Casas

Casa na Barra do Sahy reúne detalhes básicos com funcionalidade

Os irmãos Lua e Pedro Nitsche, graduados em 1996 e 2000, respectivamente, pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP – e sócios na Nitsche Arquitetos Associados, de São Paulo, têm um pouco mais de uma década de atividades profissionais com o diploma na mão, mas já reúnem trabalhos de destaque no portfólio. Entre eles, a residência de Barra do Sahy, em São Sebastião, a 214 km de São Paulo, no litoral norte.

O projeto ganhou 1º lugar no prêmio Planeta Casa, da Editora Abril, em 2004. O estilo rústico da construção, marcado pela madeira e a pedra, se mistura com uma atmosfera clean, composta pela enorme quantidade de vidros. Essa combinação resulta em um espaço com liberdade de circulação, já que não se avista portas, conforto e transparência. “Por estar sobre uma plataforma, suspensa do chão, aumenta ainda mais essa sensação de leveza e amplitude”, explica o arquiteto Pedro Nitsche.

A plataforma de apoio é uma característica importante do projeto. Criada para minimizar os efeitos da umidade excessiva, típica das regiões litorâneas, evita o contato direto do piso com o solo e acabou reunindo múltiplas funções. “Permite uma ventilação cruzada em todos os ambientes, dispensa grandes intervenções no preparo do terreno, movimento de terra e ainda evita a proximidade dos insetos com o piso da casa”, esclarece o arquiteto. Outro aspecto positivo desse recurso utilizado por Lua e Pedro é poupar canteiros de obras e desperdícios de material - por ser composta por lajes pré-moldadas, trata-se de uma etapa relativamente rápida de ser executada.

Depois de pronto, o platô de 336 m², foi revestido com pedra São Tomé. “É um material resistente, não é escorregadio nem sensível aos atritos dos grãos de areia, que estão em contato o tempo todo, e ainda disfarça a sujeira”, justifica Pedro. Para escoar a água da chuva foi feita uma canaleta com furinhos em toda a sua borda. O terreno arenoso, comum nessas áreas litorâneas, tem uma permeabilidade alta que comporta bem a água da chuva. “Não tem desvio de águas fluviais. O lençol freático não sofreu nenhuma alteração após a construção da casa”, conta o arquiteto.

Independência entre os ambientes

A estrutura é composta basicamente por dois materiais: a madeira pré-fabricada, que compreende os pilares, as vigas e a estrutura de cobertura e de forro; e as alvenarias, feitas de blocos de concreto, que são as paredes que separam um quarto do outro, e a área de serviço da cozinha, integrada à sala, que é o vértice da casa. Os espaços têm dimensões regulares, com estrutura modular. Para entender melhor: ao todo são seis módulos de 3,5m x 6m (totalizando 21m x 6m). Três módulos foram reservados para as três suítes, que têm o mesmo tamanho e ficam na parte de trás, e os outros três módulos, para os ambientes de estar e serviço.

Não há corredores ou outro tipo de ligação entre os ambientes na parte interna da casa. O acesso aos cômodos se dá somente pelos espaços de fora, pela varanda principal ou pela passagem lateral, do lado oposto. “Assim há um aproveitamento melhor da área construída e mais independência de cada ambiente. O que é muito útil em casa de veraneio, onde se recebe visita e os horários nem sempre coincidem. Os donos da casa, assim como os convidados, têm privacidade”, explica Pedro. E não é só. Essa abertura dos cômodos em lados opostos permite uma ventilação cruzada que, além de refrescar, ameniza consideravelmente o nível de umidade interna dos ambientes, que costuma ser alta nas cidades de praia.

Na parte da frente, uma pequena área, a única com paredes de alvenaria para quem vê de fora, compreende a lavanderia. Entre esse espaço, que fica logo no começo da planta, e os quartos, na porção de trás, fica a sala de estar integrada à cozinha. “Essa era a ideia mesmo. A área íntima ser bem reservada, independente e individual e a área social, integrada, central, favorecendo o convívio das pessoas”, diz Pedro.

Para concluir a construção, os arquitetos optaram por telha metálica de alumínio para a cobertura e, para fechar os espaços na lateral, vidros temperados, de 8mm, com sistema de fechamento leve e caixilharia de alumínio. As instalações elétricas são aparentes, para possibilitar qualquer alteração no futuro, As hidráulicas, embutidas no forro. (Isabela Leal, colaboração para o UOL)

Ficha técnica

Casa Barra do Sahy, São Sebastião (SP)

Projeto de Nitsche Arquitetos

Detalhes do projeto
  • Área do Terreno 805,77m²
  • Área Construída Área interna (útil): 126m²; área de projeção da cobertura: 190m²; área de laje (plataforma de piso): 336m²
  • Início do Projeto Julho 2002
  • Conclusão da Obra Dezembro 2002
  • Projeto Lua Nitsche e Pedro Nitsche
  • Equipe Lua Nitsche, Pedro Nitsche e Marina Mermelstein
  • Construção Construvale
Topo