Cabelos

Saiba como prevenir e a tratar os danos dos cabelos envelhecidos

Thinkstock
Opacidade, perda de cor, ressecamento e fragilidade são sinais de envelhecimento dos cabelos imagem: Thinkstock

Isabela Leal

Do UOL, em São Paulo

Não é só a pele que sofre a ação do tempo, os cabelos também envelhecem. E não estamos falando apenas dos fios brancos, os danos vão muito além. O que acontece é que ao longo do tempo ocorre um processo de desgaste e oxidação natural, que dependendo da intensidade, pode levar os fios ao envelhecimento. Em alguns casos, precocemente. “O envelhecimento do cabelo está ligado a alterações biológicas naturais que ocorrem, em nosso organismo, com a idade. Essas alterações  modificam as propriedades da fibra capilar e levam a uma menor pigmentação, escassez de óleos e secreções naturais do couro cabeludo, que servem para proteger; e a perda e afinamento das fibras; isto é, fios mais finos e tendência à quebra”, declara Jeni Thomas, cientista de Pesquisa & Desenvolvimento da multinacional Procter e Gamble (P&G) nos Estados Unidos.

Se pensarmos bem, esses sinais também ocorrem em cabelos fragilizados, portanto o que define a diferença entre um e outro é a quantidade de danos e sua intensidade. Quem explica é o tricologista Valcinir Bedin, presidente da Sociedade Brasileira do Cabelo: “Quando os fios apresentam sinais de enfraquecimento associados à perda de cor, perda do brilho e aumento da opacidade, pode-se dizer que eles estão envelhecidos. Esses sintomas podem aparecer isoladamente, causados por problemas diversos, sem se caracterizar como envelhecidos; nesse caso, pode ser uma fragilidade de momento”, afirma o especialista. “Sinais de envelhecimento do cabelo incluem frizz, ressecamento, fios mais finos, e propensão à quebra e pontas duplas. Embora o cabelo danificado possa apresentar sinais semelhantes, o cabelo envelhecido tende a ter uma combinação maior desses sinais, ou seja, os danos são maiores”, completa Jeni Thomas.


A raiz do problema
Algumas causas que levam os cabelos ao envelhecimento precoce são totalmente evitáveis. “O sol é um bom exemplo, ele destrói as proteínas mais importantes do cabelo que são a queratina e a melanina. O uso de protetor solar nos cabelos é muito importante para manter a integridade da fibra capilar. Os tratamentos químicos exagerados e em intervalos muito curtos também contribuem bastante para o envelhecimento do fio”, afirma o tricologista Adriano Almeida, professor da Associação Pele Saudável. A poluição e o fumo não ficam muito atrás na lista dos vilões. “Esses dois fatores diminuem a chegada de sangue aos fios e fazem com que eles envelheçam mais rapidamente”, diz Valcinir Bedin.

Cuidados
O fio envelhecido tem carência de tratamento regular e também de vitaminas e nutrientes. A seguir, os médicos Valcinir Bedin e Adriano Almeida, ambos de São Paulo, dão dicas que podem ser colocadas em prática no dia a dia para evitar que os cabelos fiquem envelhecidos antes da hora. Veja:
•    Alimentação balanceada - Uma nutrição adequada é muito importante, são indispensáveis, principalmente, ferro (presente na carne de fígado, carne vermelha, gema de ovo, legumes, grãos integrais ou enriquecidos, vegetais verde-escuros, melaço escuro, camarão, ostras); zinco (leite, fígado, moluscos, arenque, farelo de trigo); cobre (fígado, moluscos, grãos integrais, cereja, legumes, rins de aves, ostra, chocolate, castanhas, cereais, frutas secas, mariscos, tecidos animais); vitamina B6 (levedo, germe de trigo, carne de porco (bem passada), vísceras (principalmente fígado), cereais integrais, legumes, batata, banana e aveia).
•    Suplementos orais – A carência de proteínas e nutrientes pode e deve ser reposta com suplementos orais específicos para cabelos. Mas atenção, eles são vendidos sem receita, porém é importante que seja com indicação médica, já que o objetivo é repor o que está faltando. Nutrientes em excesso também podem fazer mal.
•    Cuidados diários – Entre os principais estão: lavar os cabelos em dias alternados, com a temperatura da água baixa (de 22 a 24 graus, isto é, morna mais para fria); hidratar com frequência; e não abusar dos processos químicos agressivos – uma frequência razoável é fazer escova progressiva no máximo duas vezes por ano e coloração, no mínimo, a cada dois meses.
•    Massagem capilar – Os movimentos ativam a circulação no couro cabeludo melhorando a oferta de nutrientes para os fios.
•    Couro cabeludo saudável – É fundamental manter essa região íntegra e com saúde. Agressões podem gerar até uma queda de cabelos definitiva (alocepcia cicatricial), em que não nascem mais cabelos. Um bom exemplo é uma queimadura química, que pode ser provocada, por uma escova progressiva mal aplicada.

Tratamento cosmético
Os especialistas são unânimes ao falar que a hidratação é um dos fatores mais importantes para a saúde do cabelo. “As máscaras de hidratação profunda e uma queratinização, feita no salão, podem auxiliar bastante a recuperar a juventude dos fios”, explica dr. Bedin. Concorda com o médico, a cientista americana Jeni Thomas, que acrescenta: “O condicionamento é sim altamente protetor, ao longo do comprimento da fibra. No entanto, o envelhecimento do cabelo não suporta um condicionamento intenso. Por isso, é importante que o xampu e o condicionador ‘anti-aging’ se adaptem à fibra capilar, para fornecer uma camada de proteção extremamente fina e flexível, que é suficiente. Dessa forma reforça a estrutura da haste e protege contra os danos”, declara. E como as fibras do cabelo envelhecido também perdem espessura com o passar dos anos, os xampus e condicionadores eficazes para o problema precisam adicionar massa às fibras mais finas do cabelo, deixando-o mais encorpado, mais espesso. “Esses produtos devem conter ativos ‘anti-aging’ como pantenol, niacinamida, cafeína e combinados de polímeros fortificantes, entre outros, que penetram na cutícula e no córtex (parte mais interna do cabelo), onde agem nas propriedades da fibra e a tornam mais forte e flexível e aumentam o seu diâmetro”, afirma Jeni Thomas.

 

Topo