Beleza

Vaidosos, homens chegam a gastar R$ 15 mil com a beleza

Reinaldo Canato/UOL
João Bosco acredita que cuidar da aparência é questão de saúde e gasta, em média, R$ 1.000 em tratamentos imagem: Reinaldo Canato/UOL

Isabela Leal

Do UOL, em São Paulo

Foi-se o tempo em que salões de beleza, clínicas de estética e consultórios dermatológicos eram ambientes exclusivos das mulheres. Hoje, elas dividem cada vez mais espaço com os homens. “O público masculino aumentou muito nos últimos anos, tanto que, do final de 2013 para cá, abrimos duas novas unidades”, conta Daniel Matos, gerente de marketing do Red Salon Homem, rede especializada em homens, com seis unidades no Rio de Janeiro.

“Desde 2012 já houve um aumento de 40% do público masculino. Hoje atendemos mais de 30 homens regularmente”, relata a esteticista Roseli Siqueira, de São Paulo, que criou um espaço exclusivo em seu Centro de Estética, para atendê-los.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, em 1994 os homens representavam apenas 5% das cirurgias realizadas; hoje, esse número saltou para 20%. Os números se confirmam na prática. “Há três anos, de cada dez pacientes, apenas um era homem. Hoje, de cada dez, três são homens, sendo que aumenta ainda mais quando chega o verão”, relata o dermatologista Jardis Volpe, de São Paulo.

Cuidados desde cedo
O empresário Jamis AM., de São Paulo, é um adepto confesso de clínicas de estética e começou os cuidados com a aparência desde cedo. “Como tive acne na adolescência e precisava ir ao médico regularmente, cresci com essa cultura sobre a importância do dermatologista e dos cuidados com a pele. Hoje minha preocupação é com os sinais da idade e ter uma aparência saudável”, conta.

Depois de experimentar tratamentos convencionais, o empresário optou por seguir uma linha mais natural. “Eu me preocupo especialmente com linhas de expressão e rugas futuras do rosto. Já fiz Botox algumas vezes, mas não vi resultados, continuava com um ar de cansado. Hoje faço tratamentos faciais com massagens, máscaras e produtos naturais. É um processo de dentro para fora, que envolve equilíbrio e bem-estar e os efeitos são visíveis”, relata.

O gasto mensal do empresário com a beleza é de R$ 3 mil.

Vida saudável
O fato de os homens se cuidarem, além de vaidade, pode significar uma preocupação maior com a saúde. “Vaidade e vida saudável caminham juntas. Sempre gostei de esportes, então vi que uma aparência legal é consequência da prática de atividade física. Hoje faço pilates, kempo e corrida”, diz João Bosco, médico anestesista de São Paulo.

Além do corpo, Bosco também trata a pele do rosto. “Uso cremes regularmente e protetor solar em abundância, além de cuidar das sobrancelhas e unhas. Quando surge uma ruga mais pronunciada, faço uma aplicação de Botox, de forma suave e sempre respeitando o intervalo entre as sessões para manter a naturalidade do rosto. Faz uma diferença enorme”, finaliza o médico que gasta, aproximadamente, R$ 1 mil por mês em tratamentos.

Junior Lago/UOL
O empresário Jamis AM. só faz tratamento com produtos naturais e gasta R$ 3.000 por mês com a beleza imagem: Junior Lago/UOL

Procedimentos mais procurados
Dos procedimentos faciais, a aplicação de toxina botulínica (Botox) --cujo preço varia de R$ 1.300 (uma região) a R$ 5 mil (rosto inteiro), aproximadamente  --é uma das mais procuradas por eles, seguida de preenchimento (cerca de R$ 1.500, a sessão).

Quando se fala em corpo, a maior angústia deles é a gordura localizada no abdômen, que pode ser tratada com uma vasta gama de aparelhos estéticos, cujas sessões têm preços variados. Uma sessão de lipocavitação (ultrassom cavitacional), por exemplo, custa cerca de R$ 320, uma de Criolipólise (queima de gordura por resfriamento), pode sair por até R$ 2.500. Como o número de sessões necessárias depende de cada caso e do quanto se quer perder, uma barriga sarada pode custar, em média, de R$ 1.500 a R$ 7 mil.

Depilação queridinha
A depilação a laser ou com cera também está entre as preferências dos homens e mostra que o desejo por esse procedimento vai além de eliminar a barba --áreas como costas, peitoral, abdômen, nariz, orelhas, braços e pernas são muito solicitadas por eles.

“Alguns homens chegam a gastar R$ 1 mil em um dia. Temos, inclusive, um cliente que faz 14 regiões em cada visita”, relata Janete Cozer, franqueadora máster do Rio de Janeiro da rede Não+Pêlo, cuja depilação é feita com luz intensa pulsada.

Sobrancelhas mais leves também atraem os homens para os salões. “Eles querem um semblante limpo, sem alterar o formato natural. Muitas vezes basta amenizar a expressão de bravo. O segredo é um resultado discreto”, conta a maquiadora e designer de sobrancelhas Fafá Monteiro, do salão Hair Styles, de São Paulo, que há seis anos cuida das sobrancelhas do jornalista César Tralli, da TV Globo.

Junior Lago/UOL
O empresário Jamis AM. só faz tratamento com produtos naturais e gasta R$ 3.000 por mês com a beleza imagem: Junior Lago/UOL

Desejo de mudança
Na maioria das vezes, quando os clientes masculinos gastam mais com a estética, são casos que têm a ver com um desejo radical de mudança. “Os homens chegam a gastar R$ 5.000 quando resolvem investir em vários tratamentos para dar uma repaginada”, explica a fisioterapeuta dermato-funcional Marcelle Cunha, da Clínica Arthys, do Rio de Janeiro, que tem espaço exclusivo para homens, entre eles os atores Luigi Barricelli e Mateus Solano, clientes fieis.

No espaço Roseli Siqueira, onde os tratamentos fogem do convencional e não se usa nada químico ou incisivo, os homens são uma fatia razoável do faturamento. “O gasto médio deles por mês gira em torno de R$ 3 mil”, declara a esteticista.

“Como o preconceito acabou, há uma forte procura de homens maduros que nunca se trataram. Então, por conta dessa diversidade etária dos clientes, os preços dos tratamentos variam de R$ 1 mil a R$ 15 mil, esse último foi o caso de um cliente que fez diversos procedimentos em sequência, entre eles rejuvenescimento facial, flacidez abdominal e toxina botulínica”, relata Victor Martins, sócio administrador da Clínica Masck, do Rio de Janeiro, que atende apenas o público masculino. 

Topo