Últimas de Estilo de vida

Casa em ruínas, após furacão, ganha nova vida em reforma a US$ 350 mil

Bruce Buck/ The New York Times
Cozinha comprada por "bagatela" torna-se o ponto de partida para a reforma da casa imagem: Bruce Buck/ The New York Times

Penelope Green

The New York Times, em Nova York (EUA)

A metade de trás do piso térreo da casa reformada no bairro de Red Hook, de propriedade de Jaime Roark e Ben Krone, é uma porta de garagem de plástico transparente. Em uma recente manhã de verão ela estava totalmente aberta e a luz se espalhava pelo chão de concreto. Olhando para cima, você pode ver os escapes de água alinhados na parte inferior dos painéis de acrílico da porta. Krone, designer arquitetônico e proprietário do Gradiente Design Studio, e Roark, designer de exposições no Guggenheim, compraram os escapes que foram instalados pelos próprios fabricantes da porta de acordo com o projeto customizado de Krone.

Como grande parte da Red Hook, o bairro ao longo da orla industrial sul do Brooklyn, a Pioneer Street está na chamada zona de inundação e o projeto de Krone para a casa segue meticulosamente os códigos de construção impostos, após a passagem do furacão Sandy em 2012. Os ventos e a tempestade confrontaram esta modesta casa de três andares e, depois disso, o proprietário, que havia mantido o edifício como imóvel para locação, foi forçado a remover as partes internas da construção com mais de um século, até sobrarem apenas as entranhas de tijolos.

Os inquilinos à época eram Ben McGrath, escritor contratado pelo jornal The New Yorker, e sua esposa, Leah Hoffman, que também é escritora. Seu filho, Ian, tinha apenas quatro meses quando Sandy os atingiu e, em um ensaio sobre o seu calvário, McGrath escreveu sobre os 40 sacos de lixo gigantes retirados do local, os livros flutuando em um vaso sanitário e como as necessidades de Ian os impediram de “sucumbir muito rapidamente à autopiedade”. (McGrath e Hoffman viveram como nômades por meses após a tempestade e, agora, moram em uma propriedade em um terreno elevado em Rockland County).

O resgate

Sem encanamento, paredes ou pisos, a casa estava inabitável e nenhum banco iria aceitá-la. Krone, hoje com 37 anos, e Roark, com 38, alugavam um loft em Williamsburg e procuravam um imóvel para comprar havia meses. Em outubro de 2013, acabaram adquirindo "o esqueleto" por cerca de US$ 880 mil e Krone, um modernista engenhoso cujos projetos passados incluem trabalhos residenciais e comerciais, atuou como empreiteiro e foi capaz de terminar a casa em seis meses, a um custo de cerca de US$ 350 mil.

Para fazer isso, ele e sua esposa usaram suas economias e seus cartões de crédito e fizeram, eles próprios, grande parte do acabamento. Em linhas gerais, a reconstrução se resume à adição de dois andares na parte de trás da casa, uma nova fundação e, é claro, toda a renovação da parte interna. O ponto central foi a cozinha que o casal comprou a preço de custo da Henrybuilt, a empresa de cozinhas baseada em Seattle, na qual Krone trabalhou. A Henrybuilt estava mudando o mostruário do showroom do SoHo, algo que faz a cada três ou quatro anos, e o casal aproveitou para comprá-lo por US$ 10 mil, uma fração do preço de varejo.

Cozinha-coração

Foi a partir das dimensões da cozinha que Krone projetou a casa de 200 m² com um living amplamente aberto, sala de jantar e cozinha no primeiro andar, com todos os eletros e utensílios escondidos em um armário na despensa, bem acima da área de inundação (lembre-se que o primeiro pavimento das casas da cidade é um andar acima do nível da rua), um andar térreo com escritório e sala frontal e o piso superior com um quarto e um closet.

Esta configuração aberta, que permitiu modificações quando a família cresceu, causou dores de cabeça posteriores com o banco, visto que todos os cálculos da hipoteca foram feitos para uma casa de um dormitório. Outro revés foi uma lei de empréstimo que estabelecia uma hipoteca de apenas 70 por cento do valor de avaliação da casa, se eles tentassem financiá-la antes de 12 meses a partir da data da compra.

No Natal de 2013, porém, eles tiraram a neve do espaço que seria a cozinha. Roak deu uma caixa de correio de presente ao marido e ele lhe presenteou com um termostato Nest e alguns detectores de fumaça. Em abril de 2014, finalmente, se mudaram com algumas peças de mobília que Krone projetou e tantas preces para que outro furacão demore a passar.

Tradutor: Melissa Brandão Gubel (tradução) e Daiana Dalfito (edição)

Topo