Construção e reforma

Hidrômetro individual em apê ajuda na economia, mas exige investimento alto

Getty Images

Juliana Nakamura

Colaboração para o UOL, em São Paulo

Indicada para reduzir o desperdício nos condomínios, a medição individualizada de água é obrigatória para novos empreendimentos imobiliários, conforme a Lei Federal 13.312, sancionada em 12 de julho. Em edifícios antigos, a troca do medidor coletivo por hidrômetros para cada apartamento esbarra na necessidade de obras, muitas vezes complicadas, e investimentos elevados. 

O interesse pela medição individualizada do consumo de água se deve à possibilidade de redução de custos e à cobrança mais justa. Atualmente, na maioria dos condomínios a água representa cerca de 15% dos gastos comuns e o pagamento da taxa é feito por rateio. A reportagem do UOL conversou com alguns especialistas para entender como funciona o sistema individual de medição e avaliou seus prós e contras.
 

Cada um com sua conta

A individualização consiste na instalação de hidrômetros em cada apartamento para aferir o consumo de água do mês, como nas casas. Com isso, cada unidade condominial pagará pelo que consome, diferentemente do sistema coletivo no qual há apenas uma conta e o valor total é dividido pelo número de unidades.
 
Vantagens
  • Economia de água: medição individualizada por si só não reduz o consumo, mas induz a uma maior conscientização do usuário quanto ao custo do insumo. Estudos em condomínios que fizeram a individualização, como o executado pelo Departamento de Engenharia Ambiental da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), apontam que a mudança ajuda na redução do consumo global de água, quando associada a outros fatores (uso de caixa sanitária acoplada, por exemplo) em cerca de 30%.
  • Detecção de vazamentos mais fácil: com o controle individual, fica mais fácil identificar eventuais desvios no padrão de consumo e, consequentemente, vazamentos.
  • Redução de fraudes no sistema de abastecimento: o controle austero inibe fraudes por detectar mais facilmente alterações na quantidade de água demandada a cada mês.
Desafios
  • A instalação de hidrômetros individuais requer investimentos em torno de R$ 400 a R$ 700, por unidade (em edificações preparadas para receber esses equipamentos). Em prédios antigos, o custo pode chegar a R$ 6 mil por apartamento, segundo levantamento feito pelo UOL.
  • Em alguns casos a individualização simplesmente não é viável. Isso acontece quando o número de ramais de cada unidade é muito grande e as prumadas são independentes, ou seja: a alimentação de cada banheiro, área de serviço, cozinha etc. é feita por sistemas distintos partindo da caixa d’água do edifício. Nesses casos, será preciso instalar um hidrômetro para cada ponto de consumo e contratar uma empresa de gestão para somar os valores correspondentes a cada imóvel.
  • Uma empresa contratada para a gestão do consumo individual cobra, em geral, de R$ 3 a R$ 8 mensais por unidade analisada. Em São Paulo a própria Sabesp faz a medição individualizada, mas somente em edifícios novos.
  • A individualização demanda espaço na área comum do condomínio para a instalação dos hidrômetros e o serviço implica em quebra de alvenaria e revestimentos nos apartamentos.
  • O condomínio não pode tomar a decisão sem um mínimo de adesões à proposta de individualização dos hidrômetros: para aprovar a nova forma de medição é necessário convocar uma assembleia geral. Por outro lado, as unidades habitacionais também não podem fazer o serviço por conta própria.
  • Em prédios já projetados para a individualização, o procedimento é bastante simples e só depende da colocação dos equipamentos. Isso pode ser feito por uma empresa terceirizada ou pela própria concessionária de água.
  • Para consumidores com perfil de baixo consumo, a individualização pode não ser financeiramente vantajosa. A razão é que as concessionárias trabalham com consumo mínimo (10 m³) para cobrança. Então, se o apartamento já está nessa faixa, a redução da demanda não barateará a conta (mas ainda assim o meio ambiente agradece). 
Atenção ao contratar
  • Em edifícios antigos, o síndico que tiver interesse na individualização da medição de água precisa procurar uma empresa especializada, pois as concessionárias de água não realizam o serviço de readequação das instalações.
  • Fique atento! Muitas empresas oferecem aos condomínios o pacote completo: projeto e instalação da medição individualizada + gestão. Antes de contratar, faça as contas.
  • É fundamental que a prestadora de serviços ofereça um projeto ao condomínio de acordo com as normas técnicas vigentes, portanto, consulte a lei e as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). 
  • A contratação de uma empresa que não presta bons serviços pode gerar problemas como falhas de abastecimento nas unidades e alteração na potabilidade da água. Assim, faça uma pesquisa de mercado antes de fechar o contrato. 
  • Mesmo com a instalação do hidrômetro individual, continuará existindo uma conta de água referente ao consumo do edifício (sanitários de uso coletivo, piscina; limpeza; combate a incêndio etc.).
Fontes: Luciano Zanella, engenheiro civil e pesquisador do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo); Copasa (Companhia de Saneamento de Minas Gerais); Conselho Brasileiro da Construção Sustentável.
Topo