Casa e decoração

Apesar da crise, mercado de casas 'super-caras' bate recordes em Londres

A economia britânica encolheu nos últimos meses de 2011 e pode estar entrando em recessão no começo deste ano, mas apesar da retração econômica um setor tem se mostrado imune à crise: o mercado de mansões e apartamentos para milionários em Londres.

Uma série de levantamentos recentes tem mostrado que os preços de imóveis continuam em alta na capital britânica, sobretudo na faixa de propriedades mais caras - faixa conhecida como "super-prime".

Segundo analistas de mercado, os preços de propriedades "super-prime" continuam subindo porque, apesar da crise econômica na Grã-Bretanha, milionários de diversas partes do mundo estão comprando apartamentos e casas em Londres, considerado um artigo de luxo essencial para uma classe de ricos emergentes.

A valorização de imóveis em Londres acontece apenas nos bairros mais ricos.

De acordo com uma pesquisa da consultora Hometrack, em mais da metade das 243 zonas de Londres os preços dos imóveis estão abaixo do pico registrado em 2007.

Mas em apenas três áreas luxuosas - West End, Knightsbridge e Belgravia/Pimlico - os preços de casas e apartamentos estão em média 30% acima do valor de 2007. Em Knightsbridge, o valor do metro quadrado triplicou nos últimos dez anos.

Em regiões menos glamorosas, como Painstow, no leste de Londres, os preços estão em média 21% abaixo do pico registrado em 2007.

Os especialistas em mercado imobiliário concordam que os preços nas áreas mais caras estão sendo puxados por milionários estrangeiros.

Liam Bailey, que é diretor da divisão de residências da agência especializada em pesquisas imobiliárias Knight Frank, afirma que a migração de milionários estrangeiros para Londres é um fenômeno que já se observava em 2007, antes da primeira recessão mundial.

"Naquela época, parecia que todos os oligarcas de países emergentes estavam se mudando para o centro de Londres para confirmar a sua chegada à lista dos ricos globais, assegurando um item de 'primeira necessidade': uma propriedade residencial super-prime, de preferência a cinco minutos de carro do Hyde Park", diz Bailey em um relatório que analisa o fenômeno londrino.

A sondagem da Knight Frank perguntou a profissionais que atendem apenas clientes milionários - como contadores, advogados e corretores de imóveis - quais são as nacionalidades dos ricos que mais estão gastando com propriedades de luxo em Londres. Russos, chineses e indianos lideram a lista, e os brasileiros aparecem na décima posição.

Topo