Apartamentos

Designer transforma pequeno apartamento de Manhattan em "quarto de hotel de luxo"

Trevor Tondro/The New York Times
O apartamento de Frank Carfaro tem apenas 51 m² e sua reforma custou cerca de US$ 150 mil imagem: Trevor Tondro/The New York Times

Joyce Wadler

The New York Times, Nova York

Frank Carfaro é um designer solteirão de 41 anos que há pouco tempo renovou seu pequeno apartamento em Manhattan, na cidade de Nova York. Apesar de adorar sua banheira (e as longas sessões de relaxamento que ela lhe propiciava), Carfaro não pensou duas vezes: eliminou a peça de vez, pois, segundo ele, o objeto não combinaria com a nova decoração do imóvel.

A banheira foi substituída por um chuveiro tão forte que, um dia, um vizinho confundiu o vapor intenso que saía pela janela com fumaça e chamou os bombeiros.

O designer tinha o objetivo de recriar, em sua residência, o ambiente de um quarto de hotel luxuoso, um lugar que o “hospede” até que ele resolva abdicar da solteirice e começar uma família.

Mais que chuveiros e banheiras   

Na reforma, as paredes do banheiro foram cobertas com mármore e, entre o living e o quarto, instalou-se o closet que, por estar em um espaço aberto, facilita o trânsito entre os dois ambientes.

Por sua vez, o piso e o teto receberam tratamento acústico para impedir que a potência do equipamento de som do morador incomodasse os vizinhos. Enquanto a mobília do apartamento, que tem um toque retrô, foi quase toda trazida da loja de móveis da qual o designer é sócio, a Desiron.     

Carfaro, aliás, é o arquétipo do homem multifunções que não se cansa nunca: ele se aventura em corridas de motocicletas, esquia em geleiras e, geralmente, se levanta às 5h30 a fim de treinar para uma competição de "Iron Man" da qual pretende participar. Além disso, o diretor criativo atua no mundo da propaganda (já participou do desenvolvimento de anúncios para empresas como a American Express e a Levi’s) e é empresário de sucesso.  

Seu negócio, fundado há 14 anos, faturou cerca de US$ 10 milhões em 2011. E, além do apartamento em Nova York, Carfaro tem uma casa de três quartos no estado de Rhode Island e um imóvel na cidade de Vail, no Colorado.

Quando a conversa enveredou para assuntos de pescaria (um de seus hobbies favoritos), o designer abriu a geladeira e, de lá, puxou um enorme filé de salmão, que ele próprio trouxe da Islândia em uma de suas últimas férias.  

Espaço aproveitado  

O apartamento - que parece suprir todas as necessidades de um homem multifunções do século 21 - tem apenas 51 m². A reforma custou cerca de US$ 150 mil e o imóvel ficou com aspecto luxuoso, mas seu dono não cresceu em berço de ouro.

  • Um dos elementos mais fascinantes do apartamento de Frank Carfaro é a parede de gesso do living, com acabamento desgastado

Carfaro foi criado em Long Valley, no estado norte-americano de Nova Jersey, onde seu pai trabalhava com ornamentos de ferro e sua mãe atuava como enfermeira residencial. As finanças da família nunca foram estáveis, mas o designer se mostrou ambicioso desde criança. “Eu era um garoto faz-tudo”, relembra.

Se alguém lhe pedia para pintar as vigas de uma casa, ele acabava por passar tinta no imóvel inteiro. O pai lhe ensinou a trabalhar com o ferro ornamental, mas, na área do design, Carfaro é autodidata. 

Ele estudou design e arquitetura por um ano na Universidade de Grenoble, na França, mas, durante esse tempo, esteve mais interessado em esquiar nos Alpes do que em se dedicar aos livros.

O apartamento de Manhattan foi comprado há cerca de dois anos, por US$ 585 mil. O lugar estava bem conservado, mas o designer queria criar um ambiente de acordo com seus gostos. Então, removeu muitas paredes e, com isso, conseguiu criar mais 25 m² de área útil.    

A cozinha ficou totalmente aberta e a parede que separava o quarto do living foi substituída por uma estante que abriga, em sua base, uma bela lareira abastecida a etanol.

No quarto, uma cama modular desenhada pelo próprio Carfaro, conta com unidades de armazenamento dispostas em redor da cabeceira recoberta por um couro rugoso.

Um dos elementos mais fascinantes do apartamento, porém, é a parede de gesso do living na qual estão fixados objetos de significado especial para o morador: um mapa do metrô de Londres (cidade onde ele morou por um tempo), velhas iscas de pescar e a imagem de uma garota usando um chapéu-coco ("ela parece ser uma pessoa interessante", justifica o designer).    

A parede, de aspecto desgastado, e criada pelo designer Jodi Cohan, foi inspirada no ambiente envelhecido da casa do fonoaudiólogo do filme “O Discurso do Rei”. “Era possível ver a história do edifício [no qual morava o personagem] naquelas paredes”, observa Carfaro.

- "E aquele crânio de touro com enormes chifres pendurado na parede?", pergunto. 

- “Eu o comprei uma loja do Colorado”, conta o entrevistado. “Adoro objetos que remetam à aventura. Começo a imaginar como esse animal viveu e quem cuidava dele. Esse crânio me leva a um tempo no qual eu gostaria de ter vivido”.

- "E este grande remo colocado ao lado do crânio?", por fim observo.

“Eu adoro praticar 'stand-up paddle'. É um esporte novo: você fica em pé sobre uma prancha e começa a remar. Eu acabo de participar de uma corrida de quase 40 km ao redor de Manhattan e me dei bem, fui o 12º colocado da minha categoria”, conclui o morador.

Tradutor: Marcel Vincenti

Topo