Casa e decoração

Casa avarandada usa posição do sol para aquecer ou esfriar ambientes

Giovanny Gerolla

Colaboração para o UOL, em São Paulo

O projeto para a casa Botucatu, do escritório paulistano FGMF Arquitetos, tem uma proposta bastante escultural, apesar do conceito simples: a grande cobertura da residência (que se assemelha a uma mesa ou a um “guarda-chuva”) abriga blocos funcionais que agrupam usos, distribuídos em volumes com estéticas distintas.

O posicionamento do teto foi calculado em relação à orientação solar e à necessidade de integrar com privacidade. Assim, além de criar a generosa sala-varanda, ligada à piscina e ao lazer, no verão, a laje sombreia toda a casa e, no inverno, permite que o sol - mais baixo - passe por debaixo da estrutura e “esquente” os ambientes da morada.

A área íntima dos dormitórios, no pavimento superior, está totalmente revestida de lâminas de madeira e conta com portas e janelas do tipo camarão e com fechamento cego. Por outro lado, os serviços (cozinha, lavanderia e dependências de empregados) encerram-se no térreo, separados do restante da casa por paredes de alvenaria pintadas de preto.

Separados, mas nem tanto

Embora tenham alguma independência e privacidade, os blocos se conectam à área de convivência social. A comunicação entre eles se dá pela variação de altura determinada pelos pés-direitos - ora duplos, ora simples -, por vezes, interrompidos por uma passarela em aço que cruza toda a extensão do terreno. Tal jogo é traçado com fluidez e naturalidade e ganha expressão máxima na caixa formada por grandes folhas de vidro que alcançam o forro de concreto aparente e abrigam o living, ao lado da piscina.

“O espaço flui entre o interno e externo e este conceito criou complexidades espaciais e estéticas interessantes, que determinaram o desenvolvimento do projeto. Trata-se de uma espécie de reinvenção das tradicionais varandas”, explica o arquiteto Fernando Forte, do escritório FGMF. Desta forma, a casa Botucatu, destinada a um jovem casal, pôde proporcionar aos moradores uma relação perfeita entre o construído e o natural - dado pelo paisagismo circundante feito com espécies locais -, em qualquer época do ano.

Ficha técnica

Casa Botucatu, Botucatu (SP)

Projeto de FGMF Arquitetos

Detalhes do projeto
  • Área do Terreno 1.086,20 m²
  • Área Construída 522,22 m²
  • Conclusão da Obra 2014
  • Projeto FGMF Arquitetos - Fernando Forte, Lourenço Gimenes e Rodrigo Marcondes Ferraz
  • Equipe Fernando Forte, Lourenço Gimenes, Rodrigo Marcondes Ferraz, Marília Caetano, Sônia Gouveia, Gabriel Mota, Thyene Schmidt, Bruno Araújo, Flávio Faggion, Heloísa Adam, Juliana Nohara e Monica Harumi
  • Colaboradores Gabriela Santoro e Mirella Fochi
  • Projeto de Arquitetura FGMF Arquitetos - Fernando Forte, Lourenço Gimenes, Rodrigo Marcondes Ferraz
  • Projeto de Paisagismo Caroline Bueno
  • Projeto Estrutural - Concreto Edson Bispo Ferreira
  • Projeto de Instalações Elétricas Projhel
  • Projeto Luminotécnico FGMF Arquitetos e Marcos Castilha
Topo