Vida em casa

Bons animais de estimação, galinhas dão clima bucólico à casa

Thinkstock
As galinhas devem ser criadas em grupos de no mínimo três e nunca sozinhas; a presença de um galo não é obrigatória. Uma galinha saudável e bem tratada pode viver até 15 anos imagem: Thinkstock

Marina Oliveira e Rita Trevisan

Do UOL, em São Paulo

Quem gosta de animais e sonha em viver em um ambiente mais rural, pode satisfazer um pouco dessa vontade criando galinhas em casa. “Em pequena quantidade e com estrutura adequada, é possível manter um galinheiro no perímetro urbano”, diz o veterinário Fernando Augusto Curvello, diretor do Instituto de Zootecnia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 

Durante o período de maior produção, no primeiro ano de vida, a galinha costuma por um ovo por dia. “Este tipo de criação permite o consumo de um produto muito melhor do que os comprados fora, pois quanto maior o tempo de estocagem, menor a qualidade do produto”, diz Curvello. Mas para garantir o bem-estar do animal, assim como um ovo próprio para o consumo, é preciso que esta criação seja feita de maneira adequada. Em geral, uma galinha saudável e bem tratada pode chegar a viver 15 anos. 
 

Como montar o aviário

Galinhas precisam de um abrigo onde possam descansar e se alimentar, além de se proteger do tempo e dos predadores. A estrutura deve ser bem ventilada e precisa ter espaço suficiente para acomodar as aves, no máximo oito por cada metro quadrado. “O ideal é montar um aviário com telhado e muretas com altura de 40 a 50 centímetros; o espaço entre a mureta e a cobertura pode ser fechado com tela plástica, as mesmas usadas em varanda dos apartamentos”, ensina o zootecnista Edivaldo Antônio Garcia, professor de Zootecnia da Unesp de Botucatu. Para controlar a entrada excessiva do sol, correntes frias de ar e chuva, é importante instalar cortinas plásticas sobre a tela, que possam ser manejadas conforme a necessidade. 
  • Thinkstock

    Esquema de um quintal com galinheiro. Parte da cobertura e fechamento lateral do abrigo foram removidos para mostrar o interior da habitação para as aves, que deve conter comedouro, bebedouro e ninhos; poleiros são desejáveis. É importante que toda a área seja fechada por telas ou sebes

Dentro do aviário, é preciso providenciar um comedouro e um bebedouro para as galinhas, além de bocas onde elas possam chocar os ovos, estruturas feitas de madeira, como pequenos caixotes abertos na frente. “Um ninho para cada quatro galinhas é o suficiente, já que nem todas o utilizarão ao mesmo tempo”, explica Curvello. O veterinário explica que cada um deve ter 0,35 cm por 0,35 cm e eles devem estar a pelo menos 40 centímetros de altura do solo. 
 
As bocas devem ser revestidas com cinco a dez centímetros de maravalha (aparas ou lascas de madeira). O mesmo material pode ser usado para forrar o chão do aviário. “Além de proporcionar conforto para as aves se deitarem, a maravalha absorve a umidade das fezes e vai evitar o aparecimento de ferimentos nos pés das galinhas”, acrescenta Edivaldo Garcia. Capim seco, casca de arroz e sabugo de milho triturado também podem ser usados com a mesma finalidade. 
 
A higiene do ninho deve ser feita no mínimo uma vez por semana. “Basta retirar a sujeira das fezes, limpar com desinfetante e, depois de seco, colocar um novo revestimento no local”, ensina Garcia. Já o material que cobre o chão do galinheiro só precisa ser trocado quando estiver úmido ou no período máximo de um ano.
 

Área de passeio

Quando há espaço disponível, os especialistas recomendam a delimitação de uma área onde as galinhas possam andar e se exercitar, revestida com grama. O cálculo, neste caso, é de três a cinco metros quadrados por ave. “A criação deste espaço ajuda a economizar na quantidade de ração diária, já que elas também vão se alimentar da grama”, observa Curvello. 
 
A proteção com telas também deve estar presente nesta área, tanto em cima quanto ao redor. As muretas ajudam a reforçar a proteção contra o ataque de predadores como cães, gatos, ratos, gambás, furões e cuícas, além de carcarás e gaviões.  
  • Thinkstock

    No interior do abrigo, o piso deve ser forrado com maravalha, que absorve a umidade das fezes e evita ferimentos nos pés das galinhas. Capim seco, casca de arroz e sabugo de milho triturado também podem ser usados. Esse revestimento só precisa ser trocado anualmente, ou se ficar úmido

Alimentação

Galinhas devem receber ração específica para aves, que precisa ficar disponível o tempo todo nos comedouros do aviário. “Uma ração bem balanceada é fundamental para que elas produzam ovos saudáveis. A dieta pode ser complementada com raízes, tubérculos, hortaliças e frutas”, diz o veterinário. Qualquer outro tipo de alimento não pode ser ofertado às aves, sob o risco de causar mal-estar ou doenças.
 

Como escolher as galinhas

As galinhas chamadas de caipiras ou coloniais e as poedeiras são as mais indicadas para a produção de ovos. O único cuidado é que estas já sejam adquiridas com idade entre 14 ou 15 semanas, quando estarão quase prontas para botar ovos, o que acontece por volta das vigésima semana. “Pintinhos exigem cuidados especiais, por isto, não são recomendados para quem está começando a criação”, diz Garcia. 
 
Ao adquirir a ave, é importante checar se ela já tomou todas as vacinas necessárias, o que vai garantir ovos apropriados para o consumo. “Para isto, é preciso buscar um fornecedor confiável. Lojas de produtos agropecuários ou que vendem suprimentos para avicultura costumam indicar”, diz o zootecnista. O ideal é que as galinhas sejam criadas em grupos de no mínimo três e nunca sozinhas. Ter um galo entre elas não é necessário, mas aumenta o bem-estar dos animais. 
Topo