Casa e decoração

Brasil Design Week: o design entra na pauta das empresas brasileiras

Fabiano Cerchiari / UOL
Flagrante da mostra Brasil Design Week, no Expo Transamérica, em São Paulo, feira de negócios realizada de 8 a 10 de novembro de 2010 imagem: Fabiano Cerchiari / UOL

ALBERTO MAWAKDIYE

Colaboração para o UOL

O espaço privilegiado dado à indústria do design na 10ª edição do maior encontro de negócios do Brasil, a HSM ExpoManagement, encerrada ontem na Expo Transamérica, em São Paulo, comprova que este setor, que tem um pé na economia e outro na cultura, entrou realmente no rol das preocupações dos empresários e executivos do país.

Além de ter cedido uma área do evento para a realização da Brasil Design Week 2010 – ciclo de palestras cujas duas versões anteriores foram realizadas de forma independente no Rio de Janeiro e em São Paulo, respectivamente – a HSM também cedeu parte do salão de exposições para que alguns dos mais importantes escritórios de design brasileiros exibissem amostras do portfólio de trabalho.

Os escritórios também foram convidados a participar das cobiçadas rodadas de negócios da HSM. Uma oportunidade nada desprezível, já que a ExpoManagement é basicamente um encontro de executivos de alto escalão dos mais variados segmentos da indústria e do setor de serviços, e que fecham negócios ao mesmo tempo em que participam de seminários sobre gestão empresarial e macro-economia.

Por trás desta aceitação está a surpreendente performance da indústria de design brasileira nos últimos anos. Partindo de uma base pouco promissora – até os anos 1990, o trabalho dos escritórios nativos era principalmente o de "aclimatar" as novidades estrangeiras ao gosto do consumidor brasileiro – o setor amadureceu com a estabilização da economia e o crescimento vertiginoso do mercado interno.

Oscar

É hoje um dos mais criativos do mundo. Prova é de que passou a figurar todos os anos nas listas de vencedores da prestigiada premiação europeia iF Product Design Award, tida como o "Oscar" do setor. Também se estruturou e se capilarizou enquanto ramo de negócio: existem hoje mais de três mil escritórios de design no território nacional, sem contar os departamentos cativos das empresas.

Boa parte deles é constituída de micro-empresas de perfil inovador, apoiadas pelo Sebrae. O número de designers também é relevante, cerca de 40 mil em todo país, muitos formados em escolas de qualidade reconhecida em todo o mundo, como a pioneira Escola Superior de Desenho Industrial (Esdi), do Rio de Janeiro, fundada no começo dos anos 1960, ou em centros de excelência de São Paulo e Porto Alegre.

 "As empresas descobriram que o design tem uma incrível capacidade de transformar os negócios, traduzir estratégias, atrair novos clientes e até de mudar a lógica do mercado", disse Luciano Deos, presidente da Associação Brasileira de Empresas de Design (Abedesign), que organizou o Brasil Design Week 2010 em parceria com o Sebrae e a Apex-Brasil, entre outras entidades.

De fato, estudo realizado no final de 2009 pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), pela Abedesign e pela FGV Projetos constatou que 84% das empresas que investiram em design nos últimos três anos aumentaram a competitividade: 82% alcançaram maior participação no mercado, 68,5% ganharam lucratividade, 76,5% cresceram em faturamento e 68% reduziram custos.

Topo