Beleza

Hidratantes de banho driblam a preguiça e protegem a pele no inverno

Isabela Leal

Do UOL, em São Paulo

No inverno, bate aquela preguiça de usar hidratante depois do banho --nesta época até a mais vaidosa das vaidosas fica sem coragem, convenhamos. O antídoto para espantar a preguiça, e manter os cuidados com a pele em dia, são os hidratantes de banho, desenvolvidos para serem aplicados com a pele úmida, ainda no chuveiro.
 
A dermatologista Juliana Carnevale, do Rio de Janeiro, membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia, explica que essa versão de hidratante age formando um filme sobre a pele. “Isso evita a perda da umidade natural e auxilia a hidratação diária, proporcionando benefícios de forma prática. Eles cumprem essa promessa, pois possuem ativos com alto poder de hidratação, como D-pantenol, manteiga de karité, semente de uva, entre outros”, diz a médica.
 
Nível de eficácia
Os hidratantes de banho são eficazes e suficientes para peles normais e oleosas, já para a cútis com alto grau de ressecamento é mais indicada uma versão tradicional do produto, que passamos com a pele já seca. “Os hidratantes para serem usados na ducha são bons coadjuvantes nos cuidados e prevenção da pele seca, isto é, devem ser usados apenas como manutenção, não como tratamento principal”, diz a dermatologista Maria Bussade, de São Paulo. Concorda com ela a colega Juliana Carnevale: “Pacientes com pele seca podem usar, mas o ideal é que complementem com um hidratante convencional em seguida. Nesse caso, vale usar os dois tipos, um complementa o outro”.

Prático e rápido
Quando comparamos as duas versões, os hidratantes usados no chuveiro vencem disparado no quesito praticidade, já que são uma alternativa para as mulheres que não têm tempo, paciência ou nem disposição para aplicar o produto depois do banho. A arquiteta Marina Constantin, de 33 anos, comprova essa tese. Ela confessa que a versão para pele molhada é a solução para seu ritmo de vida. “Não tenho paciência nem disciplina para aplicar hidratante diariamente mas, podendo aplicar no banho, não deixo de usar um dia sequer. É rápido,  prático e deixa a mesma sensação de pele hidratada e macia dos produtos convencionais”, declara.

Por outro lado, a publicitária Luciana Castro, de 41 anos, prefere não arriscar. “Tenho a sensação que, ao enxugar o corpo, retiro o produto. Reconheço a praticidade, mas como minha pele é seca, prefiro continuar com a versão clássica", relata.
 
Com ou sem enxágue
A questão do enxágue divide a opinião das médicas ouvidas pelo UOL Beleza. A médica Juliana Carnevale defende a teoria de que os hidratantes de banho têm seu efeito comprometido, “pois deve-se levar em consideração uma remoção parcial do produto por conta do contato com a água e com a toalha”. Já a dermatologista Maria Bussade acredita que o próprio mecanismo de ação garante sua eficácia. “O enxágue retira apenas o excesso, pois os ativos hidratantes penetram na pele logo após a aplicação”.

Se você ainda está em dúvida sobre testar a novidade, uma dica: faça um enxágue rápido (sem um jato de água forte sobre a pele). Além disso, seque sem esfregar a toalha, dando apenas leves toques na pele, para minimizar o atrito e evitar a remoção exagerada do produto.

Topo