Design

Festival em SP reúne design e arte em série de eventos simultâneos

Divulgação
A mesa Club Multiple, de Raphaël Charles, faz parte da mostra sobre design belga no MADE/ DW!, em SP imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

De 15 a 18 de agosto, museus, galerias, lojas, praças e outros espaços da cidade de São Paulo participam da segunda edição do Design Weekend (DW!), um festival urbano inspirado nas programações anuais de design de Milão e Londres. A proposta da série de eventos simultâneos é promover o design numa conexão direta com outras áreas como arte e arquitetura, além de negócios e inclusão social. 

Embora essa relação arte-design possa interessar ao público em geral, a gama de atividades (workshops, intervenções, lançamentos de peças, exposições, instalações, palestras) acaba se tornando uma forma de promoção para lojas e marcas, atraindo profissionais interessados em novidades e trocas comerciais. Uma parcela das atividades é gratuita, mas vale checar disponibilidades, horários e custos no site do festival antes de sair de casa.
 
De acordo a organização do DW!, 250 eventos acontecem durante os quatro dias do festival. Apesar do número expressivo, a programação se concentra em poucas (e majoritariamente ricas) regiões da capital paulista: alameda Gabriel Monteiro da Silva, avenida Paulista e nos bairros Vila Madalena, Pinheiros, Santa Cecília, Ibirapuera/Moema e Vila Nova Conceição.
 
Nomes repetidos, novas propostas
 
O DW! é uma oportunidade para conhecer de perto trabalhos de designs e artistas brasileiros e de outros países. Alguns nomes presentes na primeira edição, em 2012, retornam este ano, porém, com novas propostas. O belga Maarten de Ceulaer, que no ano passado foi um dos convidados do Fórum Internacional de Arquitetura, Design e Arte (BoomDesignSP), é um dos destaques - em 2013 - da exposição "A Poesia das Formas no Design Belga Contemporâneo". 
 
Parte da programação do MADE – Mercado de Arte, Design, Etc. (evento parceiro do festival) -, no Jockey Club de São Paulo, a mostra inédita no Brasil reúne ainda peças dos designers Bram Boo e Raphaël Charles. 
 
Em seus trabalhos, os belgas misturam humor, história e tecnologia a um toque artesanal como, por exemplo, na mesa de centro Club Multiple, formada por cilindros de madeira que, unidos por imãs, formam um mapa mutável. O projeto, criado em 2010 por Raphaël Charles, faz referência irônica ao seu país, historicamente fragmentado por conflitos políticos e culturais. 
  • Divulgação

    Projeto Zonas Verdes: espaços de lazer, que substituem vagas de estacionamento, são implantados nas ruas Amauri e Maria Antônia, em São Paulo, durante o festival DW!

Inovador como os belgas, o designer londrino Tom Price é conhecido por criar objetos do mobiliário que permeiam os campos do design gráfico e das artes visuais. Os visitantes do MCB (Museu da Casa Brasileira) podem rever a instalação “Meltdown”, apresentada na primeira edição do DW!. Porém, neste ano há um diferencial: o MCB promove uma palestra gratuita de Price, no dia 18 de agosto.
 
Artes
 
Os fardões e outras reproduções de obras de Arthur Bispo do Rosário foram reunidas no Shopping Lar Center e também compõem o calendário do DW!. As réplicas cenográficas foram concebidas para o filme “O Senhor do Labirinto” (2010), dirigido por Geraldo Motta e baseado no livro homônimo de Luciana Hidalgo. 
  • Divulgação

    Exposição Arthur Bispo do Rosário fica em cartaz no Lar Center, na zona norte da cidade

 
Bispo permaneceu internado por quase meio século em um hospital psiquiátrico e confeccionou suas peças num trânsito entre a realidade e o delírio. Seus trabalhos são marcados pela ludicidade ao criar, com materiais rudimentares, estandartes, bordados e objetos do cotidiano. Por sua vez, as reproduções da mostra foram produzidas por bordadeiras das cidades de Laranjeiras e Lagarto, ambas no Sergipe, além de artesão, presidiários e artistas do estado natal de Bispo.
 
Dentro das intervenções urbanas do festival, a artista plástica Catarina Gushiken faz uma pintura livre em seis painéis de MDF sobre um muro de oito metros por 12 metros, na Praça do Aprendiz, na Vila Madalena, a partir do dia 17 de agosto, às 16 horas. 
 
No mesmo espaço ao ar livre, durante a atividade intitulada "A Poética da Tradição", o dançarino Satoru Saito apresenta Ryukyu, dança típica da província japonesa de Okinawa, enquanto a paulistana define sua obra usando os tons de azul e as cores Caju, Pitaia e Vinho (tintas Eucatex). 
 
Serviço: Festival Design Weekend – DW!
 
Quando: de 15 a 18 de agosto de 2013 – das 10h00 às 20h00
Curadoria: Pedro Ariel Santana
Programação oficial: www.designweekend.com.br 
Topo