Decoração de ambientes

Luzinhas natalinas exigem cuidados da compra à manutenção; veja como enfeitar a casa com segurança

ANDRESSA ROVANI

Colaboração para o UOL

  • Árvore de Natal iluminada

O Natal está chegando e, com ele, ruas, casas e apartamentos se enchem de luz. Para muitas famílias, a decoração só está completa quando são acesas as tradicionais lâmpadas pisca-pisca na árvore de Natal, no cortorno de janelas e portas, na fachada da casas e nos galhos das árvores.

Para não transformar a decoração natalina em um risco, a atenção deve começar no momento da compra até o armazenamento do produto de um ano para o outro. “Esses pisca-piscas, em sua maior parte, têm componentes precários, o que os torna inseguros”, diz o engenheiro eletricista Paulo Barreto, do Instituto de Engenharia, sediado em São Paulo. “Por mais singela que seja a luzinha, qualquer deslize pode comprometer a segurança da casa”, alerta.

As lâmpadas natalinas foram postas à prova em 2008, quando a Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) avaliou dez modelos disponíveis no mercado. Todos foram reprovados. Entre os principais problemas encontrados, estavam falta de proteção nos plugues, isolamento precário, fios que podem se romper facilmente e pouca resistência a picos de luz. 

Cuidados com a iluminação de Natal

Ao tirar as luzinhas da caixa, verifique se não há fios soltos ou desencapados; ao guardá-la para o próximo ano, evite dobrar a fiação. Se houver problema, descarte
Evite instalar as lâmpadas perto de materiais inflamáveis (como papel, plástico e cortinas)
Prefira lâmpadas com fusível. Sem ele, as lâmpadas podem entrar em curto-circuito mais facilmente e provocar um incêndio
Ao se deitar, desligue a iluminação. Além de economizar, ao apagar as luzes você não corre o risco de sobrecarregá-las
Calcule quantos cordões de pisca-pisca a tomada aguenta e, mesmo com extensão, não ultrapasse esse limite
Não suba em estruturas metálicas ao montar sua decoração (isso evita choques)
Se for decorar árvores na parte externa da casa, certifique-se de que ela não está em contato com postes ou fios da rede elétrica
Nunca una dois cordões com fita isolante ou outro material. Compre cordões com plugues próprios para emenda
Só use na parte externa da casa ou na sacada luzinhas próprias para este fim
Mantenha crianças distantes da fiação e da tomada do aparelho
Fontes: Proteste, Eletropaulo e Paulo Barreto

"É preciso escolher lâmpadas de boa qualidade", afirma o coordenador de usos finais de energia da concessionária AES Eletropaulo, Fernando Bacellar. Segundo ele, a escolha ou o uso inadequado do produto pode provocar de pequenos curtos a choques e incêndios. "Muitas pessoas costumam aproveitar as luzinhas do ano anterior. Mas dependendo de como foi feito o armazenamento, é comum encontrar parte do plugue descascado", afirma.

Por isso, antes de instalar o material do ano passado, é preciso fazer "checkup" em toda a estrutura do aparelho para verificar se há trechos desencapados ou com o fio exposto. “Em geral, o fio que une as lâmpadas é protegido por uma capa meio frágil de PVC, que pode se tornar quebradiça com o tempo e aí dar choque”, diz Paulo Barreto. Nesse caso, não tente emendar com fita isolante. “Como é um produto muito barato, ao primeiro sinal de desgaste, descarte em local apropriado”, orienta o engenheiro.

Se a intenção é comprar luzes novas, é preciso considerar de antemão onde serão instaladas as lâmpadas. Em geral, as luzinhas mais comuns são fabricadas para o ambiente interno. Se a ideia é colocá-las fora de casa, o produto deve ser feito para isso, permitindo exposição a chuvas, sol intenso e vento. Além disso, ao comprar o produto, o consumidor deve procurar pelo selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia). Apesar de não ter um programa de avaliação de conformidade para pisca-piscas, o instituto certifica compulsoriamente os plugues. 

Atenção aos detalhes técnicos
 
Na hora da instalação, evite o uso de benjamins e dê preferência às extensões que têm fio grosso, mais seguro, ou filtro de linha, que protege o sistema. Para unir um cordão de luzinhas no outro é preciso atenção. Como a maioria das tomadas brasileiras é para 10 amperes (unidade de medida da intensidade de corrente elétrica), o indicado é que os cordões somados não ultrapassem 10 amperes, mesmo que extensão tenha diversas tomadas.

Por exemplo: se um cordão de 100 luzinhas tem 1A, é possível instalar até 10 cordões na extensão que será ligada à tomada. A indicação fica localizada no plugue do aparelho, e é grafada com um “A”. Se ela não existir, é possível fazer outro cálculo, dividindo a potência do aparelho pela tensão da residência (110V ou 220V).

Se um cordão tiver, por exemplo, 100W e for colocado em uma rede de 110V, terá 0,9A. Ao ligar mais de 10 amperes em uma só tomada, explica Paulo Barreto, pode haver sobrecarga, elevando a temperatura da tomada, danificando os pólos e provocando incêndio. Antes disso, porém, o plugue pode esquentar, expondo a pessoa ao choque.

Além dos cuidados contra acidentes, a conta de energia também merece atenção. Pelas contas da Eletropaulo, um conjunto com 500 luzinhas, de 0,5 watts cada uma, que fique aceso por 10 horas seguidas, encarecerá a conta de luz em  R$ 1 por dia, ou R$ 30 por mês. Para o barato não sair caro -e durar mais de um Natal-, Bacellar aconselha o uso de luzinhas de LED, que apresentam maior durabilidade e menor consumo de energia.

 

Topo