Últimas de Estilo de vida

O que muda na rotina quando se tem um bicho de estimação?

Getty Images
Cães e gatos são mais que animais de estimação, são parte da família: cuide bem! imagem: Getty Images

Juliana Nakamura

Colaboração para o UOL, de São Paulo

A chegada de um cachorro amável ou de um gatinho espevitado pode trazer muita alegria para o lar, mas também acarreta uma série de responsabilidades. A rotina muda drasticamente e é importante que isso seja levado em conta por quem pensa em ter um animal de estimação. Para evitar conflitos, transtornos e acidentes, o ideal é que toda a casa seja adaptada para receber o novo membro da família.

 

Fontes: Marcelo Quinzani, médico veterinário do hospital veterinário Pet Care; e Rhea Cassuli Lima dos Santos, médica veterinária do Hospital Veterinário Pró Vita.

Veja quais cuidados tomar

  • Getty Images

    Cuidador responsável

    Os animais de estimação exigem compromisso de seus donos e espaço físico adequado para viverem. Independente da espécie, todos precisam de atenção periódica acerca de alimentação, higiene, diversão e saúde, além de carinho, é claro. De modo geral, os cães demandam mais dedicação, por causa dos passeios diários, e tendem a fazer cocô em horários fixos.

    Imagem: Getty Images

  • Getty Images

    Espaço adequado

    No caso dos cães, a demanda por espaço físico depende fundamentalmente da raça e do porte do animal. Cachorros como o border collie e o jack russel são bastante ativos e exigem mais tempo para passeios e mais espaço para brincar. Outros, como o maltês e o yorkshire, são mais tranquilos. Há raças leves, como a pincher, na qual um cão adulto pesa em torno de um quilo. Outras têm indivíduos que podem chegar a 100 quilos, como a mastim napolitana. Quanto maior o animal, de mais atividade física ele vai precisar. Isso significa que até é possível ter cachorro grande em um apartamento, desde que haja alguém para levar o bicho para passear tantas vezes e por quanto tempo for necessário.

    Imagem: Getty Images

  • Getty Images

    Acesso restrito

    Em comparação com os cães, os gatos são mais independentes e fazem suas necessidades em caixas próprias sem praticamente qualquer adestramento. Quanto à comida, são mais seletivos e comem com menor voracidade. A necessidade de espaço físico é menor, mas é fundamental controlar o seu acesso a janelas e portas, principalmente em apartamentos. O ideal é que todas as aberturas possuam redes de proteção. Para evitar prejuízos, não deixe objetos de decoração quebráveis (porcelanas e cristais, por exemplo) no caminho do bichano.

    Imagem: Getty Images

  • Getty Images

    Impacto no bolso

    O primeiro ano de vida de um bichinho de estimação costuma ser o mais dispendioso para o seu dono. Serão ao menos três doses de vacinas (em torno de R$ 90 cada), além de vermifugação, consulta veterinária (cerca de R$ 150) e possível castração. A partir de um ano de idade, a recomendação é que todos os animais recebam uma dose anual de vacinas e de remédio para vermes. O controle de pulgas e carrapatos pode ser feito a cada três meses. Há, ainda, o custo da ração (ou da alimentação natural), do banho e da tosa (caso necessário). A partir dos sete anos, as visitas ao veterinário devem acontecer, ao menos, uma vez a cada seis meses.

    Imagem: Getty Images

  • Getty Images

    Cama, mesa e banho

    Para os cães, é recomendável limitar o espaço físico até que o bicho se adapte ao novo lar. Preferencialmente, o limite deve ser imposto com o cachorro ainda filhote. Também é importante que a fralda (ou o jornal) para as necessidades, a caminha e os potes estejam relativamente próximos nesta fase, mas não tanto que se misturem. Para os gatos, a caixinha de areia e os suportes para a comida e a água também devem ser posicionados em um local facilmente identificável. Comedouros e bebedouros para cães ou gatos devem, sempre, ser mantidos limpos. Caso deseje que alguma área da casa permaneça vetada para os pets, considere instalar uma portinha ou grade (há as removíveis e reguláveis).

    Imagem: Getty Images

  • Getty Images

    Lugar para dormir

    Seu bichinho merece dormir em uma cama confortável, proporcional ao seu tamanho e em um lugar tranquilo da casa. Para filhotes, um bom truque para adaptar o ambiente é utilizar um cobertor velho e macio, preferencialmente com o cheiro da mamãe ou dos membros da família (humana). Importante: a caminha deve ser de material lavável para facilitar a higiene periódica. Leia mais

    Imagem: Getty Images

  • Getty Images

    Banheiro

    Quem vive em uma casa com quintal não precisa se preocupar em reservar um banheiro dentro de casa para o pet. Mas para quem não dispõe desse espaço externo, vale separar um pedaço da área de serviço (ou um banheiro junto à área molhada) para uso do cão ou do gato. Porém, seja em casa ou em apartamento, o cuidado com a higiene deverá ser constante para evitar odores ou contaminações. As demais superfícies por onde o animal circula serão limpas com aspirador e pano úmido para remover os pelos. Já a lavanderia (ou o banheiro) deverá ser lavada com desinfetante. Leia mais

    Imagem: Getty Images

  • Getty Images

    Hora da diversão

    Brinquedos não são obrigatórios, mas são importantes e recomendáveis. Quando escolher a distração, leve em conta o porte do bichinho. Para os gatos, os itens mais procurados são arranhadores e ratinhos de borracha. Os veterinários recomendam investir nesses acessórios para evitar que os felinos fiquem entediados e tenham vontade de arranhar os móveis da casa. No caso dos cães, considere também o comportamento do bicho para adequar a resistência do material e o tipo de brinquedo mais adequado e cuide para que ele não ingira partes dos apetrechos. Leia mais

    Imagem: Getty Images

  • Getty Images

    Sem acidentes

    O melhor lar para um pet é aquele que é seguro para ele. Para garantir isso, pense como se houvesse uma criança ou um bebê em casa. Utilize lixeiras com tampas, deixe a(s) porta(s) de acesso à residência sempre fechada(s), cuide para que fios (telefone, internet, energia) estejam fora do alcance de patinhas (e dentinhos!) curiosas. Além disso, mantenha as bancadas da cozinha limpas e sem alimentos e guarde os produtos químicos e venenos de uso doméstico em um armário trancado. Ah, não se esqueça de manter a tampa do vaso sanitário sempre abaixada, além de evitar deixar espalhados objetos cortantes, perfurantes e que possam ser ingeridos. Leia mais

    Imagem: Getty Images

  • Getty Images

    Área externa

    Jardins e garagens também merecem atenção: guarde os produtos químicos usados em jardinagem em lugares seguros e fora do alcance do bicho. Lembre-se que algumas espécies de plantas (antúrios, azaleias e lírios, por exemplo) podem ser tóxicas para os pets, portanto limite o acesso. Para evitar acidentes graves, garanta que o seu bichinho não entre (ou permaneça) na garagem ou verifique o paradeiro do cão ou gato antes de ligar e mover o carro. Leia mais

    Imagem: Getty Images

Topo