Decoração de ambientes

Espelhos d'água conferem tranquilidade e refrescam

Divulgação
No projeto de Affonso Risi para uma residência, o espelho d'água foi instalado no espaço sob a escadaria de concreto, construída em balanço (ou seja, sem apoios). Além de ocupar uma área ociosa, o espelho d'água colabora na articulação dos trajetos pelo pátio imagem: Divulgação

Marina Oliveira e Thaís Macena

Do UOL em São Paulo

Ter dentro de casa um espaço que inspire bem-estar, serenidade e ainda torne o ambiente mais bonito e acolhedor. Gostou da ideia? Ela casa perfeitamente com o seu desejo de começar 2013 num ritmo um pouco menos acelerado? Pois então optar pela instalação de um espelho d’água é uma excelente pedida.

 “Os espelhos d’água reúnem inúmeras vantagens. Além de deixarem o ambiente muito mais interessante, eles também refrescam áreas quentes e secas”, afirma a professora do curso de design do Senac, Larissa Longatto Fonseca.
 
Como se não bastasse, trata-se de um elemento paisagístico que possibilita um contato mais próximo com a natureza e que se adapta perfeitamente a espaços urbanos e contemporâneos. Por fim, esses lagos artificiais são exclusivos. “Os espelhos d’água podem ser construídos com pedras de montanhas e plantas, mas também ter bordas retas e modernas”, exemplifica a paisagista Erly Hooper. “A minha única recomendação é que, para funcionar como um pequeno oásis, a área tenha ao menos três metros quadrados”, acrescenta.
 

Planejamento evita dores de cabeça

Apesar de ser um elemento paisagístico de estrutura simples, toda a construção do espelho d’água necessita de planejamento. Especialmente quando a obra não foi prevista no projeto arquitetônico inicial da área. “O primeiro passo é chamar um engenheiro para analisar o terreno e garantir que o solo aguentará a sobrecarga de peso causada pela água”, explica o paisagista Eduardo Luppi. Em alguns casos, poderá ser necessário reforçar o piso antes de iniciar a instalação do espelho.
 
O lago artificial pode ser feito de duas formas: em desnível em relação ao piso, quando é cavada uma abertura no solo para receber a água, ou, então, montado sobre o terreno existente, com paredes de alvenaria. “Por serem estruturas decorativas, os espelhos d’água não precisam ter grande profundidade. O mais comum é que variem entre 20 cm e 50 cm”, diz Larissa Fonseca.
 
Na obra, é necessário prever pontos de água, luz e dreno. Dependendo das dimensões do projeto, também será preciso reservar um local para a casa de máquinas. Feito isto, a estrutura será montada, com ferro e concreto. O próximo passo será a impermeabilização do local, o que deve ser feito por empresa especializada, para minimizar o risco de vazamentos. 
 
Espelhos d´água também precisam de equipamentos para funcionar, como os filtros e a bomba de circulação. O primeiro retira os resíduos do meio, para manter o ecossistema equilibrado, enquanto a bomba garante a movimentação, para afastar mosquitos que se proliferam em água parada (entre eles o transmissor da dengue).
 
O custo e o tempo de duração da obra dependerão do tamanho do projeto e do acabamento escolhido. “Duas semanas é um período bem razoável para executar um espelho d’água de 4 m por 2 m, com 0,5 m de profundidade,”, calcula Eduardo Luppi. O preço final da obra pode variar entre R$ 7.000 e R$ 10.000.
 

Peixes e plantas dão vida

Revestimentos e acessórios entrarão na etapa final da construção, para deixar o espelho d’água do jeito que você imaginou. E é possível escolher entre pastilhas de cerâmica e vidro, pedras ou simplesmente pintar a estrutura de alvenaria. Na parte externa, mármore ou granito são boas opções, desde que estejam devidamente preparados para receber a umidade. 
 
Espécies de plantas e animais também fazem parte da decoração. Carpas, kinguios e cascudos são espécies de peixes que vivem bem neste tipo de ambiente. Estes últimos ainda ajudam a limpar as laterais e o fundo do espelho d’água. 
 
Quando se trata de plantas, as mais utilizadas são a vitória-régia, a flor-de-lótus, o alface d´água, o papiro e a ninfeia. “Animais e plantas podem conviver bem desde que não sejam predadores entre si. Só é preciso ter cuidado ao escolher as plantas de acordo com a quantidade de iluminação que o espelho d’água terá. Algumas precisam de mais luz para sobreviver”, alerta Larissa Fonseca, do Senac.
 
Vale lembrar que espelhos d’água com espécies vivas naturalmente demandam mais tempo para a sua manutenção. “Peixes não aceitam cloro, nem os algicidas de piscinas”, avisa Erly Hooper. Nesse caso, o recomendado é instalar filtros biológicos, que usam uma bactéria para a limpeza local. Também será necessário repor a água evaporada com mais frequência, além de estar atento ao PH do líquido. E claro, os peixes também precisam ser alimentados. 
 
“Se não há seres vivos, a água pode ser tratada como a de uma piscina, com filtro de areia e a adição de produtos químicos”, diz Luppi. Para facilitar a vida, já existem sistemas de automação que dão conta de realizar todos esses processos, acionando cada equipamento no horário correto. “Existem até alimentadores automáticos que oferecem a quantidade de ração programada aos peixes em horários agendados previamente”, diz o paisagista. Com tanta facilidade, a proposta de ter em casa um espelho d’água fica ainda mais tentadora. 
Topo