Últimas de Estilo de vida

Plante flexíveis bambus e crie um clima de equilíbrio e paz em seu jardim

Getty Images
Bambus são usados em diversos estilos de jardinagem e combinam com outras espécies imagem: Getty Images

Simone Sayegh

Do UOL, em São Paulo

Existem mais de mil espécies de bambu no mundo, destinadas aos mais diversos fins, desde a fabricação de móveis até a estruturação de construções. Essas plantas crescem como gramíneas ou chegam a alcançar 40 metros de altura, e, dependendo da espécie, vivem tanto em temperaturas baixas como tropicais. A forma de cultivo mais fácil é por propagação das mudas e suas espécies são divididas em alastrantes (monopodiais) e entouceirantes (simpodiais).

Na jardinagem se destacam o mossô, o gigante, o de múltiplas folhas e o bambuzinho de jardim. O substrato para cultivo dessas variedades deve ser bem drenado e úmido e, o local, sombreado. Porém, tais tipos permitem o plantio em saquinhos pretos com terra adubada e umedecida, mantidos à sombra, com pouca insolação direta, para depois de (em média) duas semanas, estarem aptos para o transplante das mudas - agora com raízes crescidas e mais fortes - aos locais definitivos, mesmo que mais ensolarados.
A dimensão ideal para cada cova é de 30 cm³ e a abertura deve receber algum tipo de adubação natural. Qualquer que seja o local do plantio inicial (cova ou saquinho), mantenha o solo úmido nas primeiras semanas. No primeiro ano de desenvolvimento, retire as plantas daninhas que crescerem muito próximas à touceira e, anualmente, adube a terra em redor do(s) exemplar(es) com cerca de três quilos de composto orgânico, mesclando-o ao solo.
 
Em lugar do composto orgânico, pode ser adicionado adubo NPK 20-05-20 ao substrato no período das chuvas, porém, cuide para que o químico não entre em contato direto com os brotos, para evitar queimaduras: para cada touceira recomenda-se 60 gramas de NPK no primeiro ano; 120 g no segundo; 180 g no terceiro; 240 g no quarto e 300 g do quinto em diante.
 
Ricardo Carvalho Neuding/ Divulgação
O bambu gigante atinge mais de 25 m, tem diâmetro de até 30 cm e é útil como barreira acústica imagem: Ricardo Carvalho Neuding/ Divulgação
 Bambu gigante (Dendrocalamus giganteus) - Da família das gramíneas, essa espécie tem beleza singular, com colmos (caule) aveludados bem unidos que variam de cor com o passar do tempo - quanto mais nova a vara, mais vivo é o tom de marrom - e folhas largas verde-escuras. A espécie atinge mais de 25 metros de altura, tem diâmetro de até 30 cm e é muito útil para o fechamento de grandes espaços, como barreira acústica ou na contenção de vento e poeira.
 
O “gigante” também pode ser usado para ornamentar grandes jardins, formar touceira e oferecer sombra para espaços de contemplação. É uma planta de rápido crescimento e bem adaptada aos climas tropicais. Não é recomendada para o plantio em vaso, devido ao porte e o cultivo em jardim exige distância mínima dos obstáculos de 50 cm. No entanto, para a constituição de cercas-vivas demandam espaços entre um e dois metros.
 
Fernando Moraes/Folhapress
Além do paisagismo, o mossô é usado na contenção de erosão imagem: Fernando Moraes/Folhapress
Bambu mossô (Phyllostachys edulis) - É uma das espécies mais utilizadas na composição de jardins e peça curinga de muitos paisagistas, pois dá graça e leveza tanto aos ambientes externos, quanto internos. Além do emprego paisagístico, o mossô é usado na contenção da erosão. Na China, é aproveitado para a produção de pisos, carvão, laminados, dentre muitos outros produtos. Resistente, aguenta bem baixas temperaturas e atinge até 25 metros de altura (20 m nos primeiros cinco anos), sendo entortado artificialmente para cultivo em vasos. Suas folhas e hastes são verdes, com diâmetro do tronco de até 15 cm e disposição que não forma touceiras. Na hora do plantio, o aconselhável é distanciar as mudas, no mínimo, um metro de algum obstáculo, como muros. Essa variedade se comporta bem como cerca-viva.
 
Para o trato em vaso, as medidas mínimas para o recipiente devem ser 50 cm x 50 cm. Também é necessário ter à mão argila expandida, manta geotêxtil, terra vegetal e areia. Para a preparação coloque a argila expandida no fundo do vaso e sobre ela um pedaço da manta (confeccionada em náilon e poliéster), que servirá para filtrar a água (retendo o substrato). Misture três partes de terra vegetal a uma parte de areia e complete. Essa composição ajudará a manter o “arejamento” do solo e a boa condição para que a raiz se desenvolva. Depois de plantar a muda, adube com composto orgânico e regue três vezes por semana. 
 
Ricardo Carvalho Neuding/ Divulgação
O bambu múltiplas folhas é delicado e, por isso, é usado na ornamentação de jardins imagem: Ricardo Carvalho Neuding/ Divulgação
Bambu múltiplas folhas (Bambusa multiplex) - Essa variedade forma touceiras e tem alto adensamento, por isso é muito usada na ornamentação de jardins. Por possuir muitas folhas (multiplex) é delicado e de fácil poda. Atinge de três a quatro metros de altura, quando adulto, e é indicado para fechar espaços, formar alamedas ou para criar pontos de contemplação. 
 
Este bambu pode ser plantado em vasos ou floreiras, mas deve ser podado, para diminuir as brotações laterais. Como possui varas finas, com dois a quatro centímetro de diâmetro, também pode ser moldado em diferentes formatos. Para a formação de cerca-viva de pequeno porte, recomenda-se a disposição de uma muda a cada meio ou um metro linear. A distância mínima entre o exemplar e algum obstáculo fixo deve ser de 20 cm.
 
Eduardo Luppi/ Divulgação
O bambuzinho atinge até seis metros e forma touceiras imagem: Eduardo Luppi/ Divulgação
Bambuzinho de jardim (Bambusa Textilis Gracilis) - Com coloração verde clara, ligeiramente amarelada, esse bambu atinge até seis metros de altura e forma touceiras espessas, sendo adequado à constituição de maciços densos. Mesmo tolerante ao frio, precisa de sol pleno e adapta-se melhor a canteiros, pois em vasos não atinge seu esplendor estético, se houver pouco espaço para o enraizamento.
 
Irrigue-o três vezes por semana e cuide para que o solo tenha boa drenagem (de preferência, seja arenoso, pois essa variedade não resiste ao encharcamento, que também favorece o ataque por fungos). A adubação pode ser orgânica ou feita com NPK 10-10-10. As podas regulares estimulam o adensamento da planta e ajudam a controlar o crescimento. Retirar os brotos laterais também é um meio de limitar o tamanho da touceira. 
 
Fontes: Eduardo Luppi, paisagista, e Ricardo Carvalho Neuding, produtor do Sítio da Mata, especializado em mudas de bambu.
Eduardo Luppi/ Divulgação
O bambuzinho atinge até seis metros e forma touceiras imagem: Eduardo Luppi/ Divulgação
Topo