Beleza

Veja 10 tratamentos de beleza considerados dolorosos e os seus benefícios

Thinkstock
Laser e injeções estão entre os procedimentos considerados dolorosos, mas benéficos, pelos médicos imagem: Thinkstock

Shâmia Salem

Do UOL, em São Paulo

Mesmo com toda a tecnologia que a indústria da beleza disponibiliza, em alguns casos ainda é preciso sofrer para parecer mais jovem e bonita. E não estamos falando de cirurgia plástica, mas de tratamentos dermatológicos realizados até mesmo no consultório médico. Alguns dos mais dolorosos, mas que segundo os médicos valem cada lágrima derrubada, estão aqui. Conheça as indicações, seus prós e contras.

1) Dermoabrasão para cicatriz de acne
Realizado no centro cirúrgico, este procedimento usa uma lixa fina acoplada a um motor de alta rotação. Ela é passada sobre as marcas durante mais ou menos 15 minutos para eliminar a camada superficial da pele. Dependendo do caso, é preciso fazer até duas sessões, com intervalo médio de seis meses. “O que mais dói não é o lixamento, mas as picadas da anestesia local dadas antes de iniciar o processo e que podem ser inúmeras dependendo do tamanho da área a ser tratada”, conta a dermatologista Thais Guerreiro, de São Paulo. A alta hospitalar é dada no mesmo dia, porém, a pessoa precisa se afastar de atividades rotineiras por, pelo menos, dez dias. Isso porque nos primeiros dois ou três o rosto vai liberar secreção e a sensação que se tem é de que a pele foi severamente queimada pelo sol; desconforto esse que é amenizado com o uso dos medicamentos prescritos pelo médico. Passada essa fase, surgem crostas, uma vermelhidão que dura cerca de 90 dias e uma hiperpigmentação (manchas marrons) que não têm prazo definido para desaparecer. Se compensa passar por tanto sofrimento? Basta pensar que a técnica é capaz de eliminar até 90% das cicatrizes causadas pela acne.

2) Microagulhamento para estrias
Várias agulhas curtas, de mais ou menos dois milímetros de comprimento, são acopladas em um rolinho plástico que é deslizado cerca de cinco vezes sobre cada área tratada. Essas perfurações estimulam o organismo a produzir mais colágeno para se recuperar da agressão provocada e, com isso, a depressão causada pela estria é preenchida e diminui em até 80% nos melhores casos. Mas, para isso, pode ser necessário repetir o procedimento até sete vezes, com intervalo de 40 a 60 dias. “Antes de iniciar o tratamento é aplicado um creme anestésico para que a paciente não sinta as picadas, apenas um leve ardor. Porém, a região fica vermelha e inchada por até uma semana”, antecipa Thais.

3) Subcisão para tratar celulite grave
“O jeito mais eficaz de eliminar a celulite profunda e localizada é passando uma agulha grossa ou uma microcânula sob a pele, com movimentos de repetidos, para romper as fibras que puxam a pele para baixo, formando os tais furos”, conta o dermatologista Daniel Coimbra, do Rio de Janeiro. Nessa hora a dor é reduzida com o uso de anestesia injetável, que provoca um ardor imediato; porém, após dois dias é normal o local ficar dolorido. Tanto que nesse período pode ser necessário tomar medicamentos prescritos pelo médico e evitar apoiar o corpo ou sentar sobre a área tratada. Geralmente, uma única sessão é suficiente para resolver o problema. “Para garantir que o escurecimento da região provocado pelos hematomas desapareça após alguns meses, é preciso também evitar a ingestão de alimentos ricos em ferro até dois meses antes da operação”, alerta o médico.

4) Laser de CO2 fracionado para flacidez de rosto, colo e pescoço
Ideal para mulheres com idade avançada pois trata manchas senis (aquelas que aparecem com a idade). Para isso, é preciso encarar um aquecimento entre 60°C a 100°C durante alguns microssegundos. Esse é o tempo que cada disparo do laser leva para atingir as células e vaporizá-las, e isso é repetido em toda a área que precisa ser tratada. “A pomada anestésica ameniza o ardor, que dura, em média, uma hora. Já a vermelhidão e o inchaço exigem que a pessoa mantenha repouso por até cinco dias”, diz a dermatologista Sara Bragança, do Rio de Janeiro. Agora, o lado bom da história: o organismo reage à tamanha agressão produzindo uma nova camada de pele e mais colágeno. “Para chegar a isso, em alguns casos basta fazer uma sessão, em outros, cinco, com intervalos de pelo menos 30 dias entre elas”, completa a médica.

5) Peelings em manchas e rugas
O peling de TCA, abreviação para ácido tricloroacético, ganha por ser mais barato do que o laser (normalmente usado para estes casos) e oferecer  resultados satisfatórios, apesar de causar incômodo ao ser usado para suavizar rugas, manchas de sol e de gravidez e com o objetivo de aumentar a elasticidade da pele. “A dor aumenta conforme a concentração do ácido, que é maior quando se quer atingir uma região profunda da pele. O ardor no tratamento dura entre cinco e dez minutos e essa agressão faz com que a pele fique com crostas e descame por dez dias. Daí a recomendação de ficar afastada do trabalho e dos eventos sociais por até uma semana”, diz a dermatologista Marcela Alvez, do Rio de Janeiro. Mas o tratamento não acaba por aí: ele precisa ser repetido de duas a três vezes, com intervalos de um mês, e durante esse período é preciso ficar longe do sol, usar protetor solar com FPS 60 e produtos que ajudem na recuperação do tecido.


6) Carboxiterapia para gordura localizada, flacidez e celulite
Usando uma agulha fina, o gás carbônico purificado é injetado em vários pontos debaixo da pele. Isso é dolorido, arde e pode deixar hematomas se as picadas atingirem algum vasinho. “Em contrapartida, provoca uma revascularização e reestruturação da segunda camada da pele, acelera a queima de gordura, aumenta a produção de colágeno e melhora a circulação sanguínea”, diz a dermatologista Sara Bragança. Segundo ela, para ter um bom resultado é preciso fazer dez sessões do tratamento, sendo uma por semana.

7) Laser nos vasinhos do rosto
Assim que a energia emitida pelo laser penetra na pele e atinge os vasos superficiais, ela provoca um calor tão intenso que coagula o sangue e faz com que o vasinho entre em colapso. A dor é descrita como o estalar de um elástico de boracha contra o rosto toda vez que o laser é disparado --e isso é feito várias vezes. “O incômodo dura uma fração de segundo e é amenizado pelo anestésico e pela ponteira fria de alguns equipamentos ou a compressa gelada feita depois. Mesmo assim, surge uma leve ardência, que dura algumas horas”, avisa a dermatologista Paula Becker, do Rio de Janeiro. Ela acredita que o laser é a maneira mais rápida e eficaz de solucionar esse problema estético, que tem como principais causas o envelhecimento, a genética, o uso de alguns medicamentos e a rosácea. O número de sessões varia de acordo com o tamanho e a localização dos vasos --se eles forem vermelhos e pequenos, bastam até três aplicações, com intervalo de 30 dias entre elas.

8) Depilação a laser
A energia do aparelho é atraída pelo pigmento que dá cor ao pelo e provoca um superaquecimento no local, destruindo os fios. “Esse calor dura apenas no momento do disparo, que é rápido, porém realizado por várias vezes, especialmente ao cuidar de áreas grandes como as pernas ou delicadas como o buço”, diz a dermatologista Thaís Guerreiro. De acordo com a médica, a região pode ficar vermelha por até três dias e formar crostas. “O número de sessões, feitas com intervalo de 30 a 45 dias, vai depender da tecnologia usada. Mas, de maneira geral, fios grossos como os da virilha respondem mais rápido, em cerca de seis aplicações”, completa a especialista. Ela defende o laser como a única forma de eliminar definitivamente os pelos e eventuais complicações que a depilação convencional pode trazer, como manchas e foliculite (inflamação dolorosa na cavidade onde nasce o pelo). “Para tanto, depois que terminar o tratamento, é preciso fazer mais uma aplicação de laser a cada seis ou oito meses até a eliminação completa dos fios, que ocorre entre dois e cinco anos. Vale lembrar que alterações hormonais e fatores hereditários podem estimular novamente o crescimento dos fios, só que eles serão bem mais finos do que no passado”, esclarece a dermatologista Adriana Vilarinho, de São Paulo.

9) Preenchimento para redefinir os contornos e volumes do rosto
Para tal "recauchutada", o médico injeta ácido hialurônico nos locais que precisam ser tratados, entre eles pálpebras inferiores, pés-de-galinha, contorno dos lábios, rugas que aparecem até quando o rosto está em repouso e vincos que vão das narinas aos cantos da boca. “Na verdade, o que dói é a quantidade de picadas, porque a maioria dos preenchedores modernos já trazem anestésicos na composição”, conta a dermatologista Sara Bragança. Ela explica ainda que o tratamento é realizado em uma única sessão: "O efeito é imediato e, dependendo do tamanho da molécula de ácido hialurônico usada, dura de seis meses a dois anos".

10) Toxina botulínica nas rugas dinâmicas e de expressão
Aqui também são as picadas que causam dor, e até irritabilidade, em pacientes que não têm paciência ou possuem fobia de agulha. O ativo injetado para relaxar temporariamente os músculos do rosto responsáveis pelo surgimento de rugas ao sorrir, falar ou franzir a testa, deixa a aparência mais jovem e descansada. “Para amenizar o incômodo é possível usar uma pomada anestésica, mas não há o que fazer contra a sensibilidade que fica no local duranteas primeiras horas”, diz a dermatologista Sara Bragança.

Topo