Decoração de ambientes

A beleza da luz: escolha o pendente ideal e valorize o espaço

Guinter Parschalk/Divulgação
Na sala, a arquiteta Denise Barretto optou por um conjunto de pendentes da Lumini sobre a mesa lateral imagem: Guinter Parschalk/Divulgação

Karine Serezuella

Do UOL, em São Paulo

Pendentes são muitas vezes associados a luminárias sustentadas por fios e detentoras de design moderno, perfeitamente aplicável aos ambientes contemporâneos. No entanto, a variedade de materiais e desenhos das cúpulas permite a aplicação deste artigo decorativo em espaços com estilos distintos (clássico, rústico, despojado, intimista ou sofisticado). Para não se perder nesta abundância de opções, confira as indicações dos especialistas e escolha o pendente que vai virar a peça curinga na sua casa.

Ilumina e decora

Saber como optar pelo pendente ideal pode fazer uma grande diferença no ambiente. Apesar de ser um elemento essencialmente decorativo, deixando o cômodo ainda mais bonito, não esqueça de que sua função é iluminar. “Conforme o modelo poderá emitir luz difusa, radiante ou focada para cima ou para baixo, cada projeto irá demandar a necessidade e a intenção de uma iluminação específica”, explica a arquiteta Denise Barretto. De qualquer modo, ressalta a profissional, o pendente funciona muito bem como ponto focal no espaço.

Mas onde instalar?

Embora muito indicado e usado sobre a mesa central ou lateral de salas de jantar, o pendente ou o conjunto deles pode ser instalado em qualquer ambiente: salas de estar, quartos, lavabos, varandas, escritórios e halls.

Abaixo, o UOL Casa e Decoração reuniu as dicas de instalação dadas pelas arquitetas Denise Barretto e Marina Bonini, pela gerente de relações comerciais da Bertolucci - marca especializada em luminárias - Elaine Rodrigues e pela lightdesigner da Wall Lamps, Thais Matsouka.

- Antes de escolher o estilo da luminária, defina qual a necessidade de iluminação no ambiente onde a peça será colocada. Pense no efeito geral que se quer criar com a luz emitida. “Um pendente revela o espaço que o contém e o seu efeito pode ser de valorização ou, se aplicado equivocadamente, de total anulação deste espaço, pela criação de sombras indesejáveis”, afirma Barretto.

- Preste atenção na proporção e interferência do elemento em relação aos móveis e objetos do ambiente. Sempre o instale a uma altura que não obstrua o campo de visão das pessoas. Ainda sobre a medida vertical da luminária, Matsouka aconselha: “deixe-a no mínimo a 20 cm do teto, porque sem esta distância mínima, todo o charme da peça é perdido”.

- Saiba que o material de que a cúpula é feita (tecido, metal, fibra natural, por exemplo) também influencia na luminosidade do local, por isso, seja cuidadoso ao optar por determinado modelo.

- A instalação deste tipo de luminária de modo geral é simples. Basta prender a base para afixação da luminária no ponto elétrico central, fazer a conexão dos fios e regular o cabo que suspende a peça. Entretanto, use sempre equipamentos de segurança, não faça substituições e siga as instruções do fabricante para a montagem e aplicação da peça. Não se esqueça de levar em consideração a especificação das lâmpadas, em especial o limite de potência a ser obedecido.

- Quando o pendente for colocado sobre uma mesa com tampo de vidro, cuide para que o modelo de luminária tenha difusor para evitar o reflexo direto e intenso.

Rodrigues oferece uma solução à combinação "superfície de vidro + pendente": escolha uma luminária com cúpula de tecido que funcione como difusor e posicione-a a uma distância de 80 cm do tampo da mesa. “Com essa composição a luz torna-se suave e as pessoas conseguem permanecer no espaço por longos períodos de modo aconchegante e confortável”.

- Mais alternativas de uso: como substituto de um abajur, use um pendente sobre a mesa de canto em uma altura mais baixa, bem próxima ao móvel. A luminária também pode ser aplicada logo acima de bancadas em lavabos, nos cantos de varandas como lanternas ou no centro do ambiente para uma iluminação geral.

- E no quarto, cabe este tipo de peça? Para Bonini, nos dormitórios, uma ótima indicação é usar nas laterais da cama, próxima à cabeceira, proporcionando um foco pontual, ideal para aquela leitura agradável, antes de dormir.

Cada estilo, um pendente

A escolha do modelo de pendente depende diretamente do estilo da decoração. Para aqueles que gostam de uma paginação mais clássica, mas não desejam optar por um lustre, o pendente é boa alternativa. Para ambientes clássicos, a sugestão são os com cúpulas fabricadas em cristal, vidro, cobre ou - ainda - tecidos mais nobres como a seda ou o linho.

  • Sergio Israel/ Divulgação

    Projetada por Maurício Karam, a sala de jantar, de estilo clean e clássico, conta com pendente em seda azul turquesa (Lustreco)

Por sua vez, para aqueles perfis contemporâneos, existe uma gama enorme de opções de luminárias nacionais e importadas, feitas de materiais variados como alumínio, aço inoxidável, tecido e acrílico. Arranjo bastante adotado em projetos de decoração, os jogos de pendentes que agrupam luminárias em um mesmo ponto está em alta.

Tais arranjos podem ser criados com cúpulas diferentes, brincando com a altura e volume ou peças idênticas na forma e na disposição. “Só é preciso ter cuidado com as dimensões e as cores para manter a harmonia na composição”, alerta Bonini.

Rodrigues elenca modelos que garantem um décor moderno: grandes cúpulas levemente cônicas, de tecido estampado, de duas cores; pendentes com formas orgânicas em alumínio, pintado com mais de uma cor; ou então compostos em fibra de vidro com formatos geométricos.

Para ambientes com um ar rústico, há no mercado as luminárias estruturadas em diferentes fibras naturais - como a taboa -, além de outras em madeira, tecidos com tramas mais abertas e de fios mais grossos, rendas típicas, entre outros materiais. Neste caso, vale dar preferência aos produtos artesanais.

Para espaços descontraídos, porém, invista em peças de cores marcantes e design inusitado, podendo até dispor a luminária como uma escultura.

Agora se a intenção é proporcionar ao local um clima intimista, se atente a luz gerada, que deve ser amarelada e de pouca intensidade. “Prefira as luminárias com lâmpadas incandescentes, porque, por mais que os LEDs ou as fluorescentes emitam a luz quente, o efeito nunca é o das lâmpadas de filamento que se assemelham à luz de velas”, explica Barretto.

Cuidados com a limpeza e manutenção

A lighdesigner Thais Matsouka diz que a recomendação geral para limpeza do pendente é a remoção de pó com utilização de flanelas de algodão. 

Em determinadas luminárias de vidro, também é possível remover a cúpula e lavá-la com água morna e detergente neutro. Para algumas cúpulas de tecido, o uso de aspirador de pó e escova acessória é permitido. Mas para saber como exatamente limpar a luminária sem danificá-la, não deixe de ler as instruções do fabricante.

Topo