Beleza

Fez uma tatuagem e se arrependeu tempos depois? Saiba o que fazer

Montagem UOL/Thinkstock
Tatuagens podem gerar arrependimento e a remoção nem sempre dá resultados 100% satisfatórios imagem: Montagem UOL/Thinkstock

Luciana Hruby

Do UOL, em São Paulo

Muitas vezes feita no calor da emoção, de forma amadora ou em homenagem a um namorado que virou ex, a tatuagem pode gerar arrependimento e, pior, dar uma baita dor de cabeça para ser removida. Isso porque “é raro conseguir 100% de sucesso e a pele da região desenhada nunca mais volta a ser a mesma”, alerta o dermatologista Humberto Ponzio, de Porto Alegre (RS). Por isso, pensar com calma antes de marcar o corpo definitivamente e começar com um desenho pequeno são as recomendações básicas para quem quer se aventurar nesse universo.

Mas, obviamente, pode acontecer de, mesmo tendo convicção do que ser quer, a tatuagem não ficar como o esperado ou você enjoar dela depois de algum tempo. Felizmente, com métodos modernos é possível conseguir resultados cada vez mais satisfatórios. Porém, você vai precisar desembolsar um bom dinheiro, ter consciência de que vai doer e que há o risco de ganhar uma cicatriz (e até formar queloide).

O laser é o tratamento mais indicado para se eliminar uma tatuagem, já que a recuperação é rápida (em torno de 20 dias) e, em alguns casos, não deixa marcas. Ele atinge os pigmentos do desenho, fragmentando-os em partículas bem pequenas, que são posteriormente absorvidas pelo organismo, enquanto a pele ao redor não é prejudicada. “Para que a aplicação seja eficiente, é ideal que a pessoa não esteja bronzeada. Assim, o laser se concentra apenas na pigmentação da tatuagem”, lembra a dermatologista Carolina Marçon, de São Paulo (SP).

Dependendo do número de cores que a tatuagem tiver, é necessário utilizar mais de um tipo de laser, pois cada tonalidade exige um comprimento de onda diferente. “Os tons escuros, como o preto e o azul, são mais fáceis de serem removidos, enquanto o vermelho, o verde e o amarelo dificultam o processo”, afirma a dermatologista Marcela Studart, do Rio de Janeiro (RJ).

O número de sessões varia conforme a complexidade da tatuagem (tamanho, quantidade de cores e profundidade dos pigmentos), porém, em média, entre 10 e 15, com intervalos de 30 a 45 dias, são suficientes.

Outro fator que facilita ou dificulta a remoção do desenho é a parte do corpo onde ele foi feito. “As áreas de mucosas, como boca e genitais, são complicadas, principalmente pela dor causada pelo laser. Regiões que não ficam tão expostas têm processo de cicatrização mais tranquilo”, explica Marcela.

Em tatuagens muito pequenas, a cirurgia é uma opção ao laser. Ela resolve o problema de uma só vez, cortando a pele desenhada e fechando o local por sutura (pontos). Nesse caso, a chance de ficar uma cicatriz é maior.

Operação camuflagem
Quer esconder temporariamente a tatuagem? A maquiadora Fê Guedes, de São Paulo (SP) ensina como fazer: “O melhor produto para essa missão é o corretivo, com textura cremosa ou compacta para uma melhor cobertura. Na linha de maquiagem da tatuadora Kat Von D, em parceria com a Sephora, tem um excelente”. Outro truque para quem fez um desenho com várias tonalidades é usar as versões coloridas desse item de make. “É só seguir o círculo monocromático para anular tons opostos, como azul e vermelho, ou amarelo e roxo. Por cima, use um corretivo da cor da sua pele”, detalha a expert. Vale finalizar com pó compacto para ajudar na fixação. Lembre-se de não colocar roupa por cima do local, já que o atrito pode manchar a peça e acabar tirando a “camuflagem”.

Topo