Casa e decoração

Comer grama não faz mal a cães e gatos; descubra por que eles gostam tanto

Getty Images
Gatos comem 'matinhos' para aliviar desconfortos causados pelas bolas de pelo imagem: Getty Images

Marina Oliveira e Laís Rodrigues

Colaboração para o UOL, de São Paulo

Seu cão ou gato costuma comer grama e outros matinhos? Saiba que o comportamento é normal e tem duas motivações principais: a de induzir o vômito ou de buscar uma fonte de fibra que a dieta habitual não fornece. O UOL trata do assunto para que você possa tirar suas dúvidas sobre o tema.

#nham

  • Alívio imediato

    Um mal-estar estomacal pode levar cães e gatos a procurarem ingerir mato ou grama. "Cães são pouco seletivos no padrão alimentar, comem de tudo. Por isso, podem ter indisposição gástrica. Comer grama visa irritar o estômago e, assim, facilitar o vômito, mas nem sempre a estratégia funciona", explica a veterinária Anne Santos do Amaral, professora da Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Os gatos, especialmente os de pelos longos, ingerem porções de mato para minimizar o incômodo causado pelas bolas de pelos que ficam no estômago.

  • Mais fibras

    A procura por fibras alimentares é instintiva. Carnívoros selvagens buscam fibras em suas caças, tanto que abocanham as vísceras, que são os órgãos mais fibrosos, em primeiro lugar. O gato, por ter sido domesticado recentemente e ainda ter o instinto latente, é o que mais apresenta tal comportamento. "Se o felino não caça passarinho ou grilos, por exemplo, que são fontes de fibra, vai em busca da graminha", diz a veterinária Anne Santos do Amaral. Quer dar um 'matinho' saudável para o bichano? A "grama da pipoca", que na verdade são os brotinhos quando se planta este tipo de milho, é uma das favoritas dos felinos.

  • Curiosidade x toxicidade

    Filhotes são naturalmente curiosos e acabam comendo qualquer coisa, por isso, é preciso ficar de olho. Comer grama ou mato uma vez por dia não prejudica a saúde do animal, mas algumas plantas são tóxicas e devem ser evitadas. Comigo-ninguém-pode, costela-de-Adão, filodendro, antúrio, azaleia, lírio-da-paz e bico-de-papagaio são alguns exemplos. "Todos estes vegetais provocam problemas digestórios. Já o arbusto oleandro e a kalanchoe atacam o sistema cardiovascular", alerta a veterinária Tânia Parra Fernandes, professora da Universidade Metodista de São Paulo. Leia mais

  • Sinal de alerta

    De acordo com o veterinário especialista em comportamento animal Mauro Lantzman, professor de psicobiologia na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, é normal que o animal apresente um único vômito logo depois da ingestão de grama. "Já o vômito intenso, acompanhado ou não de apatia, diarreia, perda de apetite e dor abdominal - quando o animal não deixa tocar no abdome -, pode indicar problemas e deve ser investigado", afirma Lantzman.

  • Excesso faz mal

    Será preciso, também, consultar um veterinário se o animal recorre à grama várias vezes ao dia, por dois dias ou mais. "O bicho pode estar com algum desconforto mais sério e é preciso examinar", salienta a veterinária Anne Santos do Amaral. A ingestão repetida de grama e mato também pode indicar deficiência nutricional. "Neste caso, será preciso trocar a dieta, adotar uma ração de boa qualidade e que esteja de acordo com a espécie, a idade, o peso e atividade do cão ou gato", conclui a veterinária Tânia Parra Fernandes.

Topo