Vídeos

Escolha e mantenha limpo o escorredor de louças com dicas simples e fáceis

Juliana Nakamura

Do UOL, em São Paulo

Embora o escorredor de louças seja um dos objetos mais utilizados em uma cozinha, nem sempre as pessoas sabem ou lembram-se de limpá-lo. Duráveis e onipresentes, esses utensílios acabam sendo negligenciados durante a lavagem da louça ou mesmo da faxina, pois fazem parte da rotina de higienização. Mas a manutenção periódica é necessária, afinal, ficam em um ambiente úmido e sujeito a contaminações e à proliferação de bactérias.

Na hora da compra muita gente também se pega em dúvida diante da farta oferta de materiais, cores e modelos, que fazem dos escorredores um elemento decorativo capaz de imprimir personalidade e charme à cozinha. Todavia, a durabilidade e a capacidade de acomodar a louça produzida pela família não podem ser esquecidos durante a escolha desse acessório.

Getty Images
Considere a quantidade de louça diária gerada e os hábitos dos moradores imagem: Getty Images
Quantidade de louça - Ao escolher o escorredor de louças, primeiro analise o tamanho da pia e os hábitos dos usuários. Sua família é grande e realiza muitas refeições em casa? Então você precisará de um modelo capaz de comportar um volume maior de itens, provavelmente de dois andares. Lembre-se que o escorredor não deve comportar apenas pratos, mas também copos, talheres, e, eventualmente, panelas e travessas. Agora, se você mora sozinho ou tem pouco espaço disponível, optar por modelos mais compactos ou dobráveis é a escolha coerente.

Divulgação
Tenha atenção ao instalar o escorredor suspenso: o peso aumentará com a louça imagem: Divulgação
Tipologia - Em função das características da cozinha, existe a possibilidade de o escorredor ser um modelo de pia ou parede. Suspensos, esses últimos são práticos e ajudam a economizar espaço na bancada. Mas, atenção: escorredores de parede precisam de cuidados durante sua instalação: use parafusos nas dimensões exigidas pelo modelo, evite a fixação por pregos e ao fazer os furos, certifique-se de que não há encanamentos naquela porção da parede.

Para quem tem uma cozinha mais compacta, alternativas são os dobráveis, que ficam abertos na pia e, após o uso, podem ser fechados e guardados no armário.

 

Getty Images
Escorredores de bambu têm tratamento antibacteriano e são modernos imagem: Getty Images
Matérias-primas - Embora a maior parte dos escorredores seja de aço inox e de plástico, há uma variedade considerável de matérias-primas utilizadas na produção desses utensílios. Para quem prioriza durabilidade e um visual tradicional, os modelos metálicos tendem a agradar. Para os que gostam de cor e de uma aparência mais moderna, os feitos de plástico (polipropileno, normalmente) são boas opções.

Assim como aconteceu com as tábuas de carne, o bambu surge como alternativa para a estruturação de escorredores. Menos durável que o aço inox, o material tem a vantagem de contar com a proteção antimicrobiana.

Getty Images
Limpar e secar o escorredor é essencial para a manutenção da salubridade imagem: Getty Images
Manutenção e desinfecção - A manutenção do escorredor varia em função do material do qual o utensílio é feito. O ideal é que o escorredor seja limpo diariamente com água e sabão e mantido seco após o uso. Para preservar a vida útil do objeto, evite o uso de produtos ácidos ou solventes.

Limpe os modelos de aço inoxidável com detergente neutro e esponja macia, pois embora o material seja bastante resistente, tende a riscar com facilidade. Após a lavagem, sempre que possível, enxágue o produto com água quente e seque-o imediatamente, para que o brilho original seja mantido.

No caso do bambu, para nutrir as fibras e conservar a cor natural, aplique uma camada fina de óleo mineral (encontrado em farmácias) com a ajuda de um pano seco e limpo, duas ou três vezes ao ano. E, qualquer que seja o material estrutural, mantenha os escorredores em locais arejados.

Se o escorredor, em função do seu design, favorecer o acúmulo de água em sua base, é possível que exista a proliferação de bactérias e fungos. E neste contexto há o risco de contaminação dos utensílios e, consequentemente, de infecções como gastroenterites, que causam dores abdominais, diarreias e vômitos.

Para evitar tais problemas, Graziella Hanna, infectologista do Hospital Santa Cruz, em São Paulo, recomenda a desinfecção semanal do escorredor. Para isso, dilua um copo (200 ml) de água sanitária (hipoclorito de sódio a 2,5%) em quatro copos de água (800 ml). Deixe o utensílio imerso nessa solução por uma hora e, após o procedimento, enxágue e seque o objeto normalmente.

Fontes: Dra. Graziella Hanna, infectologista do Hospital Santa Cruz de São Paulo; Eliana Gera, diretora de Operações da House Shine; catálogo das empresas fabricantes.

Topo