Vídeos

Casa tem paredes em zigue-zague, pé-direito de 7 m e tijolos na estrutura

Giovanny Gerolla

Do UOL, em São Paulo

A Casa LA foi pensada como um instrumento de proteção. Por mais óbvio que isso pareça, não é fácil fazer desta função o elemento primordial de um projeto, quando o terreno de currais e bosques densos atrai o olhar na direção infinita das planícies. Pois este é um horizonte que também precisa ser explorado pela arquitetura, na busca de sua integração com a paisagem.

Entre o jogo de proteger e aproveitar a riqueza das vistas da estância, instaurou-se a necessidade de empregar materiais locais, aproveitar a luz natural e, ao mesmo tempo, desenhar volumes não só originais, mas que também condensassem uma noção de continuidade. Porém, a construção não podia configurar-se como uma caixa de design "descolado" naquela realidade imediata repleta de rusticidade e natureza.

O Gabinete de Arquitectura optou, assim, pelo barro e explorou extensivamente o uso dos blocos e tijolos cerâmicos: por vezes inteiriços em assentamento reto ou despedaçados em fragmentos misturados ao concreto e, outras, em disposição diagonal formando planos dentados de fachada que refletem a luz e sombreiam.

Fachadas e volumes

Na casa alocada em uma imensidão de pastagens, não há fachada mais ou menos elaborada, cada uma tem seu toque especial. A da porta da frente volta-se para área social – estar com lareira, jantar e cozinha – e  tem varanda envidraçada na forma de um jardim de inverno, voltado para campo aberto, onde há uma pista de pouso para aeronaves.

A fachada sul foi executada através de uma sequência de paredes recortadas muito finas (quatro centímetros de espessura) e altas (sete metros), que se alinham em zigue-zague e, do lado de dentro da residência, formam um longo corredor-galeria.

A casa é formada por um volume externo, ou caixa maior, com paredes estruturais, laje de blocos cerâmicos reforçada por tensores metálicos e fechamentos laterais em vidro, onde a incidência da luz natural é mais permanente (norte).

Dentro desta grande caixa está outra contínua, longitudinal e menor, abrigando cozinha e dormitórios com seus respectivos banheiros. Em ambas, apesar das diferentes funções estruturais, o material empregado é sempre o mesmo: barro.

Por fim, de cima da caixa contínua interna, uma porta se abre para varanda (oeste), donde se avista o bosque, ao longe, e os currais. A Casa LA não é mera casa grande de uma fazenda de criação de gado, ela é a própria estância, porque traz em si a natureza e seus elementos.

Ficha técnica

Casa LA, São Pedro, Paraguai

Projeto de Gabinete de Arquitectura

Detalhes do projeto
  • Área Construída 740 m2
  • Início do Projeto 2005
  • Conclusão da Obra 2005
  • Projeto Gabinete de Arquitectura
  • Equipe Alberto Marinoni, Gloria Cabral, Solano Benítez, Cristina Cabrera, Lorena Silvero e Berenice Gomez
  • Colaboradores Alexandra Caleros, Pablo Escudero e Belen Fuentes
  • Projeto de Arquitetura Gabinete de Arquitectura
  • Projeto Estrutural - Concreto Enrique Granada
  • Construção Gustavo Mais
Topo