Casa e decoração

Espaços de estudos para adolescentes são leves e compactos

Giovanny Gerolla

Colaboração para o UOL, de São Paulo

É hora de sentar, respirar fundo, abrir os livros e se concentrar. A hora de começar a estudar pode ser o momento mais difícil, afinal brincar, navegar na internet e jogar videogame são atividades divertidas. Mas quem tem um cantinho bonito e funcional consegue se sentir bem e absorver com mais facilidade a lição.

As arquitetas Ana Cristina Tavares e Claudia Krakowiak Bitran, do escritório KTA – Krakowiak & Tavares Arquitetura, aproveitaram móveis existentes nos quartos de uma menina com 12 anos e um rapaz de 18 e acrescentaram soluções feitas em marcenaria para renovar e adaptar os cantos de estudo.

#girl

  • Inés Antich/ Divulgação

    Móvel amplo

    A menina de 12 anos é vaidosa e estudiosa, por isso, a bancada serve de escrivaninha e de penteadeira. O móvel vai de uma parede a outra e incorpora antiga cômoda e o velho gaveteiro.

    Imagem: Inés Antich/ Divulgação

  • Inés Antich/ Divulgação

    Espelho, espelho meu

    O quarto com 13 m² é branco, verde-água, roxo e amarelo. O tampo da bancada (3,75 m) é de MDF revestido com Formica® (L552 ? ?Purple?) e pode ser parcialmente levantado pela existência de uma ferragem do tipo pistão pineumático. Sob esta tampa está um espelho.

    Imagem: Inés Antich/ Divulgação

#boy

  • Inés Antich/ Divulgação

    Bancada assimétrica

    No quarto do moço, o chanfro (parte mais estreita da bancada) fica perto da cama para não atrapalhar a circulação. A bancada azul (1,8 m) cobre três gavetas brancas triangulares e pivotantes. O revestimento é em Formica® azul-petróleo (L122 Mediterranne TX) e a estrutura é de MDF.

    Imagem: Inés Antich/ Divulgação

  • Inés Antich/ Divulgação

    Livros ao alcance

    A profundidade do guarda-roupa orientou uma faixa lateral de nichos, que abrigam vários livros. A bancada de estudos está encostada nesse armário - começa mais profunda (90 cm) e se estreita para o lado oposto (28 cm), onde está a cama.

    Imagem: Inés Antich/ Divulgação

Topo