Beleza

Tatuadora brasileira cobre cicatrizes de vítimas de violência doméstica

Do UOL, em São Paulo

Sensibilizada por casos de mulheres agredidas por seus parceiros, uma tatuadora de Curitiba (PR) está oferecendo desenhos gratuitos para vítimas de violência masculina. Flavia Carvalho criou o projeto A Flor da Pele há um mês e já tem mais de 30 garotas na fila de espera. 

A ideia da iniciativa surgiu há dois anos, quando Flavia ajudou a cobrir a cicatriz de uma garota na barriga. "Ela tinha se negado a ficar com um cara na balada e ele a esfaqueou com um canivete", contou a artista em seu Facebook.

Aquela história mexeu com a tatuadora principalmente por ela mesma já ter sofrido nas mãos de um companheiro. "Quando tinha 13 anos, o meu primeiro relacionamento foi abusivo", ela falou ao programa "Fantástico", da Globo. 

Para tatuar as vítimas, a artista tem apenas algumas restrições, como não fazer desenhos de outros tatuadores ou artes que já foram feitas em outros clientes.

Assim, as tatuagens são sempre autorais e surgem das ideias trocadas entre Flavia e as mulheres. "Só de me contar as histórias delas, elas ficam super emocionadas", a artista disse em entrevista à TV.

De acordo com a tatuadora, cobrir as cicatrizes ajuda estas mulheres a superar os traumas e melhora a auto estima. "Elas ficam muito abaladas, não gostam nem de usar um short", observou. 

Além de vítimas de violência doméstica, Flavia Carvalho também tatua pessoas que passaram por mastectomia. 

 

 

Topo