Vida em casa

Fazer uma faxina geral em casa ajuda a renovar a vida

Thinkstock
A cozinha merece atenção especial porque é um dos cômodos onde tendemos a acumular objetos imagem: Thinkstock

Marina Oliveira e Rita Trevisan

do UOL, São Paulo

Virar a folha do calendário e ter um ano novinho em folha pela frente ajuda a retomar o fôlego para correr atrás das metas e deixar de lado tudo o que não serve mais. Para aproveitar ainda mais esse processo, a pedida é fazer uma limpeza daquelas em casa. Desfazer-se de móveis e objetos que não têm utilidade ou não combinam com o seu estilo de vida é libertar-se de um passado que não faz mais sentido e abrir espaço para o novo.  Na casa e na vida.

Segundo o Feng Shui, a técnica milenar chinesa de harmonização de ambientes, este é o primeiro passo para a renovação. "Ao eliminar excessos, melhoramos o fluxo de energia no ambiente. Realizar uma grande limpeza em casa, pelo menos uma vez por ano, é excelente para atrair bons fluidos", afirma o arquiteto e professor de Feng Shui, Sérgio Carillo.

É claro que nem sempre é fácil desfazer-se de itens pessoais que carregam um pouco da história de vida dos donos. "Objetos são impregnados de significados. A caixinha de recordações ou o arquivo do computador com fotos e filmes, até certo ponto, servem de apoio para a memória afetiva e trazem a lembrança do que foi vivido", explica a doutora em psicologia clínica Liliana Liviano Wahba, professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Muitos destes itens estão ligados a momentos de prazer e alegria. Como estamos sempre em busca da felicidade, abrir mão daquilo que nos faz lembrar bons momentos pode ser doloroso. Mas em vez de celebrar a recordação, acumular mais objetos do que o necessário funciona como uma espécie de âncora, impedindo a pessoa de seguir adiante. Isso os especialistas garantem.

Além disso, o desapego pode levar à reflexão e à adoção de um novo estilo de vida, muito mais simples. "Ao reavaliar o que possui, a pessoa se abre para a possibilidade de viver com menos e acaba repensando o que ela realmente precisa para ser feliz", defende a psicóloga Maria Alice Fontes, doutora em saúde mental pela Universidade Federal de São Paulo.

Nem tudo vai para o lixo comum! Confira o que fazer com cada item:

Thinkstock
Remédios: por serem altamente contaminantes, eles precisam de um descarte apropriado. Grandes redes de farmácia, em geral, recebem remédios vencidos. Caso não conheça nenhuma em sua cidade que faz esse serviço, a alternativa é procurar por postos municipais de saúde que, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), são obrigados a receber esses materiais. Os medicamentos que estiverem dentro da data validade e bem conservados também podem ser doados para instituições de caridade.

Eletrônicos: estes equipamentos possuem metais pesados em sua composição que, em contato com o solo, podem contaminar o lençol freático e interferir na qualidade da água. Por isso, o ideal é encontrar pontos de coleta de lixo eletrônico na própria cidade. Caso não exista, uma alternativa é recorrer às cooperativas de catadores de lixo espalhadas por todo o Brasil. Algumas lojas que consertam este tipo de equipamento também aceitam doações, pois reaproveitam seus componentes.

Pilhas e baterias: alguns bancos, farmácias e supermercados já recebem pilhas usadas. Baterias de celulares e aparelhos antigos podem ser entregues nas próprias operadoras onde foi feita a compra ou nas lojas de assistência técnica.

Por onde começar
A primeira coisa a fazer é dar uma olhada geral nos ambientes. "Objetos quebrados e fora de uso devem ser descartados primeiro", ensina a personal organizer Ana Afonso. Depois, os aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos; como fazem um grande volume, o ideal é conservar só os que são usados regularmente, além de estarem em perfeito estado, é claro. "É importante levar em conta que aquilo que não vale mais para você pode fazer uma diferença enorme na rotina de outra pessoa", afirma.

De acordo com a consultora de organização Eliete Teixeira, cortinas e tapetes também devem ser alvo de uma inspeção rigorosa. "Conforme o tempo passa, as fibras do tecido envelhecem, perdem a coloração e acabam não cumprindo mais a função decorativa. Passam a servir apenas para acumular pó", diz.  

Nessa faxina anual, além de se livrar dos móveis e objetos que não são mais úteis, procure pensar em maneiras de facilitar a sua rotina. Eliete Teixeira defende que se deve considerar a questão prática. "Algumas pessoas têm mania de colocar tapetes pela casa toda. Só que a manutenção deles é supertrabalhosa",diz.

Além das peças que serão doadas ou simplesmente descartadas, organize as que necessitam de conserto. Acondicione-as em uma caixa à parte e, se possível, coloque-as no carro imediatamente. Assim, na próxima vez que sair, você dará um jeito de levá-las ao local correto e vai parar de adiar indefinidamente essa providência.  

Alguns cômodos exigem mais atenção
A cozinha é um ambiente onde costumamos acumular utensílios. Pratos e talheres são um exemplo. "Se a pessoa não está acostumada a receber muitas visitas, não tem porque ter três ou quatro jogos de jantar e diversos faqueiros. Um para o uso diário e outro para ocasiões especiais é o suficiente", garante Eliete.

O escritório é outro território propício à desorganização. Ali é preciso vasculhar as gavetas e jogar fora agendas antigas e desatualizadas, organizar contas e recibos em pastas, checar canetas e blocos de anotações. E também tem o acúmulo de livros. "O que já foi lido e não é de consulta ocasional pode e deve ser repassado, até para abrir espaço para títulos novos", aconselha a organizadora Ana.

Descarte consciente
Depois de selecionar tudo o que não quer mais, é preciso considerar o destino final desses objetos. Os itens em bom estado podem ser doados ou oferecidos às pessoas próximas, amigos e familiares. Outra opção é tentar vender ou trocar por meio de redes sociais e sites especializados. "Mas é preciso estabelecer um prazo máximo para a venda. Esperar mais do que 15 dias já é arriscado, porque depois desse tempo você se acostuma com aquele item novamente e ele volta a fazer parte da decoração", diz consultora Eliete.

Se a escolha for doar, instituições de caridade recebem praticamente tudo: móveis, eletrodomésticos, jogos de cama, cozinha e roupas. Muitas delas fazem, inclusive, a retirada do material. "O consumidor consciente sempre pensa na reutilização dos produtos. Muitas casas assistenciais renovam móveis e até consertam eletrodomésticos para repassar a seus assistidos", afirma o coordenador de conteúdo do Instituto Akatu, Estanislau Maria.

Serviço:
Mercatudo, das Casas André Luiz: o bazar da instituição retira doações em casa com hora marcada em toda a Grande São Paulo, região de Campinas e Sorocaba (SP). Tel.: (11) 2459-7000 e 0800 773 4066

Bazar Samburá, do Lar Escola São Francisco: o bazar da instituição retira doações em casa com hora marcada, mas atende apenas à capital paulista. Tel.: (11) 5098-7899

Exército da Salvação: presente em 120 países, a entidade agenda retirada de doações por telefone e pelo site. Atende Grande São Paulo e Baixada Santista, além das cidades do Rio de Janeiro (RJ) e Joinville (SC) Tel.: (11) 4003-2299

Peguei bode: indicado para quem quer se livrar de peças de luxo. Os itens mais comercializados são roupas, acessórios e eletrônicos

Enjoei: intermedeia a venda de roupas, acessórios, itens de decoração, eletrônicos e tudo mais o que os vendedores estiverem cansados de olhar e usar

Estante virtual: reúne sebos de todo o Brasil para quem estiver interessado em vender livros usados

OLX: publica classificados de móveis, eletrônicos, eletrodomésticos, itens de decoração e instrumentos musicais, entre outros itens

Mercado Livre: espécie de classificado em que se vende de tudo, desde antiguidades a brinquedos, passando por eletrônicos, móveis e até roupas

Topo