Casa e decoração

Sede de ONG para mães em risco social tem projeto de Rosenbaum e FGMF

Divulgação
Projeto da ONG Lua Nova, em Sorocaba interior de São Paulo, desenvolvido pelos escritórios FGMF, Rosenbaum e alunos de arquitetura de seis faculdades (18/07/2011) imagem: Divulgação

Da Redação

Projeto para sede de ONG Lua Nova, em Sorocaba, é desenvolvido pelos arquitetos dos escritórios FGMF e Rosenbaum em parceria com estudantes de arquitetura de seis faculdades.

O projeto foi elaborado de 10 a 17 de julho pelos dois escritórios e por 11 estudantes da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), do Centro Universitário Belas Artes, da Universidade Mackenzie, Universidade Paulista (UNIP), da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e a Escola da Cidade no formato "laboratório intensivo".

Durante a semana, a equipe pode conhecer a ONG Lua Nova e o local onde será construída a nova sede, além de conhecerem as jovens mães que participam das ações da organização.

A ONG tem a missão de fortalecer a auto-estima, a cidadania e o direito à maternidade de mães vulneráveis. O trabalho consiste em ações de apoio social e psicológico, bem como oficinas profissionais. Assim, a associação atende jovens mulheres de 16 a 25 anos de idade, gestantes ou mães em situação de risco social como o uso de drogas, a prostituição, a falta de moradia e a mendicância.

O laboratório teve orientação do designer Marcelo Rosenbaum e dos arquitetos Fernando Forte, Lourenço Gimenes e Rodrigo Marcondes Ferraz, do escritório FGMF e colunistas do UOL Casa e Imóveis.

O projeto para a sede da "Lua Nova" foi oficialmente apresentado em 18 de julho durante uma cerimônia na Biblioteca da FAU na rua Maranhão, em São Paulo.

Prêmio

  • Divulgação

    Museu do Aço, SP, projeto do escritório FGMF


O escritório FGMF recebeu um prêmio internacional destinado a jovens arquitetos, o "Internazionale Dedalo Minosse - Under 40". A honraria é entregue aos profissionais que executam "boa prática da pesquisa acerca da arquitetura contemporânea".

O prêmio, que está em sua 8ª edição, recebeu projetos de 52 países para a primeira seletiva. Foram 340 pré-selecionados disputando quatro títulos principais. Entre os critérios adotados pelo juri estão a preocupação ambiental e a valorização do patrimônio arquitetônico. 

Topo