Casa e decoração

Turma do funil: adegas e cervejeiras deixam a bebida na temperatura ideal

Juliana Nakamura

Colaboração para o UOL, em São Paulo

Para quem aprecia um bom vinho e vive nos trópicos, dispor de uma adega climatizada é alternativa interessante (quase essencial!) para manter a bebida em condições ideais, ou seja, sob temperatura e umidade estáveis e controladas.

Há versões com diferentes tamanhos e formas variadas, da mais sóbria a mais moderna, e a opção por um modelo maior ou menor depende fundamentalmente da área disponível e do “apetite” colecionador do proprietário. Para quem tem rótulos nobres que precisam envelhecer e compra em um ritmo maior do que consome, a dica é investir em um modelo com capacidade para, pelo menos, 40 garrafas.
 
Nenad Radovanovic/ Divulgação
Adegas estão em nichos no apê projetado por Gisele Busmayer e Carolina Reis imagem: Nenad Radovanovic/ Divulgação
Onde instalar?
 
Ao escolher o equipamento leve em conta o local onde ele será instalado. Se a adega for embutida em um móvel, considere o espaço mínimo para a ventilação: o ideal é deixar 5 cm nas laterais, no topo e no fundo. Além disso, garanta área suficiente para a abertura total da porta. De modo geral, uma adega climatizada pode ser instalada em salas, escritórios e até em varandas gourmet, desde que não sejam expostas ao sol.
 
Refrigeração
 
O que diferencia as adegas climatizadas são os sistemas de refrigeração. Há duas tecnologias principais: termoelétrica e via compressor a gás. A primeira trabalha através da troca de calor com o ambiente e mantém a temperatura cerca de 12º C mais baixa que a externa. Essas versões têm a vantagem de consumir menos energia e de emitir pouco ruído. Em contrapartida, tendem a apresentar maior variação de temperatura interna, especialmente em lugares mais quentes.
 
Com funcionamento semelhante ao de uma geladeira, a adega com compressor a gás apresenta consumo elétrico um pouco maior, se comparada à equivalente termoelétrica. Em compensação, incorpora o termostato, que permite o controle mais rigoroso da temperatura interna. Todavia, alguns modelos podem gerar muita vibração (o que é prejudicial aos vinhos mais finos). Por isso, na hora da compra, analise essa característica.
 
Getty Images
Adegas podem ter prateleiras removíveis e compartimentos com climas distintos imagem: Getty Images
Eficiência energética
 
O consumo de energia elétrica das adegas climatizadas varia muito e o consumidor precisa ficar atento. A potência da maior parte dos equipamentos de pequeno e médio porte gira em torno de 50 a 80 W. Em geral, espera-se que esses eletrodomésticos demandem, aproximadamente, a metade da eletricidade de uma geladeira.
 
Mas é possível melhorar a eficiência energética da adega apenas instalando o equipamento em um local protegido da incidência muito forte de luz. Outro truque é adquirir um modelo com luz interna, que diminui o tempo de abertura da porta. Algumas adegas possuem, ainda, o selo Procel classe A, do Inmetro, que indica a eficiência energética do produto.
 
Custos
 
As adegas têm preços que variam muito em função do tamanho, do design e dos acessórios (prateleiras removíveis e reguláveis, alarmes e compartimentos com diferentes aclimatações). As versões mais simples têm preço em torno de R$ 500, enquanto as mais sofisticadas ultrapassam R$ 15 mil. Tal investimento só se justifica para aqueles que mantêm vinhos caros em casa, colecionam rótulos e costumam receber amigos em jantares (grandes) regados à bebida.
 
Vale observar
 
Apesar da maioria das pessoas não precisar de uma adega caríssima, alguns “adicionais” valem a pena ser levados em conta ao comprar o equipamento, um deles é a composição do vidro da porta: eles devem ser escuros ou ter proteção contra raios UV. Isso porque, a luminosidade pode colocar em risco a qualidade do vinho.
 
No caso dos modelos com compressores, a emissão de ruídos deve ser checada, especialmente se a instalação for feita em salas ou escritórios. As adegas muito barulhentas podem até ser mais baratas, mas vão lhe deixar enlouquecido com o tempo. Por fim, não custa conferir a reputação da fabricante e sua rede de assistência técnica. Tal cuidado pode minimizar transtornos em caso de manutenção.
 
Getty Images
Mantenha a cerveja bem gelada na festa: use uma cervejeira e elimine o gelo no tanque imagem: Getty Images
Para os amantes de cerveja
 
Para quem prefere uma loura gelada, as cervejeiras fazem o papel de adega e agregam praticidade à conservação e consumo. São indicadas para casas com vários consumidores ou para quem dá festas com frequência. Os modelos com até 100 litros de capacidade cabem em qualquer cantinho e atendem confortavelmente pequenas confraternizações. Mas há versões maiores, para quem dispõe de muito espaço e costuma realizar grandes eventos.
 
Funcionando como uma geladeira, as cervejeiras podem incorporar acessórios como controlador digital com indicador de temperatura, degelo automático, prateleiras reguláveis (para guardar latas, 'long necks' e garrafas maiores) e, até, torneira para extrair chope.
 
Manutenção
 
Os cuidados para manutenção de adegas e cervejeiras são semelhantes aos aplicados aos refrigeradores. Basicamente, as fabricantes recomendam o uso de produtos de limpeza neutros e desaconselham o emprego de materiais abrasivos como esponjas de aço. 
 
Fontes: Catálogos de fabricantes; Gisele Busmayer, designer de interiores; Kátia Spadari, sommelière da Vinícola Góes; Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normatização e Qualidade Industrial); Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor).
 
Topo