecisão foi inesperadamente resolvida.

“Minha mulher fez uma surpresa e me deu de presente no meu aniversário de 40 anos”, diz Michael, que não autorizou a publicação de seu sobrenome, porque não quer que todos saibam que ele se submeteu a esse procedimento.

Junto com uma diminuição da cintura de 91,4 cm para 83,8 cm e músculos do abdômen definidos pela primeira vez desde a faculdade, ele agora tem uma extremidade traseira mais empinada. “Meus jeans estão mais confortáveis e parecem mais bonitos”, diz Michael. “Eu me sinto mais confiante e sinérgico”.

Vickers, o empreiteiro, diz que mesmo quando ele treinava boxe, encontrar calças que permanecessem no lugar sem o auxílio de um cinto era impossível. Sobre os gastos da sua cirurgia nas nádegas, Vickers destaca que custou menos que seu Lamborghini. “Eu gastei quase 200 mil (dólares) em um carro”, ele. “Gastar 10 mil dólares para me fazer sentir bem e mais bonito vale a pena”. 

 

Tradutor: Geovanna Morcelli

Topo