Vida em casa

Respeitar limites do seu liquidificador aumenta a vida útil do aparelho

Getty Images

Giovanny Gerolla

Colaboração para o UOL, em São Paulo

Não é só jogar os ingredientes no copo e colocar para bater: o uso do liquidificador requer cuidados para evitar curtos-circuitos e choques elétricos, desgaste do motor, sujeira incrustada e, mesmo, cortes nos dedinhos.

Usar de maneira adequada significa, em primeiro lugar, conhecer os limites do seu eletrodoméstico e não 'forçar a barra'. Se você ainda não tem um, vale a dica: guarde um dinheirinho e procure investir nos modelos com copos e hélices desmontáveis, mais fáceis de lavar.

Vale pra tudo

A lição número um vale não só para liquidificadores: leia o manual de instruções. Fique atento a todas as informações para que seu eletrodoméstico dure mais, "especialmente, os tópicos que tratam da instalação correta, das funções do aparelho e do correto manuseio", como indica Athayde Filho, da gerência de Certificação de Produtos da ABNT.

Certifique-se da voltagem do eletro: não conecte equipamentos 110 V em tomadas 220 V e vice-versa e “evite ligar mais de um eletrodoméstico numa mesma tomada, com benjamins ('T')”, alerta Thiago Tinoco, técnico da Proteste. Há o risco de curtos-circuitos.

3 regras de ouro

  1. Copos de plástico não suportam líquidos muito quentes. De acordo com a fabricante Electrolux, o líquido não deve ultrapassar os 80°C. Para evitar 'explosões', antes de bater, deixe a tampa aberta por um tempinho, para que o conteúdo esfrie um pouco.
  2. Ao misturar ingredientes, comece sempre pelos líquidos e adicione os sólidos aos poucos, pela abertura central da tampa. “O cuidado facilita a trituração e força menos o motor”, afirma Tinoco. Faça o processo com calma: se a hélice estiver ‘girando em falso’, desligue o aparelho e mexa um pouco com uma colher, sem encostá-la na hélice. Então, ligue preferencialmente na função ‘pulsar’, para não desgastar a máquina.
  3. O uso do liquidificar para bater massas de pães e bolos não é recomendado, segundo Athayde Filho, da ABNT. Isso porque o motor da maioria dos aparelhos não é adequado para resistir ao esforço.

Pulsar, ‘o’ salvador

  • Não tente processar tudo de uma vez, enchendo demais o copo, mesmo que o conteúdo seja todo líquido. De acordo com a associação Eletros, o ideal é ir carregando o aparelho pouco a pouco, para melhor triturar ou bater, e mantê-lo na potência máxima de rotação ou fazer uso do ‘pulsar’. 
  • Cuidado ao tentar triturar alimentos secos: o clássico ‘cheiro de queimado’ que sai da máquina indica a sobrecarga do motor. O melhor é deixar a tarefa para o multiprocessador. Só tem o liquidificador à disposição? Coloque o conteúdo aos poucos, através da tampa dosadora, e use a função ‘pulsar’, repetindo a operação tantas vezes quanto necessário.
  • Quer preparar aquede drinque geladinho? Ao bater líquidos com gelo no liquidificador não esqueça: a função ‘pulsar’ é própria para triturar as pedrinhas!

Tinindo, sempre

  • Na hora da limpeza, esqueça que a palha de aço existe e empregue o lado macio da esponja: "O lado abrasivo, com o tempo, arranha a jarra e o próprio corpo do equipamento", lembra Thiago Tinoco, técnico da Proteste. A questão, aliás, não é só estética, pois é nas ranhuras que a sujeira vai ficando incrustada.
  • Outro cuidado importante na higienização diz respeito às lâminas. Remova-as do copo, para fazer a lavagem e, assim, evite acidentes e melhore a eficácia do serviço. Ao remontar o conjunto, verifique se o encaixe está correto para evitar danos à hélice ou o derramamento do conteúdo ao ligar o aparelho.
  • Nunca coloque a base do liquidificador embaixo da água, sob o risco de danificar o motor. Limpe somente com pano úmido ou esponja macia umedecida. 'Tá' encardido? Use um pouquinho de detergente neutro e 'enxágue' com cuidado, usando o pano.
  • As lâminas estão um pouco cegas? Não se meta a amolá-las. É preciso técnica para fazer o trabalho: leve o aparelho a uma assistência autorizada, para que se verifique a possibilidade de aproveitar o conjunto. Caso o desgaste seja intenso, a saída é mesmo trocar a peça.

Fontes: Athayde Filho, da gerência de Certificação de Produtos da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT); Electrolux; Eletros - Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletrônicos, Thiago Tinoco, técnico da Proteste - Associação Brasileira de Defesa do Consumidor.

Topo