Vida em casa

Além de decorar, aquários trazem paz aos ambientes; monte o seu

Marina Oliveira e Thaís Macena

do UOL, São Paulo

Mais do que tornar o ambiente bonito, um aquário em casa pode ajudar a estabelecer a calma, já que amplia o contato com a natureza. Além disso, o aquarismo pode virar um hobby e ser promovido à atividade terapêutica. Isso porque, enquanto cuidamos dos bichos e plantas que vivem ali, acabamos deixando para segundo plano tantos outros problemas. 

Para quem se anima com a ideia de montar o seu primeiro aquário, a orientação é começar com um tamanho pequeno, de capacidade para 40 litros.  "Neste espaço é possível acomodar de três a quatro peixes de até cinco centímetros cada", explica o aquarista Marne Campos, do portal Aquarismo Online. As espécies espadinha, plati e paulistinha são as mais indicadas aos aquaristas inexperientes. "Além de conviverem bem, esses peixes são coloridos e resistentes", afirma. 
 
Ao escolher os peixes, também é preciso considerar a faixa de pH da água do aquário, que pode ser alcalina ou ácida. Por isso, a recomendação é fazer o teste meio de produtos vendidos em lojas especializadas na hora de montá-lo e só a partir daí escolher as espécies adequadas às condições locais. "A mistura de algumas espécies é permitida, desde que se respeitem as faixas de pH e a compatibilidade de territórios. Alguns peixes, quando colocados em contato com outros mais dóceis, atacam", alerta Bruno Fernandes, gestor da linha de aquarismo do Pet Center Marginal, em São Paulo. 
 
Equipamentos necessários
Os aquários de água doce também são os mais recomendados para iniciantes, já que necessitam de menos equipamentos para funcionar. Os itens básicos são filtro, termostato, termômetro, lâmpada e objetos decorativos como pedras, cascalhos e plantas artificiais ou naturais.  
 
O filtro é responsável por manter a qualidade da água. "O ideal é o modelo hang-on, que fica pendurado atrás do aquário e, além de filtrar, também movimenta a água e gera oxigênio para os peixes", indica o aquarista Sergio Bordin, sócio da loja Aquaricamp, em Campinas (SP). A recomendação é que o equipamento tenha vazão mínima de cinco vezes a capacidade do aquário. Ou seja, para um aquário de 40 litros, o filtro deve ser capaz de filtrar 200 litros de água por hora. 
 
Enquanto o termômetro indica qual é a temperatura ideal, o termostato tem a função de mantê-la constante. Isso é fundamental, uma vez que as variações de calor e frio estão entre as maiores causadoras de doenças nos peixes. "O ideal depende das espécies que estão no aquário. Na maior parte dos casos, 28º C são uma medida bastante razoável", recomenda Fernandes. A regra do termostato é de 1 watt por litro, o que significa que num aquário de 40 litros é necessário um modelo com potência de 40 watts. 
 
A iluminação é responsável por criar a sensação de dia e noite para os peixes e deve ser feita por lâmpadas específicas para aquários, encontradas em lojas especializadas. "Elas se diferenciam pelas cores. As azuis são ideais para peixes marinhos, enquanto a rosa é indicada para kinguios, espadas e platis. Já a branca é usada em aquários de peixes tropicais", exemplifica Fernandes. 
 
Cascalhos no fundo do aquário não são só decorativos, como ajudam a filtrar a água e a fixar plantas. "As plantas naturais aumentam a população de microfauna que serve de alimento para os peixes, porém é importante mantê-las saudáveis. Caso contrário, elas podem morrer e poluir a água", diz Campos. Algumas espécies fáceis de cuidar são vallisneria, rabo de raposa e elódea. Além da função estética, os enfeites funcionam como esconderijo para os peixes se sentirem seguros. "Aqueles feitos em resina ou silicone são os mais indicados, porque não afetam a qualidade da água", aponta Bordin. 
 
Manutenção
A cada quinze dias, é preciso dedicar ao menos uma hora para a limpeza do aquário. Neste processo troca-se cerca de 30% da água, que deve ser a da torneira, mas tratada com condicionadores instantâneos, que eliminam o cloro do líquido e são vendidos em lojas especializadas. "A temperatura e o pH da água da troca devem ser os mesmos do aquário principalv, reforça Bordin. 
 
Durante a manutenção, também é fundamental limpar vidros que estejam com aspecto esverdeado e retirar as folhas que se soltaram das plantas. Já a limpeza do filtro pode ser feita uma vez por mês, para garantir a eficácia do equipamento. 
 
Quanto ao melhor posicionamento do aquário, a orientação é que seja um local com pouca iluminação e sem exposição direta ao sol. "Com a incidência dos raios solares, há grandes chances dos vidros ficarem esverdeados rapidamente, o que dobra o trabalho nas manutenções", justifica Campos.
Topo