Jardinagem e paisagismo

Cheirinho bom: saiba como criar um jardim de aromas

André Fortes/ Divulgação
Paisagismo criado por Ivani Kubo combina plantas aromáticas e ornamentais imagem: André Fortes/ Divulgação

JULIANA NAKAMURA

Colaboração para o UOL

Além de agradável aos olhos, um jardim também pode ser estimulante ao olfato e despertar sensações únicas, capazes de transformar um quintal ou uma simples varanda em um lugar inesquecível. Para usufruir de fragrâncias frescas e naturais, não é preciso muito esforço, basta escolher a espécie aromática mais adequada às condições do espaço, seja ele uma grande área ajardinada ou um “cantinho”, e cultivá-la com carinho.

A montagem de um jardim aromático deve considerar as particularidades de cada espécie e, principalmente, buscar um equilíbrio entre as plantas empregadas. Afinal, o objetivo é sentir a delicadeza do perfume de cada variedade e não sobrepô-los uns aos outros.

Perfumes

Algumas espécies, como o manacá-de-cheiro (Brunfelsia uniflora), liberam seus odores durante as 24 horas do dia. Outras exalam sua fragrância apenas quando expostas a condições ambientais específicas. Esse é o caso das gardênias, que geralmente só perfumam quando despontam as flores na primavera, e da lavanda, cujo cheiro é mais facilmente perceptível quando a planta está sob sol forte. Há, ainda, a dama-da-noite (Cestrum nocturnum), que como o próprio nome sugere, exala seu aroma somente ao anoitecer.

A paisagista Ivani Kubo conta que as murtas (Murraya paniculata), por exemplo, cujas flores emitem um perfume doce, devem ser cultivadas preferencialmente nas regiões periféricas do terreno. A mesma recomendação se aplica para a popular dama-da-noite, que tem um odor inebriante capaz de percorrer muitos metros de distância.

Aliás, em função de seu perfume intenso, espécies como a dama-da-noite não devem ser utilizadas nas proximidades de janelas, especialmente de ambientes onde dormem pessoas sensíveis e crianças. Pelo mesmo motivo, evite colocar plantas “muito cheirosas” em áreas contíguas a churrasqueiras e cozinhas, para não interferir no odor dos alimentos. Uma dica para amenizar o perfume da dama-da-noite é cultivá-la à meia-sombra para que tenha floração menos intensa.

Respeite o espaço

Sobretudo quando a área disponível para o jardim é limitada, como varandas, as plantas mais indicadas são as de menor porte, como as gardênias (Gardenia jasminoides), as lavandas (Lavandula sp) e as delicadas frésias (Freesia x hybrida), que ainda têm a vantagem de não atrair insetos. 

Outra saída inteligente para quem não quer abrir mão de aproveitar o aroma natural das plantas é cultivar ervas aromáticas. Isso pode ser feito em vasos ou floreiras: “vale utilizar alecrim, manjericão, hortelã e aproveitar esses aromas o ano todo em um jardim gourmet” destaca o paisagista Gilberto Elkis. Capim-limão e erva-cidreira são outras espécies de ervas que oferecem perfumes inigualáveis e ainda podem render chás bastante saborosos.

De quê as plantas precisam?

De forma geral, a principal exigência das plantas aromáticas é de exposição ao sol. “Lavandas e gardênias necessitam de sol de três a quatro horas diárias. Já os temperos, como manjericão e salsa, precisam de duas horas diárias de sol”, explica Gilberto Elkis.

Em ambos os casos, o solo precisa ser rico em matéria orgânica e ter boa drenagem. Para conseguir isso, a recomendação é utilizar sob a terra uma camada de argila expandida e manta geotêxtil (bidim) que, juntos, ajudam a não reter água excessivamente.

 

Topo