Casa e decoração

Tem saudades da decoração do passado? Volte no tempo com a gente

Juliana Nakamura

Colaboração para o UOL, de São Paulo

Atenção: os itens a seguir estão longe de representar refinamento estético, mas vão arrancar suspiros dos mais emotivos. Na sua casa, na do vizinho ou da sua avó havia ao menos um deles. E, vá, confesse: dá aquela saudade! 

Nostalgia

  • Divulgação

    Tudo "ornando" no banheiro

    Eles podem ter sido feitos por uma artesã caprichosa. Mas não faz muito sentido cobrir o banheiro com um kit coordenado como esses, seja bordado, seja tricotado. Encontrar com um desses nos dias atuais pode nos trazer memórias doces, da infância, da casa da vó, das férias na casa da tia. Mas também é um indicador de que o dono daquele lar doce lar parou no tempo.

    Imagem: Divulgação

  • Reprodução

    Cortina para porta, uma aventura!

    Elas podiam ser feitas de tiras plásticas coloridas, pedacinhos de taquara intercalados por bolinhas plásticas, miçangas, couro e até cristais. Geralmente eram usadas na porta da cozinha para impedir a entrada de muita luz ou de insetos no cômodo. Mas essas vedetes da infância dos anos 1970 e 80 eram mesmo a alegria da molecada, afinal, quem é que não curtia passar correndo por elas?

    Imagem: Reprodução

  • Reprodução

    Marrom, o básico

    Nos anos 1980 o freezer, especialmente da extinta marca Prosdócimo, era vital para as famílias de classe média e que tinham o hábito de fazer a "compra do mês" para driblar a inflação. O curioso é que, naquela época, o marrom era a cor "básica" para os eletrodomésticos da cozinha. Muito mais discreto que os amarelinhos, azuizinhos e vermelhinhos que imperavam nas décadas anteriores. Péra, quer dizer...

    Imagem: Reprodução

  • Divulgação

    Pura magia

    A evolução das vassouras prometia facilitar a limpeza doméstica graças a um sistema de escovas que recolhiam pequenos detritos do chão, especialmente na limpeza de tapetes. Para os mais saudosos, a boa notícia é que a vassoura mágica ainda é fabricada e pode ser adquirida facilmente, mas em versões modernas, claro.

    Imagem: Divulgação

  • Getty Images

    A rainha da varanda

    Ainda hoje encontradas em varandas das casas do interior em toda a América Latina, essas poltronas e cadeiras de fios são fabricadas com tiras plásticas "tipo macarrão" e cordas, entre outras variações. Leves, despojadas e muito populares, tais peças ganharam versões refinadas nas mãos de designers badalados, como os irmãos Campana, Sérgio J. Matos e Marcelo Rosenbaum.

    Imagem: Getty Images

  • Reprodução

    Tem que ter: louça opalina

    Essas peças, produzidas no Rio de Janeiro nos anos 1970 e 1980, foram muito populares nas casas brasileiras. O vidro opalino (ou opalinado) tem aparência leitosa, mesmo que um dos lados tivesse acabamento brilhante. O "tchan" de pratos e tigelas ficava por conta da borda decorativa laranja em forma de gravatinha. Quem não teve um item desses na cozinha?

    Imagem: Reprodução

  • Divulgação

    Meteorologista caseiro

    Esse pequeno bibelô, tradicional em Portugal, esconde a alma de um meteorologista! O galinho do tempo, que muda de cor dependendo das condições do clima, fez muitas crianças ficarem de boca aberta com a mágica da mudança de cor das "penas": se o veludo do galinho ficasse azul, o tempo estaria firme, se estivesse rosa, era bom pegar o guarda-chuva.

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    Banheiro nada básico

    Quando surgiram no Brasil, os assentos de acrílico translúcido representavam o que havia de mais elegante (ou ao menos "diferentão") em acessórios para banheiros. Ter um desses sobre o vaso sanitário era coisa de gente muito fina e antenada. Mas precisava enfeitar o treco com flores, borboletas, folhagens e frufrus?

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    Bico de jaca em tu-do

    Comum nas casas brasileiras especialmente nos anos 1970 e 1980, a luminária em forma de globo com lapidação bico de jaca saiu de moda há tempos, dando espaço para peças com design mais clean. Mas ainda há quem sinta saudades de sua luz dramática. Em uma casa com decoração hipster, a escolha é tiro e queda!

    Imagem: Divulgação

  • Reprodução

    Encapar é uma arte

    Esse item com cara de casa de vó é um típico exemplo do exagero decorativo de tempos passados. Tudo bem que essas capinhas podem ser úteis para proteger os eletrodomésticos da poeira e da gordura, mas será que elas precisam vir acompanhadas de crochê, bordado e patchwork? E o chique era usar capinhas combinando em tudo: liquidificador, torradeira, fogão, botijão de gás e, até, para o filtro de água.

    Imagem: Reprodução

Topo