Casa e decoração

Ativistas tiram a roupa para protestar contra aluguéis altos em Berlim

MARCIO DAMASCENO De Berlim para a BBC Brasil

Em protesto contra o aumento dos aluguéis, um grupo de ativistas de Berlim tem realizado manifestações em que seus participantes invadem imóveis anunciados para locação e ficam totalmente nus, surpreendendo corretores e clientes.

Os manifestantes, após chegarem aos imóveis, tiram as roupas subitamente e começam a dançar, usando máscaras de animais e exibindo mensagens – tanto em cartazes quanto pintadas em seus corpos - contra a especulação imobiliária.

Em comparação com outras cidades europeias, os aluguéis de Berlim são relativamente baratos. Nos últimos anos, entretanto, os preços têm subido em bairros que antes eram os preferidos de estudantes e artistas alternativos. Muitos deles se viram obrigados a se mudar para outras áreas.

Hedonismo

Os ativistas dizem integrar a Internacional Hedonista, um grupo criado em 2006 durante o encontro do G8 em Heiligendamm, na Alemanha, e que se especializou em protestos inusitados.

A inspiração para as manifestações vem do chamado "coletivo jeudi noir" ("quinta-feira negra", em francês), um grupo parisiense que, desde 2006, invade apartamentos de aluguéis altos na capital francesa, realizando festas-surpresa dentro deles.

Os "hedonistas" berlinenses costumam divulgar os vídeos de seus protestos pela internet. Postadas inicialmente no site Youtube, as imagens tiveram de ser removidas por conta da nudez e agora estão disponíveis através de um Clique blog.

Com isso, os ativistas esperam que outras pessoas se juntem ao movimento.

Enquanto algumas imobiliárias planejam chamar a polícia, Andreas Stücke, presidente da Haus und Grund, associação alemã dos proprietários privados de imóveis, acha que as manifestações não vão surtir efeito e que são um modismo passageiro.

"Quem se diverte se despindo nessas ocasiões pode fazê-lo. Esse tipo de protesto pode chamar a atenção agora, mas logo vai ser esquecido", diz. "Berlim tem um mercado reconhecido no mundo inteiro como barato."

Capital mais barata

Apesar do aumento do aluguel dos apartamentos em certos bairros berlinenses, a cidade continua sendo a capital da Europa Ocidental onde a moradia é mais barata.

"É absurdo se falar em aluguéis caros em Berlim", afirma David Eberhard, da associação de empresas imobiliárias da cidade.

A capital leva vantagem mesmo em comparação com outras cidades alemãs. Segundo Eberhard, o berlinense gasta em média 12,3% de sua renda em aluguel, enquanto quem mora em Munique paga 17,6%.

Topo