Construção e reforma

Reforma sem quebra-quebra: renove os ambientes da sua casa sem dores de cabeça

Divulgação
As arquitetas Giselle Macedo e Patrícia Covolo reformaram um quarto de casal sem serviço de alvenaria imagem: Divulgação

Rosangela de Moura

Do UOL, em São Paulo

É possível não enlouquecer ou ter de se mudar durante uma reforma. A transformação dos ambientes pode ser feita sem o quebra-quebra associado a bagunça, poeira, móveis fora de lugar, cheiro de tinta e um cenário de destruição. O segredo é escolher os materiais corretos e organizar a instalação.

Contar com a ajuda do profissional que fez o projeto da casa ou do apartamento pode ser o primeiro passo para que a reforma não se transforme em um pesadelo, explica a arquiteta Renata Basques. “A maioria das reclamações dos clientes se refere à mão de obra e aos fornecedores. Ao optar por profissionais acostumados a trabalhar com o arquiteto que idealizou o projeto e que, agora, vai acompanhar a obra, o cliente tende a ganhar mais disponibilidade e interesse por parte dos prestadores de serviço e, acima de tudo, expertise sobre a parte elétrica e hidráulica da residência”.

Piso

Quando a alteração não é estrutural, mas apenas superficial, trocas de revestimento de paredes e pisos costumam encabeçar a lista de problemas e tiram o sono de muita gente. A arquiteta Maithiá Guedes sugere como recurso o assentamento de um novo piso sobre o antigo usando uma argamassa especial.

“Existem porcelanatos de 3 mm de espessura que não interferem no nível de um cômodo para outro e nem na altura das portas”, esclarece Guedes. Outra dica da profissional é o piso flutuante, que cobre o já existente sem transtorno nenhum, “o material fica suspenso, fixado por encaixes entre as réguas e pode ser aplicado sobre cerâmica, pedra, concreto, desde que a superfície seja regular e esteja limpa e sem umidade”.

Por sua vez, a arquiteta Claudia Pina sugere o uso de piso vinílico, opção escolhida por ela para recobrir os tacos de madeira antigos em um quarto de criança. “O piso de PVC com fibra de vidro tem aspecto bem realista de madeira de demolição e vem com sistema ‘clique’, que encaixa uma peça na outra. É fácil de limpar e o ambiente pode ser usado no mesmo dia da instalação”, defende.

Ainda nesse projeto, Claudia preferiu usar papel de parede à tinta. E, no lugar da cabeceira da cama, instalou laminado sobre estrutura pronta de sarrafo de madeira e grapas metálicas, garantindo um bom resultado visual e facilidade quanto à manutenção.

Azulejos

Para quem tem uma cozinha ou banheiro com azulejos velhos e não quer -ou não pode- retirá-los, a arquiteta Fabiana Cavalcanti indica a pintura epóxi, desde que executada por um pintor habilitado. “A aplicação não é difícil, mas requer paciência, uniformidade e, principalmente, seguir as instruções da embalagem”, cita. Cavalcanti salienta que são necessárias duas ou três demãos de tinta, com intervalos de 12 horas entre elas, e que o processo deve ser realizado sobre superfícies limpas e secas.

Além da pintura e assim como no caso dos pisos, outra solução é instalar os novos azulejos sobre os existentes. Há no mercado modelos exclusivos e até personalizados. Para uma intervenção com rápida execução é ainda viável a aplicação de papel de parede ou plotagens de fotos sobre a azulejaria. “Esse recurso garante renovação ágil e evita transtornos como o excesso de sujeira, odores e barulhos. Cômodas e de fácil manejo, as intervenções previstas podem ser conciliadas com a rotina dos moradores”, ressalta Cavalcanti.

Na mesma linha das plotagens e papéis de parede (que possuem acabamento vinílico resistente à água) estão os adesivos. Comumente aplicados sobre paredes finalizadas por reboco e tinta, para dar um ar diferente e personalizado à decoração, os padrões colantes ganharam versões com encaixe perfeito para a azulejaria de diversas proporções. No mercado de decoração há modelos com variações que podem ser usadas como detalhes -em barrados, por exemplo- ou para formar painéis e paredes completas.

Reforma completa

Por fim, se a reforma vai ser grande e a maior preocupação é com os móveis da casa, uma boa dica é usar os serviços de um guarda-móveis em lugar de amontoar as peças em um dos ambientes. Essa iniciativa garante a integridade de objetos e superfícies mais delicadas.

Porém, se não há a possibilidade de deslocar a mobília, cubra-a com tecidos e, após a reforma terminar, aproveite para dar aquele trato na madeira e lavar ou trocar os tecidos das peças.

Topo