Projetos

Casa nos EUA é construída pelos próprios donos com madeiras "herdadas", musgo e argila

Randy Harris /The New York Times
Casa na Louisiana é construída pelos próprios donos - e seus amigos - através de técnicas antigas cajun imagem: Randy Harris /The New York Times

Michael Tortorello

Do The New York Times, em Arnaudville, Louisiana (EUA)

Arnaudville, Louisiana – Louis Michot poderia ter construído sua casa sem jamais ter viajado até o pântano de Louisiana para buscar 250kg de barba-de-velho (musgo espanhol) dos carvalhos. Mas o plano – e Michot adora manter uma relação aberta com planejamentos – era construir a parede do lado sul da casa usando uma mistura dessa planta e lama (argila). Os mais antigos chamavam este método de construção acadiana (região que atualmente compreende parte do Canadá, de colonização francesa) de “bousillage”, um primo campestre da taipa. Ashlee Michot, esposa de Louis, salienta “era comum, todos sabiam como fazer isso.”

Pelo menos o era nos anos 1800. Nascido alguns anos depois (em 1979, para ser mais preciso), Michot é rabequista e líder de uma animada banda de rock cajun, os Lost Bayou Ramblers. E não sabia como construir uma parede “bousillage” - ou construir qualquer outra coisa - quando resolveu fazer sua propriedade em um campo de batata doce. “Antes, a única coisa que eu havia construído era uma gaiola de coelhos”, conta Michot, “para um coelho só”.

O rabequista foi adquirindo prática construtiva ao consertar as partes mais detonadas do trailer dos anos 1970 que foi sua casa por dois anos, no mesmo terreno da construção. “O trailer tinha umas plantinhas aéreas – bromélias – crescendo nas frestas das janelas.” “Passamos bons momentos naquele trailer”, relembra Ashlee, de 31 anos.

Agora é fácil para os Michot dizerem isso, sentados em frente a uma caçarola cheia de lagostins com seus dois filhos pequenos - Julien e Louis (Baby Lou) - em uma tarde de sexta-feira. A nova casa é uma obra de arte folk com ar-condicionado e Wi-Fi.  

Tradutor: Erika Brandão e Daiana Dalfito (edição)

Topo